Ritalina: conheça sua função e efeitos colaterais

Um dos medicamentos mais populares e vendidos do mundo é a Ritalina. Já o seu uso vem se tornando cada vez mais frequente, devido sua fama por ser uma espécie de “pílula da felicidade”. A droga ganhou esse apelido pela sua capacidade de aumentar a concentração e driblar o cansaço.

Por esse motivo, a medicação é encontrada em diversos locais como faculdades de medicina, cursos pré-vestibulares, em grandes empresas e até mesmo nas startups. Apesar de ser indicada nos casos de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), narcolepsia e hipersonias, a Ritalina vem sendo utilizada sem critérios.

Por falta de maiores estudos a longo prazo, essa situação tem incomodado muitos médicos e leigos também. Por isso, antes de consumir a medicação, é importante compreender como ela funciona e por que nem todos podem tomá-la sem uma necessidade específica. Confira na íntegra todas as informações sobre a Ritalina.

Seu funcionamento

A Ritalina foi criada para atender alguns tipos de problemas de funcionamento do sistema nervoso. Sua principal substância é o cloridrato de metilfenidato, um psicoestimulante do grupo das anfetaminas.

Vale ressaltar que o uso também abrange os idosos que não toleram bem os efeitos colaterais dos antidepressivos. Entretanto, a popularidade que a droga alcançou e seu uso indiscriminado vêm gerando críticas e preocupação, principalmente quando ela é administrada em crianças diagnosticadas com TDAH.

Efeitos colaterais da Ritalina

Mesmo sendo consumida de forma correta, a Ritalina pode provocar alguns sintomas nos pacientes.

Os mais comuns são: falta de apetite, tremores, sudorese excessiva, boca seca, surgimento de crises de ansiedade, pânico ou surtos psicóticos, dor de cabeça, aperto no peito, taquicardias, insônia e aumento da pressão arterial.

Além disso, a Ritalina pode gerar complicações mais sérias dependendo do histórico da pessoa que toma a medicação, como: convulsões e arritmias cardíacas. Entretanto, esses fatores são mais improváveis quando se respeita a quantidade de doses ingeridas.

Porém, médicos neurologistas afirmam que quando aplicada da maneira correta, a substância é segura e não traz riscos para a saúde e bem-estar do paciente.

Quais são os riscos?

O questionamento gira em torno da seguinte questão: até que ponto vale a pena colocar sua saúde em risco para obter sucesso na vida profissional ou acadêmica? A Ritalina pode até ser um auxílio para ajudar na concentração e diminuir o cansaço.

Mas isso não quer dizer que a droga pode ser tomada sem orientação médica adequada. O ideal é sempre procurar um profissional competente que possa auxiliar nesse momento.

Outra sugestão é buscar os benefícios da terapia online, pois com ela você tem a oportunidade de conversar com quem entende do assunto. Geralmente, esse tratamento é feito por psicólogos. São eles os profissionais indicados que dão todo o suporte e assistência técnica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui