Como ser mais confiante e seguro de si

Confira na matéria como ser mais confiante e seguro de si e descubra como isso pode transformar a sua vida!

Ser confiante e seguro de si pode não ser uma tarefa simples. Há muitos fatores que influenciam na auto-estima, mas a maioria deles está relacionado as nossas experiências passadas no mundo – primeiro como uma criança e depois como um adulto – e como essas experiências fazem com que nos enxergarmos diferentes. Porém, na matéria a seguir você verá  algumas dicas de como ser mais confiante e seguro de si.

Aumentando a sua confiança

O mundo está cheio de pessoas inteligentes que se enxergam como “perdedoras”. Pessoas que não se acham boas, bonitas ou espertas o suficiente. Mas a questão é: como liberar esses padrões de pensamentos negativos e se tornar mais confiante?

Se você está procurando idéias construtivas sobre como fazer mudanças duradouras em sua confiança, existem algumas maneiras de fazer isso.  Confira! 

Olhe as coisas de forma objetiva e racional

O primeiro passo de como ser mais confiante e seguro de si é passar a enxergar seus pontos fortes e fracos de forma mais racional e objetiva. Veja o exemplo:

Você vive preocupado com o seu desempenho no trabalho e acha que está sempre desapontando sua equipe ou seu chefe. Para avaliar de forma mais clara, analise com atenção as avaliações de desempenho que você recebeu ao longo dos anos.

Muitas vezes, pessoas com baixa confiança subestimam seus níveis reais de desempenho. Portanto, analisar dados reais poderá te ajudar a entender no que você realmente precisa trabalhar e no que você já está indo bem.

Além disso, para algumas pessoas, pode ser reconfortante olhar para os sucessos do passado. Isto é, ainda sobre o exemplo acima, essa pessoa poderia pensar: “bom, eu sempre tive um bom desempenho em em apresentações no passado. Nunca recebi feedbacks muito negativos, então não há razão para achar que essa próxima apresentação será diferente”.

Avalie seus relacionamentos atuais

Em seguida, a próxima dica é olhar atentamente para as pessoas com as quais você se relaciona. Se tiverem pessoas tóxicas em sua vida, você precisa pensar como elas estão afetando sua auto-estima e saúde emocional.

Por exemplo, se uma mulher que se sente péssima com relação ao seu corpo vê a mãe várias vezes por semana, e sua mãe sempre comenta sobre seu peso, essa relação pode estar sabotando as chances dela de aumentar a confiança com a própria imagem.

Neste caso, existem várias atitudes que essa mulher pode tomar. Ela pode, por exemplo, falar abertamente com a mãe e estabelecer limites sobre quais assuntos podem ou não ser falados. Outra abordagem pode ser limitar o contato entre elas para uma vez por semana e verificar se há alguma mudança correspondente nos níveis de auto-estima.

Entenda seu passado

Como falamos no começo do texto, as principais causas de uma auto-estima baixa vem da infância. Por isso, se você quer saber como ser mais confiante e seguro de si, precisará olhar para o passado.

É essencial olhar para trás em sua vida e entender quais mensagens você recebeu quando criança. Isso porque, pessoas com pouca confiança muitas vezes cresceram em lares onde eram implicitamente ou explicitamente chamadas de incompetentes.

Por exemplo, um menino pode ter ouvido do seu pai que ele não era inteligente o suficiente. Mesmo que isso não tenha sido dito com más intenções, provavelmente moldou a forma como esse garoto pensava sobre si mesmo durante sua infância e, mais tarde, como adulto. Assim, esse pensamento pode se repetir na fase adulta, boicotando atitudes e intenções do indivíduo. Ou seja, ele pode não conseguir alcançar o sucesso, uma vez que no fundo não se acha esperto o suficiente.

Como a terapia pode te deixar mais confiante e seguro

Descobrir a causa por trás da sua falta de confiança pode ser transformador. Isso permitirá que você tente coisas fora de sua zona de conforto e confie em seu potencial.

A terapia costuma ser uma ótima opção, pois te ajudará a descobrir a origem de seus problemas de confiança. Um terapeuta habilidoso pode estabelecer metas que o ajudem a construir lentamente sua auto-estima. 

Agora que você já sabe como ser mais confiante e seguro de si, não deixe que a baixa auto-estima prejudique mais a sua vida. O melhor presente que você pode dar a si mesmo é a capacidade de compreender seus sentimentos com clareza. Através da introspecção e do trabalho terapêutico, você poderá ter consciência daquilo em que você que é bom e das áreas da sua vida que podem melhorar.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental?  Acesse o blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você!

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/11/therapists-guide-to-confidence/

FalaFreud

Quem tem uma agenda cheia sabe como pode ser difícil marcar uma consulta e conseguir conciliar seus horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis, como, por exemplo, de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que em um consultório é bem difícil isso acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e agendar sua primeira sessão.

Download App

Abuso ou agressão verbal ou apenas uma briga comum? Entenda a diferença entre os dois casos

O abuso ou agressão verbal vai além de gritos ou de uma forma grosseira de falar e por isso pode ser difícil de identifica-lo. Para te ajudar a entender as diferenças entre os dois casos, clique e confira no Blog do FalaFreud algumas maneiras de diferenciar uma relação abusiva de uma briga comum.

Entenda a diferença entre abuso ou agressão verbal e uma briga comum e identifique qual é o seu caso

Brigas acontecem em qualquer relacionamento e não há nada de anormal nisso. Porém, se durante um conflito, houver insultos, xingamentos e humilhação, isto pode caracterizar uma relação com abuso ou agressão verbal.

O abuso ou agressão verbal vai além de gritos ou de uma forma grosseira de falar e por isso pode ser difícil de identifica-lo. Para te ajudar a entender as diferenças entre os dois casos, preparamos algumas maneiras de diferenciar uma relação abusiva de uma briga comum.

Mas afinal, o que é abuso verbal?

Abuso ou agressão verbal, como o nome já diz, é o uso de palavras para controlar e ferir alguém. Alguns tipos de abuso verbal são mais evidentes, como o uso de palavrões ou gritos, mas muitas das atitudes são escondidas, e, portanto, menos reconhecíveis. Mas então como diferenciar o que é ou não normal?

Veja como saber se os comentários do seu parceiro são parte de um argumento saudável ou verbalmente abusivo.

  •  Os argumentos são indesejados. Não se trata de uma conversa saudável, mas sim um ataque
  •  Um dos parceiros usa a linguagem para dominar o outro
  • Os comentários são prejudiciais e destinam-se a prejudicar a auto-estima, a confiança ou o senso de realidade da vítima.
  • São contínuos, isto é, os abusos verbais são muito frequentes.

Formas de abuso ou agressão verbal

É importante lembrar antes de tudo, que não existe uma fórmula específica para descobrir se algo é abusivo. Mas todos nós temos aquela voz interna que nos diz quando algo não parece certo. Escute esta voz interior! Se o comportamento do seu parceiro se encaixa em qualquer um dos padrões abaixo, as brigas podem não ser apenas um conflito “normal”.

Manipulação psicológica

Conhecida como Gaslighting, esta é uma forma de manipulação psicológica na qual o abusador distorce as informações ou as inventa para manipular a vítima, que acaba duvidando de sua própria percepção e sanidade. Nesses casos, o agressor pode fazer com que a vítima duvide de coisas que de fato aconteceram, alegando que aquilo nunca aconteceu.

  1. Ameaças e intimidação

As ameaças e intimidações podem ser mais fáceis de serem percebidas e a vítima deve ficar muito atenta a este tipo de comportamento do parceiro.

Se seu parceiro ameaçar você com violência física, humilhação pública (Exemplo: “Eu direi a todos que você fez tal coisa”), ou ameaçar machucar pessoas ao seu redor, é hora de procurar ajuda. Ameaças emocionais podem ser igualmente prejudiciais.

  1. Destruição da autoestima

É comum em casos de abusos verbais, que o abusador tente acabar com a autoestima da vítima. Ex.: O agressor pode dizer que a vítima só recebeu uma promoção no trabalho porque o chefe a acha bonita ou falar que tudo que ela faz está errado. Eles podem ainda banalizar os sentimentos da pessoa, chamando-a de “muito sensíveis” ou dizendo que ela está exagerando.

Não tenha vergonha de pedir ajuda

Se você se identificou com alguns dos tópicos acima e vive isso de alguma forma na sua relação, não tenha medo de pedir ajuda. Um terapeuta poderá te dar força e motivação para enfrentar essa situação.

Lembre-se, todo mundo merece ser respeitado e valorizado pelo que é, e se de alguma forma seu parceiro está sendo desrespeitoso com você ou está tentando te colocar para baixo, é hora de sair desta relação.

Fonte: https://www.talkspace.com/blog/2018/03/is-it-a-normal-fight-or-verbal-abuse-heres-how-to-tell/#more-9220

Gostou deste conteúdo e quer ler mais sobre DiagnósticosDicas Para Saúde Mental, RelacionamentosTerapia ? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você !