Como ajudar uma pessoa estressada? Veja as dicas!

O estresse está por todo lugar. No trabalho, nas escolas, nas relações…Mas você sabe como ajudar uma pessoa estressada? Confira algumas dicas do que fazer! 

Da mesma forma que nós experimentamos esses sentimentos, isso pode acontecer com nosso(a) parceiro(a), amigos ou familiares. Quando isso acontece, é preciso saber lidar da melhor forma, para que não prejudique o seu relacionamento e torne-o exaustivo. Veja a seguir algumas dicas para como ajudar uma pessoa estressada. 

1.Ouça sem julgamentos e valide os sentimentos da pessoa

Quando estamos estressados e procuramos outra pessoa para desabafar, na maior parte das vezes não estamos buscamos conselhos, mas sim que nossos sentimentos sejam ouvidos e validados.

Portanto, ao ouvir os desabafos da pessoa, seja um bom ouvinte e, principalmente, não tente dizer a maneira correta na qual ele(a) deveria ter agido. Reconheça que somos todos diferentes e cada indivíduo reage ao estresse de uma forma. O importante é ter empatia e saber escutar o outro.

Portanto, se você não sabe como ajudar uma pessoa estressada, a primeira dica é: evite controlar como ela reage ao estresse. Apenas permita que ele se sinta seguro com você; seja um porto na tempestade.

2.Mostre seu interesse em ajudar

Há muitas maneiras de expressar preocupação ou cuidado com o outro. No entanto, às vezes a pessoa pode não querer discutir diretamente o que está incomodando. Porém, isso não significa que você não possa fazer pequenas coisas para mostrar que está ciente dos sentimentos dela e que quer ajudá-la a diminuir o estresse.

Expressar cuidado e preocupação de diversas maneiras pode ter um impacto poderoso na relação e ser muito positivo. Coisas pequenas como preparar uma refeição no final de um dia difícil pode ajudá-la a sentir bem melhor. 

3.Aprenda a identificar o estresse

Nem todo mundo gosta de falar quando está estressado e por isso pode ser importante para você aprender a reconhecer os sinais de estresse que seu parceiro dá. Muitas vezes, isso será sinalizado por uma mudança de hábitos – algo que você será capaz de detectar já que conhece seu parceiro intimamente.

Mudanças nos hábitos alimentares ou de sono, dores de cabeça recorrentes ou dores de estômago, incapacidade de se concentrar ou completar tarefas são algumas das questões que indicam que o estresse pode estar presente. Assim, se você reconhecer alguns desses sinais na pessoa, esteja ciente de que o estresse pode ser a causa.

4.Reconheça que homens e mulheres podem VIVENCIAR O ESTRESSE de formas diferentes

As diferenças em como homens e mulheres lidam com o estresse são generalizadas, é claro, mas é importante reconhecer que essas diferenças podem ajudar você ou o seu cônjuge a identificar quando um dos dois está estressado.

Homens e mulheres costumam reagir de maneira diferente ao estresse devido aos hormônios do estresse. Enquanto as mulheres prestam mais atenção a sentimentos e emoções, os homens costumam mostrar mais interesse em ações. Assim, uma mulher geralmente prefere receber conforto e amor na forma de apoio emocional e retenção. Já o homem é frequentemente mais aberto para receber assistência com atividades ou outras saídas físicas. (Contudo, ressaltamos que isso pode não acontecer dessa forma, uma vez que cada caso é um caso).  

5.Cuide de você antes para poder cuidar do SEU parceiro

Antes de saber como ajudar uma pessoa estressada, é preciso cuidar de si mesmo. Ou seja, antes de tudo, precisamos ter auto-cuidado para sermos fortes o suficiente quando os outros precisarem de nós.

O autocuidado pode vir em forma de exercício físico, meditação e terapia. É importante ter pelo menos uma pessoa fora do seu relacionamento (um terapeuta, por exemplo) para contar sobre o que está acontecendo com seu parceiro. Isso não só vai ajudar a te enxergar os problemas através de uma nova perspectiva, como evitará que você adicione mais estresse aos níveis de estresse já aumentados do outro.

6.Se os níveis de estresse se tornarem incontroláveis, ORIENTE seu parceiro a procurar ajuda externa

Nem você nem o outro podem fazer isso sozinhos. Se o nível de estresse da pessoa estiver prejudicando ou causando altos níveis de ansiedade, é hora de procurar tratamento.

Saiba que todos nós reagimos de maneira diferente ao estresse. Porém, oferecer empatia e cuidado sem julgamento é sempre a melhor maneira de agir quando a pessoa estiver sobrecarregada.

Vale lembrar que, mesmo que você queira aprender como ajudar uma pessoa estressada, nem sempre é possível “salva-la” sozinho. Se as coisas estão saindo de controle, faça a pessoa reconhecer que precisa da ajuda de um profissional. Apresente um plano eficaz para lidar com o estresse e mostre como isso pode fazê-lo se sentir bem melhor.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você!

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/04/when-your-partner-is-stressed/

Quem tem uma agenda cheia sabe como pode ser difícil marcar uma consulta e conseguir conciliar seus horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis, como, por exemplo, de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que em um consultório é bem difícil isso acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e se conectar com um dos nossos psicólogos por apenas R$159,99 por mês.

Download App

Descontar a raiva nos outros: Por que fazemos isso?

Descontar a raiva ou frustrações no parceiro ou em familiares pode ser mais comum do que você imagina.  Entenda esse mecanismo de defesa e veja como acabar com esse comportamento

Se você já descontou ou costuma descontar a raiva nos outros, saiba que você não está sozinho. Quando não conseguimos identificar nossas questões internas sozinhos, muitas vezes acabamos colocando a culpa de nossas frustrações em outras pessoas, como se eles fossem os culpados.

Porém, ao longo do processo terapêutico, é possível identificar quais  dessas emoções são nossas e quais são do outro. 

Mas afinal, por que descontar a raiva nos outros é tão comum?

Na Psicologia, existe o que chamamos de “Deslocamento”. Isso é, deslocarmos nossas emoções, como raiva e tristeza para um outro objeto ou pessoa.

O deslocamento, portanto, é um mecanismo de defesa. Ou seja, em vez de descontarmos nossas  frustrações no alvo desejado, descontamos estes sentimentos em um alvo substituto. Isso acontece quando por alguma razão não é possível descontar no primeiro alvo.

Para ajudar a entender como funciona o deslocamento, veja alguns exemplos de projeção:

Situação 1: Uma mãe luta para ser a melhor mãe possível para a sua filha adolescente, mas é doloroso pensar que ela pode estar desapontando sua filha, igual própria mãe a desapontou. Em vez de confrontar essa verdade difícil, ela coloca a culpa no marido e joga a responsabilidade para ele: “Você nunca tem empatia com ela, é por isso que ela não se sente confortável com você”.

Situação 2: Uma mulher está se sentindo triste por desperdiçar anos de sua carreira em um emprego sem futuro. Frustrada, ela acusa o namorado de jogar videogames em vez de correr atrás e tentar mudar sua vida para melhor.

Situação 3: Um homem está insatisfeito com seu peso e come compulsivamente toda vez que se sente deprimido. Porém, ao mesmo tempo ele menospreza sua parceira por comprar demais e não ter “autocontrole”.

Todas as pessoas dos exemplos acima estão inconscientemente desapontadas consigo mesmas em uma área que é fundamental para sua auto-imagem e identidade. Porém, por ser muito difícil expor suas próprias falhas,o subconsciente delas faz com que elas projetem e descontem essas falhas em um alvo próximo e acessível: seu parceiro ou entes queridos.

Você está projetando suas frustrações em outra pessoa? Descubra!

Uma forma de descobrir se você pode está descontando sua raiva nos outros  é parar para refletir sobre problemas nos quais você mais tem vergonha de assumir – mesmo que seja difícil.

Perceba se você tem projetado essa falha no outro, como se ele fosse o único a ter esse problema. Reflita até onde vai de fato a parte que é do outro e onde começam a entrar suas próprias questões.

Para alguns, a questão está tão enraizada que é quase impossível enxergá-la e ela aparece de outras formas, como por exemplo por trás de ansiedade exagerada ou até depressão.

Sendo assim, a terapia é muito recomendada nesses casos. Isso trará autoconhecimento suficiente para que você saiba identificar suas questões pessoais e pare de descontar a raiva nos outros.

Encontrando soluções a partir dos exemplos anteriores

Nos exemplos dados no início do texto, perceba que, se a mãe foi capaz de abordar sua própria incapacidade de ter empatia com a filha, e descobrir porque isso é um problema para ela, então ela pode ser capaz de desenvolver um relacionamento mais próximo e mais amoroso com sua filha.

Se a mulher no segundo exemplo fez o trabalho duro de olhar para a estagnação de sua própria carreira, ela pode decidir voltar para a escola ou mudar de carreira, em vez de apenas descontar a raiva nos outros. 

Se o homem no último exemplo confrontasse seus desafios, ele seria capaz de abordar seus problemas de ganho de peso e imagem corporal mais diretamente, como por exemplo através de um programa de condicionamento físico e / ou terapia.

Considere a terapia como uma ajuda importante

Como falamos anteriormente, a terapia é muito útil para ajudar nos casos de projeção. Seja pela terapia de casal ou individual, o processo terapêutico pode ensinar a lidar com os problemas de uma forma mais direta e honesta.  Isso evitará a projeção agressiva passiva ou outros estilos problemáticos de comunicação.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental Terapia ? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialista para você!

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/08/projecting-problems-onto-your-partner/

Relacionamentos: terapeuta desvenda 7 mitos sobre o assunto

Manter um relacionamento não é uma tarefa simples, exige paciência, cuidado e compreensão de ambas as partes para que a relação funcione bem. Não é à toa que conflito no relacionamento é uma das causas que mais faz com que as pessoas busquem a terapia. 

Como já não é algo fácil, para te ajudar a lidar melhor com as suas relações, listamos abaixo sete mitos sobre relacionamentos – frases e ideias que as pessoas acreditam ser verdade, mas não passam de crenças erradas. 

Mito 1: “Existe um jeito certo de agir em um relacionamento”

Relacionamentos são interações complicadas e dinâmicas, e cada relação funciona de uma forma diferente. O modelo de criação dos nossos pais na infância – seja ele bom ou ruim – vai influenciar muito no modo como vamos agir nos nossos relacionamentos íntimos. Entramos em uma relação cheios de expectativas e crenças pessoais.

Nem sempre as expectativas que o seu parceiro tem sobre o relacionamento serão iguais as suas, por isso é muito importante alinhar isso com a pessoa e conversar sobre o que esperam um do outro.

Mito 2: “Todo mundo deve ter um relacionamento amoroso para ser feliz”

Culturalmente, criamos a expectativa de que todos devem estar em um relacionamento amoroso para serem felizes. Isso cria muita ansiedade e estresse nas pessoas à medida que envelhecem e pode até mesmo contribuir para aumentar o isolamento social.

A realidade é que nem todo relacionamento durará para sempre, e estar em um relacionamento amoroso não é o único tipo de relacionamento que pode trazer sentido à sua vida.

Mito 3: “Você pode consertar a incompatibilidade sexual”

Dificuldades sexuais são muitas vezes uma grande parte da insatisfação no relacionamento e vale dizer que há uma grande diferença entre ter sexo ruim e ser sexualmente incompatível. Muitas pessoas acreditam que você pode consertar a incompatibilidade sexual, mas a maioria dos especialistas em sexo e relacionamentos lhe dirá que isso não é 100% verdade. 

Claro, há coisas que você pode fazer para melhorar o sexo com o seu parceiro, e um terapeuta sexual poderá ajudá-lo a explorar essas opções. Porém, não pense que existe uma forma de “consertar” uma incompatibilidade do casal.

Mito 4: “casais felizes não brigam”

Todo relacionamento enfrentará eventualmente alguma forma de conflito. Claro que uma quantidade alta de brigas pode ser prejudicial para a relação, mas isso não significa que seu relacionamento deve ser 100% harmonioso.

O truque para manter um relacionamento saudável através do conflito é aprender formas de comunicação não violenta e saber a forma correta de expor suas opiniões, sem agredir o outro.

Mito 5: “Existe uma frequência certa que o casal deve fazer sexo”

Há uma pressão da sociedade que bate muito na tecla do desempenho e  do desejo sexual, o que faz com que muita gente questione sua relação. Porém, a realidade é que não há uma maneira de definir o que é “certo” sexualmente. Se o comportamento é consensual entre todas as partes envolvidas e você e seu parceiro se sentem realizados, então é isso que importa.

O importante é que você e seu parceiro sejam compatíveis e se divirtam sexualmente, independente da frequência.

Mito 6: “Você tem que namorar com a pessoa por um número x de anos antes de casarem ou morarem junto”

Não há uma pesquisa definitiva que indique a quantidade específica de tempo que um casal precisa estar junto antes de decidir morar junto ou casar. Geralmente, os especialistas recomendam alguns anos de convivência para conhecer melhor o parceiro, mas sempre há exceções à regra. 

Mas uma dica aos que pensam em oficializar a relação, é que uma das maiores características das relações duradouras é o autoconhecimento individual e um nível alto de consciência. Se você puder trazer o que aprendeu sobre si mesmo e suas necessidades de relacionamentos anteriores para o seu atual, é provável que você use essas informações para trabalhar com seu parceiro para solucionar mais facilmente os conflitos.

Mito 7: “Viver juntos antes do casamento só servirá para causar uma separação/divórcio”

É importante lembrar que ser casado não é um desejo comum a todos, mas, para aqueles que procuram viver essa experiência, não existe jeito certo de fazer isso.

Uma pesquisa feita nos estados unidos mostrou que quase metade dos casais americanos moram juntos antes do casamento por diversos motivos e períodos de tempo. Isso, juntamente com a atual taxa de divórcio de 40-50%, fez com que muitas pessoas pensassem que morar junto antes do casamento pudesse aumentar as chances de divórcio no futuro.

Pode haver alguma verdade nessa crença, mas não é 100% correto afirmar isso. Seria preciso observar de perto os casais individualmente, entender o nível de comprometimento de cada um antes de viverem juntos e suas razões para viver juntos antes do casamento.

A comunicação honesta é fundamental em uma relação e, se você e seu parceiro estão tendo dificuldades nessa área, um terapeuta de casal poderá ajudá-los. O profissional poderá mostrar a vocês recursos para uma relação mais saudável e estável. 

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você!

Fonte: https://www.talkspace.com/blog/2018/02/7-relationship-myths-debunked-by-a-therapist/