Por que é tão difícil mudar hábitos?

A mudança de comportamento de uma pessoa interfere em todo o ambiente à sua volta. Quando um membro da família que antes era alegre e sorridente fica triste todos percebem e perguntam: O que foi com você? Por que está assim?

Quase todas as pessoas reagem mal quando alguém próximo muda de comportamento. Escutamos frases como: Você mudou! Você está tão diferente!

Essas frases fazem com que a pessoa volte ao comportamento antigo dela. Isso porque aquilo que eu já conheço me deixa numa zona de conforto. Quando já sabemos o que vai acontecer, mesmo que seja um acontecimento incômodo nos sentimos confortáveis, é uma “falsa” sensação de controle. Pois, a mudança traz desconforto.

Imagine você chegando a sua casa e quando entra no seu quarto, todos os móveis estão mudados. O guarda-roupa é outro, a cama, suas roupas, tudo. Como você se sentiria? Desconfortável? Provavelmente. Mas, se você fica ali por uns dias, resistente com a mudança porque você gostava do quarto antigo, porém resolve dormir na cama nova e vestir suas roupas novas. Com o passar do tempo você pode gostar e até ver que as mudanças foram muito boas.

As famílias agem sempre da mesma forma por gerações e gerações. Se na família não existe padrão de separação e um membro resolve se separar ele é tido como errado. Porém, se ele consegue ser bem-sucedido nisso, mesmo com toda a família achando que não ia dar certo. A separação, daquele instante em diante pode ser vista como algo comum. Da mesma forma o contrário. Se na família sempre ocorre separação, a tendência é haver muitas separações nas gerações futuras, pois serão menos tolerantes com relacionamentos amorosos.

Existem infinitos exemplos de padrões familiares que seguimos, a forma de nos comunicar. Famílias que têm o costume de gritar ao educar os filhos, mesmo quando o filho não gostou de ser educado assim, ele o faz da mesma forma com os seus filhos. É um padrão inconsciente. Mas, isso pode ser mudado quando nos conscientizamos do que somos e o que queremos.

A mudança é um desafio. Porém ela pode ser a solução para muitas pessoas. A melhor forma de encontrar o caminho da mudança é compreender que tendemos a repetir sim a história de nossos pais e nossos familiares. O próximo passo é identificar o que te prende no comodismo. Então, tentamos abrir novas linhas de pensamentos positivos, alimentando a auto estima para que fiquemos fortes o bastante para escrever nossa própria história e sermos livres dos padrões repetitivos.

– Dayane Fagundes

Obesidade, como mudar esta situação?

A obesidade, normalmente se inicia com um acontecimento, uma situação específica. Ocorre algo, como uma mudança de emprego, um estresse no trabalho, a perda de um ente querido, bullying, uma separação e várias outras circunstâncias. Depois do estresse a pessoa começa a engordar. Primeiro vem o pensamento, esse pensamento leva a um sentimento e o sentimento traz consigo ansiedade que te faz começar a comer mais do que precisa. Há também aqueles que são obesos desde bebês, isso porque a mãe passou por situações estressantes na gravidez, o que o levou a ser ansioso/inseguro desde que nasceu.

Nos alimentar é uma necessidade de sobrevivência. Claro, é prazeroso. Desde pequenos aprendemos a nos acalmar com a comida. Quando somos bebês choramos por estar com frio, com calor, entediados, molhados e uma série de outras coisas. Mas, a resposta da mãe frente a isso sempre se resulta em alimento (o famoso mamá). E claro, o bebê se acalma com o ato de sugar.

Quando crescemos continuamos com esse hábito. Tive um dia estressante, mereço comer algo que gosto. Estou ansioso? Quero chocolate. E assim, seguimos com esse hábito inconsciente de comer para nos acalmar. Muitas pessoas, reclamam do efeito sanfona. Conseguem seguir uma dieta, emagrecer, mas depois engordam tudo novamente e até mais. Isso porque o que deve ser mudado em primeiro lugar é o padrão de nossos pensamentos.

Temos que aprender a parar de procurar na comida a alegria que queremos. Isso pode ser encontrado em simples coisas do dia-a-dia. Como dar risadas com um amigo, ver um vídeo engraçado, estar com quem amamos, relaxar uns minutinhos no sofá, ler um livro, dançar…

Nosso peso corporal sempre irá ter alterações. Você pode se pesar todos dias, normalmente os valores serão diferentes. Porém, tem um valor de conforto. Esse valor ideal é aquele onde irá se sentir bem consigo mesmo e ter saúde.

Você não precisa se policiar para o resto da vida, nem viver de dieta para sempre. Mas, pode mudar hábitos. Por que tem que comer frituras e massas todos os dias? Não pode se dedicar em ter hábitos mais saudáveis meio de semana e comer outros alimentos no final de semana? Ou mesmo comer o que gosta num aniversário, mas em quantidade pequena. Nosso corpo não precisa de muita comida para ter energia.

Mudar a direção dos seus pensamentos é o segredo para emagrecer e manter-se assim. Sempre que estiver ansioso, se acalme. Ficar preocupado com alguém vai resolver o problema? Estar ansioso com uma entrevista de emprego vai te ajudar? Vamos olhar mais para dentro, saber quem você é, e sentir-se feliz e satisfeito consigo mesmo.

Quem não está feliz com o peso também não está feliz internamente. Tudo que foge ao equilíbrio faz mal. Essas pessoas têm dois tipos de comportamentos: ou explodem com qualquer coisa, ou só fazem o que os outros querem, e ficam “engolindo sapo”. Acabam se fazendo de vítima com pensamentos negativos como: Está vendo se eu fosse magro ele não fazia isso comigo! Não consigo fazer um exercício! Não tenho ânimo para fazer nada!

Por esses motivos cada vez mais encontramos pessoas que querem emagrecer fazendo terapia. Assim, conseguem se entender e equilibrar melhor suas emoções e mudar a realidade da nossa verdade. O que isso quer dizer? Temos que mudar nossas crenças. Parar de se sentir vítima das situações, das pessoas, parar de se contrariar com tudo. Deixar a vida mais leve e fazer aquilo que te faz bem sem culpa. Comer sem culpa. Se suas emoções estiverem equilibradas você não terá problemas com a balança.

– Dayane Fagundes

12 Motivos Para Fazer Terapia

A ciência sempre se preocupou em conhecer as motivações humanas, sobretudo a Psicologia, a partir dos estudos de Abraham Harold Maslow, pesquisador, professor e psicólogo americano, que construiu em meados do século a teoria na qual as necessidades humanas podem ser hierarquizadas, na seguinte ordem: Necessidades fisiológicas básicas (comida, bebida, ar, sexo, entre outras); Necessidade de segurança; Necessidades sociais, que envolve a interação, o ato de ser apreciado e amado pelos outros; necessidade de status ou de estima; necessidade de auto-realização.

A partir desta hierarquização das necessidades humanas, foram construídas outras, conhecidas como as doze motivações universais, uma extensão das citadas por Maslow. Assim, de um modo geral, o indivíduo deseja, entre outras particularidades inerentes a cada pessoa, dentro do seu contexto de vida, o seguinte:

1 – Ter Admiração das pessoas – Por mais que alguns falem que “se bastam” e que não dão importância se são considerados ou não pelos demais, o fato é que todos nós, em algum nível, gostamos de ser admirados e buscando isso, nem que seja inconscientemente. Talvez alguns se envergonhem de reconhecer isso. A terapia começa mostrando o quanto você, em primeiro lugar, deve ser seu fã, seu melhor amigo, seu admirador. Se você não age assim consigo mesmo, dificilmente terá a admiração verdadeira por parte do outro.

2- Ser Rico – Sim, todos queremos prosperar, melhorar nossas condições materiais, ter mais conforto, enriquecer. Alguns não se sentem merecedores e por isso vem com a desculpa de que dinheiro não traz felicidade, causa problemas, atrai pessoas interesseiras, entre outras milhares de crenças negativas acerca do dinheiro. A terapia ajuda você a fazer as pazes com a prosperidade, pois o dinheiro é apenas uma energia que pode abrir as possibilidades de uma vida melhor, além de te dar condições de ajudar os outros.

3 – Ser Atraente – Sim, quem não quer ser ou parecer mais atraente? Isso é inerente ao ser humano. Todos nós temos um pouco de vaidade, ou um muito! A terapia ajuda você a reconhecer seus melhores atributos.

4 – Ser Saudável – A saúde física e mental é o carro-chefe de uma vida de qualidade. A mente influencia o corpo, quando ela está bem, o corpo responde bem. O inverso baixa nossa imunidade. A terapia te ajuda a sentir-se cada vez melhor!

5 – Ser Popular e Ter Aprovação – Sim, isso confirma a importância de ser aprovado, apreciado, valorizado, amado. Quem não deseja isso? A terapia te ensina a receber bem os elogios e melhorar cada vez mais.

6 – Ter Segurança – Uma vida em segurança é uma vida mais tranquila. A terapia te ajuda a lidar com medos, pânicos, fantasias pessimistas e a lidar e proteger-se da violência externa, cuidando melhor de si mesmo.

7 – Ter Conforto – Todos nós temos o instinto de fuga da dor, onde buscamos o prazer, o conforto. Isso é natural em todos os seres humanos e até nos animais. A terapia te mostra o que é desconfortável em sua vida, te ajudando a reconhecer pessoas e fatos que tornam tua vida desagradável, dos quais você deve livrar-se ou afastar-se.

8 – Alcançar a Paz Interior – A paz começa em ti, começa na mente. A terapia te ajuda a encontrar o equilíbrio emocional, que vai gerar paz em tua vida.

9 – Ter Liberdade – A liberdade também começa no teu interior. Uma mente em terapia tende a livrar-se de mágoas, raivas, ira, sentimentos de medo, culpa, vingança. Sem dúvida o primeiro passo para a verdadeira liberdade é limpar a mente de sentimentos ruins e negativos.

10 – Ter Mais Tempo Livre – A terapia te ajuda a ver o quanto você é importante e o quanto precisa ser feliz agora. Mais tempo para você é um bom começo!

11 – Ter Prazer – A necessidade de ter prazer é inerente ao ser humano: uma boa comida, uma viagem, uma relação sexual satisfatória, uma compra, tudo o que dá prazer merece nossa atenção. A terapia te ajuda a reconhecer o quanto isso pode te fazer bem!

12 – Ser Amado – Amor é a base do nosso ser, a razão da nossa alegria, o norte da nossa vida, a busca de todos os indivíduos e seres vivos! O primeiro amor tem que ser o próprio. Só a partir dele conseguiremos amar o outro de verdade e ser retribuídos. A terapia te ajuda no resgate da autoestima.

O terapeuta está preparado para uma escuta neutra, porém atenta, que pode te ajudar na expressão dos teus sentimentos, dores, conflitos. A partir disto pode, juntamente com você, ajudar a achar o caminho, a solução, a chave dos teus problemas. Só o fato de poder falar com quem, de fato, está nos escutando e buscando nos compreender, já é parte do processo terapêutico. Com o avanço tecnológico, as terapias podem acontecer presencialmente, on line via Skype ou outro mecanismo de transmissão e mesmo pelo WhatsApp, como no App FalaFreud.

– Goretti Lima

Angústia e solidão no fim de semana: quem nunca?

O final de semana chegou! O que para algumas pessoas pode ser bom, para outras pode ser angustiante, solitário, cheio de expectativas e frustrações.

Para os que têm vícios, pode ser o momento de excedê-los. Para os que fazem dieta, pode ser o momento da quebra. Para os que se sentem sozinhos, pode ser o momento de vazio e lágrimas.

Muita gente adoece no final de semana, por isso as emergências na segunda-feira pela manhã quase sempre são lotadas, ou mesmo no domingo a noite. Em qualquer faixa etária, o desafio de um final de semana pode ser grande.

Muitos não têm amigos, não interagem com a família e se trancam em seus quartos, em seus mundos, “curtindo” uma solidão ruim, uma vez que existe a solidão boa, que é aquela onde precisamos ficar sozinhos, com os nossos pensamentos, ajustando as coisas no universo interior. Essa sim, é boa demais e necessária. Apreciar a si mesmo é um bom sinal de que estamos de bem conosco.

Mas existe a amarga solidão, onde pensamentos negativos povoam nossa mente, sem nos dá trégua. São medos que afloram, são mágoas e raivas que guardamos e que retornam neste isolamento social a que nos condenamos, por vezes. São tristezas, amarguras, vindas não sabemos de onde (e sabemos: do porão chamado Inconsciente). Lá guardamos milhões de sentimentos, emoções, dores, vivências, traumas.

Então, o que poderia ser dias de lazer, descanso, alegria, entretenimento, leitura, curtição no sentido exato da palavra, se torna solidão, amargura, medo, depressão, pânico, doenças. Muita gente passa por isso.

No entanto, o importante é saber que o final de semana começa a ser programado na nossa mente, e nós estamos no comando dela! Então pergunto: O que você vai fazer para tornar esse final de semana único, tranquilo, relaxante, feliz? Não coloque isso na mão de ninguém! Está em seu poder. Portanto, escolha ser feliz e olhar tudo pelo lado mais ameno, suave. Escolha ser feliz hoje! Boa sexta-feira e excelente final de semana!

Falar com o terapeuta num momento como este pode ser imprescindível, pois ajuda a você encontrar a reconexão consigo mesmo, com o seu eu, com seus valores, seu amor próprio e objetivos de vida. Desse modo, tenho certeza que a terapia fará não somente o seu final de semana mais feliz, mas sim, todos os dias.

Nesse sentido, para aqueles que não tem oportunidade, por várias razões, de consultar um psicólogo/terapeuta, O App FalaFreud dá essa excelente oportunidade, intermediando o contato entre o paciente e este profissional 24 horas por dia, 7 dias por semana, num valor acessível.

Vamos lá! Afina, quanto tempo você ainda tem para ser feliz?

– Goretti Lima