Teste de Bipolaridade

Muitas pessoas se perguntam se o seu filho é bipolar, ou um familiar, ou creem que que alguém do seu meio sofre do transtorno bipolar. Há uma série de sintomas que podem ajudar a detecta-lo, ainda que a maioria das vezes se trate de simples conjeturas.

Realizando o seguinte Teste de Bipolaridade poderá ter uma orientação sobre se se seus comportamentos ou os de uma pessoa cerca de você são normais ou são devido a um transtorno bipolar.

O transtorno bipolar é uma das doenças mentais mais difíceis de detectar, e costuma passar muito tempo até que sejam corretamente diagnosticado. Os sintomas são muito diversos, sendo muitas vezes confundidos com o caráter da pessoa, e o que pode ser tomado como um início de bipolaridade podem ser por vezes também sintomas de um início de depressão. Se acha que é o caso, tome o nosso Teste de Sintomas de Depressão.

De qualquer forma, se este teste saiu positivo, é recomendável que veja um médico para obter um diagnóstico profissional, e uma linha de ação de combate á doença bipolar.

Realizar o Teste de Bipolaridade

Recomendações na hora de realizar o teste bipolaridade

1 – Ter mais de 18 anos

2 – Marcar só uma das respostas

3 – Responder ás perguntar pensando na forma em que se sentiu e comportou na maior parte da sua vida

4 – Não tomar como referência mudanças recentes ou de um período determinado, suas respostas devem refletir a maior parte de sua vida.

Sinais de que uma pessoa pode ser bipolar

1. Muito bom ânimo

O transtorno bipolar carateriza-se por episódios de mania e depressão, muito extremos e alternados. Durante uma fase maniaca, alguns pacientes podem passar por uma ruptura total da realidade.

No entanto, a hipomania, que também é um sintoma da doença, é um estado de alta energia em que uma pessoa se sente exuberante, mas não perdeu o seu contato com a realidade.

2. Inabilidade para completar tarefas 

uma casa cheia de projetos a meio é uma caraterística do transtorno bipolar. No entanto, as pessoas que sofrem este transtorno, se aproveitarem a sua energia quando se encontram numa fase de hipomania, pode ser muito produtivo.

Alguns, no entanto, planificam grandes projetos, pouco realistas, que nunca terminam, e depressa passam a outra coisa.

3. Depressão

Uma pessoa que se encontra num estado depressivo bipolar vai ser olhado como alguém que tem depressão normal. Eles têm os mesmos problemas de energia, apetite, sono e atenção, que aqueles que têm uma depressão regular.

Por desgraça, os anti depressivos típicos não funcionam bem nos pacientes que são bipolares, e inclusivamente podem acelerar o ciclo bipolar, piorando o estado, ou levar alguém a um episódio de ruptura com a realidade

Os anti depressivos podem ser perigosos em pessoas com este transtorno, já que os podem conduzir á mania

4. Irritabilidade

Algumas pessoas com esta doença sofrem de “mania mista”. Experimentam sintomas de mania e depressão ao mesmo tempo. Durante este estado, poem-se extremamente irritáveis.

Toda a gente tem dias maus, e esta é uma das razões pela qual este tipo de bipolaridade é muito mais difícil de reconhecer.

5. Verborreia

Muita gente á faladora por natureza. Todos conhecemos uma dessas pessoas que nunca se calam. No entanto, a “fala apressada” é um dos sintomas mais comuns do transtorno bipolar

Segundo o Dr. Bearden, este sintoma manifesta-se quando numa conversa não se produzem duas vias de comunicação. Há uma pessoa que fala sem parar, e que interrompe sistematicamente, sem permitir falar a outra.

Ainda que pareça algo difícil de verificar, na realidade isto é algo muito chamativo nas pessoas que se encontram em fase de mania. As pessoas bipolares nestas fases saltam de um tema para o outro, sem que haja uma conexão lógica entre eles.

6. Problemas laborais.

As pessoas com o transtorno bipolar costumam ter dificuldades no local de trabalho porque muitos dos seus sintomas podem chegar a interferir com a sua capacidade de trabalho. A bipolaridade em si não representa nenhum inconveniente para trabalhar, mas alguns dos seus sintomas podem causar dificuldades no desempenho da sua atividade profissional, sobretudo se a pessoa não está tratada.

Além de ter problemas para completar as tarefas, podem ter dificuldades para dormir, irritabilidade, e um ego inflacionado durante uma fase de mania e depressão em outras ocasiões unido além disso a problemas pessoais. Tudo isto pode ser uma fonte de conflito no lugar de trabalho.

7. Abuso de álcool ou drogas

Segundo alguns estudos, cerca de 50% dos bipolares também têm um problema de abuso de substâncias , em particular o uso de álcool. Muitas pessoas com a doença bipolar vêm no álcool a forma de animar-se quando estão deprimidos, e de acalmar-se quando estão em fase de mania.

O álcool é um tema complicado no tratamento da bipolaridade, e a maioria dos médicos aconselham a não beber mais do que o indispensável, já que pode afetar tanto a medicação como o estado anímico do paciente bipolar. Durante a fase maníaca o doente de bipolaridade sente-se bem, geralmente.

8. Comportamento errático bipolar

Quando se encontram numa fase maníaca, as pessoas com bipolaridade costumam ter uma auto-estima muito elevada. Sentem-se invencíveis, e não creem que possam cometer nenhum erro. As manifestações mais comuns de comportamento errático dão-se no aspeto sexual e festivo.

Os bipolares começam a gastar dinheiro em festas, a sair, ou têm companheiros sexuais que em circunstâncias normais não teriam. A pessoa deixa de ter em conta as consequências dos seus atos, e toma decisões que não correspondem ao seu juízo normal, provocando a estranheza das pessoas á sua volta.

9. Padrões de sono irregulares 

As pessoas com esta doença frequentemente tem problemas de insônia. Durante uma fase de depressão, podem dormir demasiado e sentirem-se cansados todo o tempo. Durante a fase maníaca, a inquietação pode não deixa-los dormir, e apesar de tudo nunca chegar realmente a sentir cansaço.

Um dos pontos mais importantes no tratamento da bipolaridade é tentar dormir o mesmo cada noite, cumprindo horários preestabelecidos.

FalaFreud é o melhor caminho para a terapia de forma fácil, acessível e conveniente para aqueles que procuram uma vida melhor. Você pode se conectar com um terapeuta do conforto e privacidade da sua casa usando o seu smartphone, baixe o nosso aplicativo em http://www.falafreud.com/ e converse hoje mesmo com um terapeuta.

4 SINAIS DE QUE ALGUÉM TEM DEPRESSÃO PÓS-PARTO

“O nascimento de um bebê pode desencadear uma confusão de emoções poderosas, de emoção e alegria até medo e ansiedade. Mas também pode resultar em algo que você pode não esperar – depressão.” – The Mayo Clinic

O nascimento de uma criança é um evento na vida de uma mulher que muitas vezes traz uma sensação de alegria esmagadora. Um sentimento exaltado de criar algo bonito e precioso. Esta alegria, apesar de quaisquer dificuldades que possam surgir antes ou depois do nascimento, provavelmente permanecerá durante toda a vida da mulher.

Mas como é bem conhecido até agora, as complicações antes e depois do nascimento são possíveis. Essas complicações podem ser extremamente difíceis, perplexas, frustrantes e até perigosas. Dificuldades durante a gravidez e após o nascimento podem tributar a saúde física e/ou mental da mulher, às vezes a um nível muito insalubre.

Algumas mães experimentam o que é conhecido como depressão pós-parto (DPP), tema deste artigo.

Aqui, discutimos quatro dos principais sinais de DPP reconhecidos pelos profissionais médicos. Também forneceremos algumas recomendações profissionais referentes ao tratamento de DPP.

Diferença entre DPP e “Baby Blues”

É vital fazer uma distinção entre duas condições similares, mas muito diferentes.

“Baby blues” é um termo comum usado para descrever os sentimentos de “preocupação, infelicidade e fadiga” que muitas mulheres experimentam depois de dar à luz. Os sentimentos acima mencionados são leves em comparação a depressão pós-parto, e geralmente se dissipam após uma semana ou duas.

DPP também evoca esses sentimentos, mas o grau em que eles são experimentados é ampliado. Além disso, outros sintomas geralmente surgem.

Também é importante entender que DPP é uma condição médica e mental reconhecida, e que é menos comum do que “baby blues”, mas mais comum do que se pode pensar.

Para entender a prevalência de DPP, considere que a condição ultrapassa os novos casos anuais americanos (masculinos e femininos) de: doença de Alzheimer, epilepsia, leucemia, esclerose múltipla, lúpus, leucemia, doença de Parkinson e tuberculose.

De acordo com Centers for Disease Control and Prevention (CDC), 11 a 20 por cento das mulheres que dão à luz todos os anos experimentam sintomas de DPP. Usando uma média de base de 15 por cento, este número equivale a cerca de 600.000 casos de PPD apenas nos Estados Unidos.

Aqui estão 4 sinais de depressão pós-parto:

1.Inabilidade ou falta de vontade para tomar decisões
A ansiedade é um sintoma quase universal daquelas com DPP – e é frequentemente extrema. Para mães de primeira viagem, essa ansiedade pode até parecer debilitante; tornando muito mais difícil tomar qualquer decisão.

Mas a tomada de decisão para aquelas com DPP muitas vezes envolve medo, também. Uma mulher com DPP já tem dificuldade de fazer escolhas, mas quando se trata de ter que decidir sobre algo relacionado ao cuidado do bebê (por exemplo, alimentação, nutrição), uma sensação de medo também pode surgir. Principalmente medo de fazer algo errado.

2.Crises de gritos ou ataques emocionais
Qualquer um que tenha experimentado a investida de emoções negativas trazidas pela depressão pode se relacionar a isto. Como com todos os sintomas relacionados com DPP, os sentimentos depressivos sentidos por aqueles com a condição são ampliados, tornando a pessoa mais suscetível aos seus efeitos.

A depressão severa altera drasticamente a composição química do cérebro, incluindo a serotonina – o neurotransmissor responsável pela estabilização do humor. Para as mães com DPP, esta alteração química do cérebro – combinada com o estresse inevitável que a maternidade traz – pode resultar em uma inundação esmagadora de emoções. Este acúmulo emocional pode se manifestar em ataques de choro, raiva, explosões verbais e outros comportamentos “erráticos”.

3.Exaustão, mas incapacidade de dormir
Para começar, as mães de primeira viagem muitas vezes não recebem uma quantidade adequada de sono. Alimentar e cuidar da criança durante a noite é uma rotina comum, afinal. Na maioria das circunstâncias, quando a criança está dormindo, a mãe irá aproveitar o momento para descansar.

No entanto, devido a uma infinidade de razões (incluindo as constantes desta lista), pessoas que sofrem de DPP relatam frequentemente a incapacidade de adormecer – uma condição conhecida como insônia.

Quando a mulher finalmente consegue adormecer, a qualidade do sono é muitas vezes pobre. Naturalmente, o (já sobrecarregado) cérebro não se recarrega assim; este ciclo complica ainda mais uma situação já difícil.

4.Pensar em machucar a si mesma ou o bebê
Embora este sinal seja provavelmente apenas um subproduto da atividade cerebral anormal, ainda mais exacerbado pelo estresse e ansiedade extrema, é considerado grave pelos profissionais médicos. Infelizmente, muitas pacientes são muito envergonhadas para procurar orientação sobre esses pensamentos.

Mas psiquiatras e clínicos são inflexíveis sobre procurar ajuda. Na verdade, muitas mulheres que procuraram ajuda receberam reafirmação imediata, sem mencionar um plano de tratamento que pode ajudá-las através deste momento difícil.

Tratamento da DPP

Felizmente, existem várias opções de tratamento para DPP. Os tratamentos mais comuns de envolvem terapia de conversa, aconselhamento, medicação, ou uma combinação dos três.

De acordo com a Mayo Clinic, depressão pós-parto geralmente dura por seis meses, com tratamento adequado. Como com qualquer outra condição de saúde mental, é essencial continuar o tratamento para a quantidade prescrita de tempo, mesmo depois de se sentir melhor.

FalaFreud é o melhor caminho para a terapia de forma fácil, acessível e conveniente para aqueles que procuram uma vida melhor. Você pode se conectar com um terapeuta do conforto e privacidade da sua casa usando o seu smartphone, baixe o nosso aplicativo em http://www.falafreud.com/ e converse hoje mesmo com um terapeuta.

____

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Power of Positivity

À Espera de um Amor de Verdade

O amor traz paz, traz alegria, saúde e riqueza. O amor é nossa identidade. Entramos em um relacionamento procurando o amor, sem perceber que já temos que tê-lo conosco. Temos que saber quem somos, o que queremos, e qual o tamanho do nosso valor. O ideal é oferecer ao relacionamento ânimo e respeito por nós mesmos e por nossas vidas. Se conseguirmos fazer isso vamos atrair relacionamentos dispostos a compartilhar aquilo que possuímos. Compartilhar a alegria, o respeito e a admiração.

 O ideal é entrar num relacionamento inteiro (a), sem esperar que alguém te complete ou que o valor do seu amor seja visto pelo outro (a), porque você já se valoriza. Já sabe falar o que quer com tranquilidade e compreende que as diferenças sempre existirão, mas que isso não impede você de amar e ser amado (a). Assim, o amor se torna um grande multiplicador e intensifica a experiência da vida.

Quando ainda não adquirimos essa completude de nós mesmos (as), a procura pelo amor nos faz passar por experiências que precisamos ter para descobrir o que é verdadeiro em relação ao amor, e o que não é.
Enquanto não conseguirmos viver em harmonia com nós mesmos (as), haverá em nós um vazio, uma inquietude. E jogaremos todas as nossas frustrações no outro. Esperaremos do companheiro (a) que ele (a) seja nosso salvador (a). Que entenda e atenda todos os nossos desejos.
Ninguém atenderá todos os seus desejos. Isso apenas você pode fazer. E nem todas as vezes você consegue, quem dirá outra pessoa.
Se você está à espera de um relacionamento, ou se acaba de terminar e está sofrendo por isso sugiro que aproveite esse tempo, a dor, a tristeza para se reintegrar. Para aprender a se amar. E não mais deixar que a sua vida gire em torno do amor de alguém. O amor próprio é o único que preenche, é o único que pode te dar paz, e é verdadeiro.
O amor de verdade está dentro de você, na forma como você mesmo (a) se trata. Na forma como você pensa, naquilo que faz por você mesmo (a). Como tem se tratado ultimamente? Que carinho fez por você mesmo (a)? Seus pensamentos são de paz ou de tortura? Você fica se perguntando o que tem de errado com você, porque ninguém te ama ou faz o que gosta, da forma que te faz bem e feliz? Procure esse amor, não é preciso de ninguém para encontra-lo ele já é seu. Assim, tudo na sua vida terá sentido.

FalaFreud é o melhor caminho para a terapia de forma fácil, acessível e conveniente para aqueles que procuram uma vida melhor. Você pode se conectar com um terapeuta do conforto e privacidade da sua casa usando o seu smartphone, baixe o nosso aplicativo em http://www.falafreud.com/ e converse hoje mesmo com um terapeuta.

– Dayane Costa Fagundes