Como consolar alguém que está vivendo um momento difícil

Você sabe o que falar na hora de consolar alguém? Existem algumas atitudes que podem tornar sua ajuda muito bem-vinda; Confira

Todos nós enfrentamos momentos na vida em que nos sentimos inconsoláveis. Seja por perder o emprego, vivenciar algum luto, terminar um relacionamento, etc.. Independente do motivo, existem acontecimentos na vida que estão fora de nosso controle e nos entristecem profundamente.

Estas situações podem ser dolorosas não só para quem está vivenciando, como também para quem está do outro lado, vendo o amigo ou familiar desolado e querendo ajudar, mas sem saber como. O que fazer nestes casos para consolar essas pessoas?

Por definição, alguém inconsolável não consegue aceitar ou receber consolo, por isso pode ser difícil saber como agir, mesmo que você queira desesperadamente ajudar. Embora cada situação seja diferente – e você precisará entender o que funciona com a pessoa e o que não funciona – existem algumas dicas gerais que podem tornar a sua maneira de consolar mais eficaz e bem-vinda.

  • Não diga nada, apenas OUÇA com atenção

Às vezes – especialmente quando alguém está sentindo uma tristeza profunda – a melhor forma de consolar a pessoa é oferecendo sua presença. Um ouvido que não julga, apenas escuta. Alguém que vai “estar lá” enquanto a pessoa desabafa.

  • Tenha empatia PELO OUTRO

Se a pessoa permitiu que você estivesse presente com ela em um momento difícil, é porque ela confia em você. E um dos maiores presentes que você pode oferecer a ela agora é empatia. Mesmo que você não esteja passando pela experiência exata que a pessoa, você pode se lembrar de momentos em que se sentiu desse jeito. Primeiro ouça o que ela tem a dizer, isso ajudará a validar os sentimentos dela e depois adicione sua própria perspectiva sobre o assunto.

Se a pessoa perdeu um membro da família, por exemplo, em vez de dizer: “Eu sinto muito pela sua perda”, considere falar que você entende a dor que ela está sentindo no momento e sabe o quão devastador pode ser esse sentimento. Nunca diga para a pessoa não ficar triste, tristeza é um sentimento comum aos seres humanos e em certos momentos precisamos nos permitir sentir essa dor para que ela passe.

  • Pergunte o que você pode fazer para ajudar

Você pode ter um milhão de ideias sobre o que fazer para a pessoa se sentir melhor, e isso é muito gentil, mas pode não ser exatamente o que a pessoa precisa. Quando alguém está inconsolável, é difícil ouvir as ideias dos outros. As opiniões alheias tendem a parecer julgamentos e podem ser difíceis de ouvir. Em vez disso, transforme seus pensamentos em perguntas.

Por exemplo, se você acha que seu ente querido se sentiria melhor se desse um passeio na rua, diga: “Você acha que há alguma atividade que poderíamos fazer hoje que possa lhe trazer algum alívio?” Dessa forma, a pessoa sentirá que está no controle, e podem surgir até idéias dela (ou até mesmo lhe pedir sugestões)- Lembre-se de respeitar o tempo do outro e entender, caso ela não queira fazer nada naquele momento.

  • Se mantenha positivo

Por um lado, você quer lembrar a pessoa que “isso também passará”, mas você também não deve fazer com que ela sinta que os sentimentos dela não estão sendo validados. Por isso, em vez de dizer, por exemplo: “Você se sentirá melhor amanhã”, você pode considerar algo como “eu sei o quanto você está sofrendo hoje. Amanhã é um novo dia e espero que você experimente algum alívio em breve”.

  • Recomende um terapeuta

Se a pessoa estiver inconsolável a ponto de se não se preocupar mais com o bem-estar dela ou se demonstrar sinais de risco para si mesma ou para outras pessoas, não hesite em intervir e fazer com que ela receba ajuda de um profissional imediatamente. 

Além disso, outro ponto de atenção é quando os sentimentos de tristeza  durarem além de um período de tempo razoável.  Você pode sugerir ajuda profissional através da terapia – O FalaFreud é uma ótima possibilidade, uma vez que a pessoa poderá fazer terapia online, sem precisar sair de casa. 

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental Terapia ? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialista para você!

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/08/what-to-say-to-someone-when-theyre-inconsolable/#more-10578

Como se livrar de pensamentos obsessivos

Os pensamentos obsessivos são aqueles que surgem em nossa mente e insistem em continuar, mesmo quando não queremos que eles apareçam mais. Normalmente, são pensamentos negativos, repetitivos e indesejados e surgem em forma de preocupações, medos, ou pensamentos ruins.

Entre os exemplos de pensamentos obsessivos vemos:
  • Medo de ficar doente ou que isso aconteça com algum amigo ou familiar
  •  Medo de contrair alguma doença
  • Achar que as coisas estão sempre desorganizadas e ter uma necessidade obsessiva de organização e simetria
  • Preocupação excessiva com pequenas coisas (como trancar a porta, desligar o forno,…)

Esses pensamentos podem atrapalhar a rotina do indivíduo, além de gerar muita ansiedade e angústias. Pensando nisso, preparamos uma matéria sobre o que fazer para acabar com os pensamentos obsessivos.

1. Não tente evitar os pensamentos

Geralmente quando esses pensamentos entram em nossa mente, nosso primeiro instinto é sentir algum nível de desconforto e logo em seguida tentar banir as visões indesejadas. Esta é a natureza humana: quando algo é ruim, evitamos. O fogão está quente, então não tocamos nele. Simples, certo? Porém, com o pensamento obsessivo é diferente.

Quando tentamos evitar um pensamento em um estado obsessivo, o cérebro continua nos lembrando sobre o pensamento indesejado, para que não nos esqueçamos de parar de pensar nele. É o mesmo princípio básico por trás de quando alguém te diz para não pensar em algo – como, por exemplo, um elefante rosa – nosso próximo pensamento se torna exatamente o que não devemos pensar.

O segredo é que, como todos os pensamentos, o que estamos ruminando não tem significado por si só. Isto é, se você parar de dar importância a esse pensamento, ele diminuirá a frequência até deixar de aparecer. Quando o pensamento aparecer, não dê importância e tenha consciência de que ele é apenas uma construção de sua mente.

2.Dê um nome ao pensamento

Para parar o pensamento obsessivo em sua mente, antes de tudo é necessário identificar esses pensamentos, isto é, temos que reconhecer nossos padrões antes de conseguirmos mudá-los.

Quando o pensamento voltar, nomeie-o, entendendo de que forma ele aparece em sua mente. Examine esses pensamentos para entender como eles são acionados e como você está respondendo a eles, ou seja, entenda em que contexto aparece e o que isso significa para você.

Tente identificar a causa por trás dos pensamentos para obter alguma perspectiva sobre ele. Se a preocupação, por exemplo, for não receber uma resposta de um amigo ou um possível erro cometido em um teste, pesquise o problema raiz. Isso significa que o problema vai além do que você imagina. Ou seja, se o problema fosse não receber uma mensagem de volta de um amigo, isso poderia significar: “Estou chateado com a forma que meu amigo me tratou da última vez que nos encontramos. Outro exemplo: a ansiedade sobre um teste pode significar: “Tenho medo de fracassar nesta matéria”. Por isso sempre examine as causas por trás do pensamento obsessivo. 

3.Pratique a aceitação

O próximo passo para parar o pensamento obsessivo é a aceitação. Lembre-se de que pensamentos são apenas pensamentos – uma série de neurônios disparando no cérebro, nada mais. À medida que aprendemos a aceitar pensamentos obsessivos, teremos uma chance muito maior de interrompê-los completamente.

Como falamos no item 1, o esforço resultante para evitar, suprimir ou escapar desses pensamentos serve involuntariamente para aumentá-los e fortalecê-los, tornando-os cada vez pior.

Aceitar, em vez de controlar e evitar, é o segredo. Por “aceitação”, não queremos dizer que você deva desistir ou renunciar, mas sim tirar a importância que eles têm em sua vida. Para aceitar pensamentos obsessivos, mantenha sempre sua mente no presente e seja realista sobre o que você faz e o que não tem controle.

Quando você estiver obcecado com o passado ou se preocupando com o futuro, se faça a seguinte pergunta: “Posso fazer algo sobre isso agora?”. Se a resposta for sim, identifique o que você pode fazer e faça. Se a resposta for não, faça o possível para aceitar o que é.

4.Meditação e Mindfulness

O problema dos pensamentos obsessivos pode estar no desconforto que sentimos por não conseguirmos controla-los, e, para isso, nada melhor do que a meditação. Enquanto você trabalha para desafiar as ruminações, nomeando-as e aceitando-as, usar exercícios de meditação e mindfulness pode te ajudar a acabar com as respostas emocionais negativas.

Mindfulness é o ato de limpar seus pensamentos e focar em como a mente e o corpo se sentem no momento presente. Para conseguir isso, a meditação oferece uma série de práticas para nos trazer para o momento presente, o que é um ótimo remédio para a ansiedade.

Quando o pensamento obsessivo entrar em cena, experimente realizar exercícios de respiração profunda, respirando devagar e contando até quatro, prenda a respiração por mais quatro segundos e depois expire para outra contagem de quatro segundos. Além disso, exercícios de aterramento também podem ajudar a quebrar o ciclo de ruminação. Aprecie seu entorno com todos os seus sentidos, identificando, por sua vez, cinco coisas que você vê, ouve, cheira, saboreia e sente para estar no momento “agora”.

5.Para obsessões mais graves

O pensamento obsessivo é uma parte normal da natureza humana, mas também pode ser a marca de uma variedade de doenças mentais, particularmente de transtorno obsessivo-compulsivo, e uma série de outros transtornos de ansiedade.

Se você está lutando contra pensamentos obsessivos perturbadores e persistentes, ou quer uma ajuda extra para administrar o pensamento obsessivo, procure um terapeuta para facilitar esse processo.

Lembre-se de que nossa mente é um lugar poderoso, e quando conseguimos parar de pensar obsessivamente, aceitando os pensamentos, praticando a meditação e obtendo ajuda da terapia, liberamos espaço para criar algo verdadeiramente surpreendente para nós mesmos.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você!

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/06/how-to-stop-obsessive-thinking/