4 SINAIS DE QUE ALGUÉM TEM DEPRESSÃO PÓS-PARTO

“O nascimento de um bebê pode desencadear uma confusão de emoções poderosas, de emoção e alegria até medo e ansiedade. Mas também pode resultar em algo que você pode não esperar – depressão.” – The Mayo Clinic

O nascimento de uma criança é um evento na vida de uma mulher que muitas vezes traz uma sensação de alegria esmagadora. Um sentimento exaltado de criar algo bonito e precioso. Esta alegria, apesar de quaisquer dificuldades que possam surgir antes ou depois do nascimento, provavelmente permanecerá durante toda a vida da mulher.

Mas como é bem conhecido até agora, as complicações antes e depois do nascimento são possíveis. Essas complicações podem ser extremamente difíceis, perplexas, frustrantes e até perigosas. Dificuldades durante a gravidez e após o nascimento podem tributar a saúde física e/ou mental da mulher, às vezes a um nível muito insalubre.

Algumas mães experimentam o que é conhecido como depressão pós-parto (DPP), tema deste artigo.

Aqui, discutimos quatro dos principais sinais de DPP reconhecidos pelos profissionais médicos. Também forneceremos algumas recomendações profissionais referentes ao tratamento de DPP.

Diferença entre DPP e “Baby Blues”

É vital fazer uma distinção entre duas condições similares, mas muito diferentes.

“Baby blues” é um termo comum usado para descrever os sentimentos de “preocupação, infelicidade e fadiga” que muitas mulheres experimentam depois de dar à luz. Os sentimentos acima mencionados são leves em comparação a depressão pós-parto, e geralmente se dissipam após uma semana ou duas.

DPP também evoca esses sentimentos, mas o grau em que eles são experimentados é ampliado. Além disso, outros sintomas geralmente surgem.

Também é importante entender que DPP é uma condição médica e mental reconhecida, e que é menos comum do que “baby blues”, mas mais comum do que se pode pensar.

Para entender a prevalência de DPP, considere que a condição ultrapassa os novos casos anuais americanos (masculinos e femininos) de: doença de Alzheimer, epilepsia, leucemia, esclerose múltipla, lúpus, leucemia, doença de Parkinson e tuberculose.

De acordo com Centers for Disease Control and Prevention (CDC), 11 a 20 por cento das mulheres que dão à luz todos os anos experimentam sintomas de DPP. Usando uma média de base de 15 por cento, este número equivale a cerca de 600.000 casos de PPD apenas nos Estados Unidos.

Aqui estão 4 sinais de depressão pós-parto:

1.Inabilidade ou falta de vontade para tomar decisões
A ansiedade é um sintoma quase universal daquelas com DPP – e é frequentemente extrema. Para mães de primeira viagem, essa ansiedade pode até parecer debilitante; tornando muito mais difícil tomar qualquer decisão.

Mas a tomada de decisão para aquelas com DPP muitas vezes envolve medo, também. Uma mulher com DPP já tem dificuldade de fazer escolhas, mas quando se trata de ter que decidir sobre algo relacionado ao cuidado do bebê (por exemplo, alimentação, nutrição), uma sensação de medo também pode surgir. Principalmente medo de fazer algo errado.

2.Crises de gritos ou ataques emocionais
Qualquer um que tenha experimentado a investida de emoções negativas trazidas pela depressão pode se relacionar a isto. Como com todos os sintomas relacionados com DPP, os sentimentos depressivos sentidos por aqueles com a condição são ampliados, tornando a pessoa mais suscetível aos seus efeitos.

A depressão severa altera drasticamente a composição química do cérebro, incluindo a serotonina – o neurotransmissor responsável pela estabilização do humor. Para as mães com DPP, esta alteração química do cérebro – combinada com o estresse inevitável que a maternidade traz – pode resultar em uma inundação esmagadora de emoções. Este acúmulo emocional pode se manifestar em ataques de choro, raiva, explosões verbais e outros comportamentos “erráticos”.

3.Exaustão, mas incapacidade de dormir
Para começar, as mães de primeira viagem muitas vezes não recebem uma quantidade adequada de sono. Alimentar e cuidar da criança durante a noite é uma rotina comum, afinal. Na maioria das circunstâncias, quando a criança está dormindo, a mãe irá aproveitar o momento para descansar.

No entanto, devido a uma infinidade de razões (incluindo as constantes desta lista), pessoas que sofrem de DPP relatam frequentemente a incapacidade de adormecer – uma condição conhecida como insônia.

Quando a mulher finalmente consegue adormecer, a qualidade do sono é muitas vezes pobre. Naturalmente, o (já sobrecarregado) cérebro não se recarrega assim; este ciclo complica ainda mais uma situação já difícil.

4.Pensar em machucar a si mesma ou o bebê
Embora este sinal seja provavelmente apenas um subproduto da atividade cerebral anormal, ainda mais exacerbado pelo estresse e ansiedade extrema, é considerado grave pelos profissionais médicos. Infelizmente, muitas pacientes são muito envergonhadas para procurar orientação sobre esses pensamentos.

Mas psiquiatras e clínicos são inflexíveis sobre procurar ajuda. Na verdade, muitas mulheres que procuraram ajuda receberam reafirmação imediata, sem mencionar um plano de tratamento que pode ajudá-las através deste momento difícil.

Tratamento da DPP

Felizmente, existem várias opções de tratamento para DPP. Os tratamentos mais comuns de envolvem terapia de conversa, aconselhamento, medicação, ou uma combinação dos três.

De acordo com a Mayo Clinic, depressão pós-parto geralmente dura por seis meses, com tratamento adequado. Como com qualquer outra condição de saúde mental, é essencial continuar o tratamento para a quantidade prescrita de tempo, mesmo depois de se sentir melhor.

FalaFreud é o melhor caminho para a terapia de forma fácil, acessível e conveniente para aqueles que procuram uma vida melhor. Você pode se conectar com um terapeuta do conforto e privacidade da sua casa usando o seu smartphone, baixe o nosso aplicativo em http://www.falafreud.com/ e converse hoje mesmo com um terapeuta.

____

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Power of Positivity

Gostou deste conteúdo e quer ler mais sobre Terapia ? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você !

2 COMENTÁRIOS

  1. tive depressão antes parto e pós parto sofri muito sou muito amorosa muito amorosa nenhum carinho eu tive ainda muita discriminação , críticas fofocas e e até que era espirito ruim ,percebi solidão e ajuda ao médico até minha mãe que a comigo gritava e me fazia sofrer.Não tinha ninguém para conversar eu e Deus,não quero mais nem lembrar ,mas as pessoas são tão más que ainda continuam fazendo tantas injustiças ,não quero mais isto pra mim,sou tção boa e nunca quero estar nos mesmos lugares que me sinto infeliz e excluída e isso me deixa mais triste,fora a sensação de mal estar e a sensibilidade que já é em mim aflorada!

    • Soraya, seria interessante procurar uma ajuda profissional. Você pode aprender a falar não, a ficar bem consigo mesma, independente do que as pessoas dizem ou fazem.
      Para isso precisamos fortalecer sua auto-estima, você pode encontrar um poder criativo que a ajudará a superar todas essas situações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui