Depressão ou tristeza? Veja como diferenciar

Identificar se é depressão ou tristeza não costuma ser fácil. Pensando nisso, preparamos uma lista com dicas para diferenciar uma coisa da outra.

Apesar de compartilharem sintomas parecidos, a depressão e a tristeza nunca devem ser vistas como a mesma coisa. Enquanto a tristeza é passageira e comum a todos os seres humanos, a depressão é um transtorno que precisa ser tratado com seriedade. Veja a seguir a diferença e descubra se é depressão ou tristeza.

Um dos principais fatores utilizados por profissionais da área para diferenciar ambos os sentimentos é com relação ao tempo de duração dos sintomas. Uma tristeza só pode ser considerada depressão, caso os sinais sejam recorrentes e estejam presentes a pelo menos duas semanas.

Além disso, é preciso ter em mente que alguns sintomas de depressão aumentam com o tempo e podem não ser identificados no primeiro momento. Veja quais são os sintomas “escondidos” por trás da depressão:

Irritabilidade frequente

Muitas pessoas não associam à raiva com a depressão e ignoram esse sentimento. Porém, o que elas não sabem é que este é um sintoma muito frequente do transtorno. Assim, se você se sente irritado constantemente, saiba que este pode ser um indício de depressão.

Dor crônica

É comum vermos casos de pessoas deprimidas com dores crônicas. Em muitos desses casos, a dor não responde à medicação e o paciente tenta de tudo, sem êxito. Porém, a causa pode estar na depressão e para isso será preciso primeiro tratar esse transtorno para depois tratar a dor.

Uso de álcool

Pergunte a si mesmo se você vem bebendo mais de uns tempos para cá e se isso faz você se sentir pior depois que o efeito da bebida passa. Apesar das pessoas terem a ideia errônea de que beber acalma, o álcool, na verdade, potencializa os sentimentos. Por isso, caso você esteja deprimido, o álcool pode agravar a tristeza.

Portanto, não tente tratar algum problema ou sentimento com a bebida alcoólica, pois isso pode ser ainda pior. Nesses casos, o melhor a se fazer é procurar ajuda de um psicólogo.

Mudança no apetite e no peso

Uma das formas de diferenciar se é depressão ou tristeza é observar se o seu peso mudou rapidamente nas últimas semanas. Qualquer alteração não intencional de mais de 5% do seu peso corporal em um mês – seja para mais ou para menos – quando junto com outros sintomas, pode ser mais um sinal de depressão. Você pode ter perdido seu apetite ou estar descontando seu sofrimento na comida, comendo mais do que precisa.

Mudança de hábitos

Sua tristeza está afetando seu dia a dia? Preste atenção se sua rotina diária mudou – em casa, na escola, no trabalho ou com amigos. Veja se as situações que antes costumavam te trazer alegria ainda continuam trazendo. Como está sua motivação para realizar as tarefas diárias?

Indecisão

Você anda com dificuldade em tomar decisões? É muito comum que pessoas deprimidas não consigam fazer escolhas, uma vez que a depressão pode retardar os pensamento e tornar difícil saber o que se quer.

Culpa

Você vive se culpando pelas coisas que acontecem? Esta sempre se sentindo uma pessoa ruim? A culpa contínua ou extrema é um dos sintomas menos conhecidos da depressão. Normalmente, pessoas deprimidas tendem a se cobrar demais e qualquer coisa é motivo para que elas se coloquem para baixo.

Imunidade baixa

Outro sintoma que poucas pessoas sabem, mas que pode estar relacionado com a depressão é a baixa imunidade. Perceba se você tem ficando doente com mais frequência. A depressão enfraquece a imunidade.

Doença cardíaca

A depressão pode agravar doenças cardíacas, uma vez que contrai os vasos sanguíneos e aumenta os perigos em casos de ataques cardíacos. Além disso, o contrário também pode acontecer: a doença cardíaca também pode levar à depressão.

Baixa libido

Outra dica para você identificar se é depressão ou tristeza é observar sua libido. Você perdeu o interesse em sexo? Problemas em seu relacionamento podem derivar da depressão – ou contribuir para isso – e sem o sexo as coisas podem ficar piores ainda para a relação.

A partir das dicas acima, você conseguirá saber se os sintomas estão mais próximos da depressão ou da tristeza. Porém, lembre-se que para ter o diagnóstico correto, você precisará procurar um profissional da área de saúde. É muito importante consultar um terapeuta e um psiquiatra para avaliar a necessidade de medicamentos e traçar o caminho ideal para o tratamento.

Assim que identificar alguns dos sintomas de depressão, procure um profissional o mais rápido possível, antes que problemas mais graves como beber, sentir dores ou conflitos com outras pessoas saiam do seu controle.

Fonte:https://www.psychologytoday.com/intl/blog/open-gently/201810/are-you-depressed-or-just-down

Quer saber mais sobre o assunto? Faça o teste de depressão no FalaFreud |Veja como superar a depressão |  Ansiedade e depressão ao mesmo tempo: Como tratar? |

Quem tem uma agenda cheia sabe como pode ser difícil marcar uma consulta e conseguir conciliar seus horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis, como, por exemplo, de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que em um consultório é bem difícil isso acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e se conectar com um dos nossos psicólogos.

Como viver no presente e ser menos ansioso(a)

Remoer o passado ou se preocupar com o futuro só reforçará sentimentos como estresse, ansiedade ou medo… Em vez disso, experimente viver no presente e veja como você se sentirá mais feliz.

Refletir sobre o passado ou se preocupar com o futuro são atividades comuns e esperadas para qualquer ser humano. Em alguns casos, isso pode ser útil na tomada de decisões. Mas quando nossos pensamentos estão tão longe de nossas ações que não podemos aproveitar o presente, é hora de mudar a maneira como pensamos. Confira dicas de como viver no presente e ser uma pessoa bem menos ansiosa.

Alinhando nosso pensamento com a nossa vida

Como seres humanos, somos naturalmente feitos para pensar. Nós antecipamos problemas. Nos planejamos. Criamos estratégias. Esses comportamentos, portanto, nos protegem de potenciais riscos e nos permitem aproveitar as oportunidades.

Porém, quando esse comportamento se torna exagerado, passamos a tentar controlar tudo que acontece. Isso não apenas nos impede de desfrutar a vida, mas também pode se manifestar através de problemas de saúde a longo prazo.

Por isso, para viver plenamente o presente, precisamos alinhar nossas vidas com nossos pensamentos. Assim, portanto, precisamos saber quando devemos ouvir nossa mente e fazer com que ela nos ajudem.

Quando os pensamentos atrapalham mais do que ajudam

Muitas vezes, porém, nossos pensamentos não só não ajudam como atrapalham. Isso acontece principalmente quando tentamos evitar lembranças ruins ou quando estamos ansiosos a respeito de eventos futuros. Por exemplo, digamos que você esteja ansioso com uma entrevista de emprego que ainda vai acontecer. Mesmo quando você está vivenciando uma situação agradável como ir ao parque ou a praia, você simplesmente não consegue parar de pensar nisso. “E se o entrevistador fizer uma pergunta que não sei responder?”, “E se eu não passar na entrevista?”.

Sua primeira reação é provavelmente tentar não pensar nisso. Você diz a si mesmo para esquecer a entrevista por enquanto e viver no presente. Ainda assim, isso cria o efeito oposto: esse mesmo pensamento que você quer afastar fica na sua mente ainda mais.

Portanto, ao tentar esquecer algo, você só reforça a presença daquilo. É como dizer a si mesmo para não pensar em um elefante rosa; você pensará nele automaticamente…

Assim, em vez de tentar excluir pensamentos, substitua-os por pensamentos positivos. Concentre-se em seu entorno, observe a natureza, feche os olhos e preste atenção aos barulhos a sua volta. Como seu corpo reage a eles? O que você sente quando fecha seus olhos? Escute sua respiração.

Quando você observa e nota pontos específicos em seu ambiente, eles começam a assumir seus pensamentos. Focar na sua respiração ou no que está acontecendo ao seu redor te trará de volta ao momento presente.

Quando é difícil viver no presente e tudo que você quer é esquecer…

Apesar de tentar focar no momento atual e não vagar muito pelo passado ou futuro, viver no presente nem sempre é uma experiência agradável. Você pode estar passando por momento intenso de estresse, dor, culpa, vergonha,…

Se o problema for uma dor que está fora do seu controle, concentrar-se em uma lembrança agradável poderá ajudar até que a dor desapareça. Agora, se você está no controle de uma situação estressante, passe por ela, lembrando-se de que já passou por situações semelhantes.

O problema é que, muitas vezes, nos apegamos desnecessariamente a dor, evocando lembranças dolorosas. Nos pegamos a um arrependimento passado ou nos preocupamos incessantemente com um futuro desconhecido. Mesmo que não haja nada que possamos fazer a respeito, temos dificuldade em nos livrarmos desses pensamentos agonizantes. Assim, só nos sentimos ainda mais ansiosos e culpados.

Você provavelmente já ouviu sobre liberar memórias ruins para remover dores antigas. Isso é, para alcançar um estado de contentamento, precisamos perdoar pessoas ou aceitar eventos que nos magoaram. Com isso, nos esforçamos muito para fazer as pazes com o passado. Mas e quanto a fazer as pazes com o nosso futuro?

Como aceitar aquilo que não temos controle?

Fazer as pazes com o futuro significa desenvolver um senso de serenidade com qualquer resultado que recebamos. Significa compreender que não podemos escolher a forma na qual queremos que as coisas aconteçam – apesar do nosso desejo de moldar o futuro de acordo com os nossos desejos. Significa encontrar paz na incerteza e saber que, às vezes, não sabemos o que vai acontecer, e está tudo bem!

Em vez de insistir nos elementos que estão fora do seu controle, coloque seus esforços naquilo que você pode controlar. O primeiro passo para viver no presente é tornar-se consciente dos seus comportamentos. Para isso, reconheça quando você passa muito tempo remoendo o passado ou ansioso com o futuro. Em seguida, mude gradualmente seu foco de volta para onde você está agora. 

viva o presente e seja mais feliz

Essa não é uma tarefa fácil. Quando seu cérebro está constantemente viajando para outros lugares, é comum esquecermos de viver o momento presente. Ficamos tão focados que nem percebemos o que estamos fazendo.

Porém, reconhecer esse ato é o ponto crucial. É o primeiro passo para uma mudança de comportamento. Sabendo disso, agora você pode praticar voltar seu foco para o presente. Depois de algum tempo, a prática se tornará um hábito. E quando você cria o hábito de viver no momento, você se sente em paz.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você!

Fonte: https://medium.com/@melissachu/focusing-on-the-present-how-to-release-regrets-and-anxieties-6f793931e722

Quem tem uma agenda cheia sabe como pode ser difícil marcar uma consulta e conseguir conciliar seus horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis, como, por exemplo, de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que em um consultório é bem difícil isso acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e se conectar com um dos nossos psicólogos por apenas R$159,99 por mês.

Download App

Como aconselhar uma pessoa com problemas? Confira dicas

Você sabe o que falar na hora de aconselhar uma pessoa com problemas? Existem algumas atitudes que podem tornar sua ajuda muito bem-vinda; Confira!

Todos nós enfrentamos momentos na vida em que nos sentimos inconsoláveis. Seja por perder o emprego, vivenciar algum luto, terminar um relacionamento, etc.. Independente do motivo,essas situações podem ser dolorosas não só para quem está vivenciando, como também para quem está do outro lado, vendo o amigo ou familiar desolado e querendo ajudar, mas sem saber como. Mas, então, como aconselhar uma pessoa com problemas? 

Descubra como aconselhar uma pessoa com problemas

Por definição, alguém inconsolável não consegue aceitar ou receber consolo. Por essa razão, pode ser difícil saber como agir, mesmo quando você quer desesperadamente ajudar. Embora cada situação seja diferente – e você precisará entender o que funciona com a pessoa e o que não funciona – existem algumas dicas gerais que podem tornar a sua maneira de consolar mais eficaz e bem-vinda.

  • Não diga nada, apenas OUÇA com atenção

Às vezes – especialmente quando alguém está sentindo uma tristeza profunda – a melhor forma de consolo é oferecendo sua presença. Um ouvido que não julga, apenas escuta. Alguém que vai “estar lá” enquanto a pessoa desabafa.

  • Tenha empatia PELO OUTRO

Se a pessoa permitiu que você estivesse presente com ela em um momento difícil, é porque ela confia em você. E um dos maiores presentes que você pode oferecer a ela agora é empatia.

Mesmo que você não esteja passando pela mesma experiência, mas deseja saber como aconselhar uma pessoa com problemas, você pode se lembrar de momentos em que se sentiu desse jeito. Ouça o que ela tem a dizer, isso validará os sentimentos dela e depois adicione sua perspectiva sobre o assunto.

Se a pessoa perdeu um membro da família, por exemplo, em vez de dizer: “Eu sinto muito pela sua perda”, considere falar que você entende a dor que ela está sentindo no momento e sabe o quão devastador pode ser esse sentimento.

Nunca diga para a pessoa não ficar triste, pois tristeza é um sentimento comum aos seres humanos. Portanto, existem certos momentos que precisamos nos permitir sentir essa dor para que ela passe. 

  • Pergunte o que você pode fazer para ajudar

Você pode ter um milhão de ideias sobre como aconselhar uma pessoa que está com problemas, e isso é muito gentil, porém, pode não ser exatamente o que a pessoa precisa. Quando alguém está inconsolável, é difícil ouvir as ideias dos outros. As opiniões alheias tendem a parecer julgamentos e podem ser difíceis de ouvir. Em vez disso, transforme seus pensamentos em perguntas.

Por exemplo, se você acha que seu ente querido se sentiria melhor se desse um passeio na rua, diga: “Você acha que há alguma atividade que poderíamos fazer hoje que possa lhe trazer algum alívio?” Dessa forma, a pessoa sentirá que está no controle. Lembre-se de respeitar o tempo do outro e entender, caso ela não queira fazer nada naquele momento.

  • Se mantenha positivo

Por um lado, você quer lembrar a pessoa que “isso também passará”, mas você também não deve fazer com que ela sinta que os sentimentos dela não estão sendo validados. Por isso, em vez de dizer, por exemplo: “Você se sentirá melhor amanhã”, você pode considerar algo como “eu sei o quanto você está sofrendo hoje. Amanhã é um novo dia e espero que você experimente algum alívio em breve”.

  • Recomende um terapeuta

Agora que você já sabe mais sobre como aconselhar uma pessoa com problemas, não se esqueça da importância da terapia!

Se a pessoa estiver inconsolável a ponto de se não se preocupar mais com o bem-estar dela ou se demonstrar sinais de risco para si mesma ou para outras pessoas, não hesite em intervir e fazer com que ela receba ajuda de um profissional imediatamente. 

Além disso, outro ponto de atenção é quando os sentimentos de tristeza  durarem além de um período de tempo razoável.  Você pode sugerir ajuda profissional através da terapia – O FalaFreud é uma ótima possibilidade, uma vez que a pessoa poderá fazer terapia online, sem precisar sair de casa. 

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/08/what-to-say-to-someone-when-theyre-inconsolable/#more-10578

Quem tem uma agenda cheia sabe como pode ser difícil marcar uma consulta e conseguir conciliar seus horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis, como, por exemplo, de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que em um consultório é bem difícil isso acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e se conectar com um dos nossos psicólogos por apenas R$159,99 por mês.

Download App

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental Terapia ? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialista para você!

Como a terapia pode te ajudar a se recuperar de abusos e traumas de infância

Hoje, como adulto, você tem a chance de olhar para o que vivenciou de uma outra forma, mas isso vai exigir um compromisso com o seu próprio crescimento e desenvolvimento pessoal. Confira no Blog do Fala Freud nossas dicas que podem facilitar este processo de cura e autoconhecimento sobre os traumas de infância.

Veja as consequências dos traumas de infância na vida adulta e como superá-los

Se você sofreu algum tipo de trauma ou abuso durante a infância, é bem provável que ainda carregue as marcas do passado. Mas você consegue olhar para o que passou e validar os sentimentos que ficaram?

Muitas pessoas não se sentem preparadas para procurar ajuda terapêutica, pois têm medo de mexer nas feridas do passado. Mas saiba como a terapia pode te ajudar. Continue lendo “Como a terapia pode te ajudar a se recuperar de abusos e traumas de infância”