Por que a frustração pode ser prejudicial para sua saúde?

Nem sempre as coisas acontecem do jeito que esperamos e, muitas vezes, nos sentimos impotentes diante de situações como essa. A frustração é o sentimento mais comum nesses momentos, quando algo que era esperado não acontece.

A expectativa e o desejo não são realizados, o que pode gerar um desânimo e incômodo muito grandes. Mas tudo isso é normal porque sentir-se frustrado faz parte do desenvolvimento do ser humano na sociedade.

Isso significa que com as experiências frustradas, o indivíduo tem a possibilidade de crescer, aprender e criar novas formas de interagir com o que está em volta dele. A frustração só se torna prejudicial quando a decepção estimula um problema emocional

Caso chegue nesse ponto, as consequências são muito sérias e conseguem interferir no bem-estar físico e mental da pessoa. Por isso, é fundamental entender como ela funciona e quais atitudes tomar para equilibrar esse fator.

Como funciona a frustração?

A frustração pode ser chamada de síndrome e apresenta diversos sintomas. No entanto, vale destacar que ela é um incentivo para trabalhar ações conscientes, superar os erros, fazer algo diferente e melhor.

Porém, num mundo em que o prazer e a satisfação são considerados como as únicas formas de se viver bem, é realmente complicado manter o equilíbrio e não desabar quando essas situações aparecem.

Dessa forma, uma imensidão de sentimentos negativos invadem os pensamentos da pessoa, como: fracasso, baixa autoestima, impotência, dentre outros.

Dicas para lidar com esse problema

Apesar de ser um desafio para muitos, é possível traçar um caminho para manter a frustração sob controle. O mais importante durante esse processo é avaliar qual dessas dicas se encaixa mais com o seu perfil. Lembre-se, cuidar desse problema exige compromisso e principalmente estar aberto a novas formas de viver. 

Resiliência

Quando a pessoa se sente frustrada, geralmente, ela toma algumas escolhas: foge da situação, ignora os próprios sentimentos ou evita situações parecidas no futuro por medo de se frustrar novamente. 

Tanto essas, como outras alternativas que não permitem encarar o problema de frente, são falhas. Elas podem até resultar em consequências negativas para o futuro, podendo levar a doenças mentais e físicas graves. 

O segredo aqui é aceitar a realidade dos fatos, acreditar na capacidade interior e agir. A força pela resiliência deve ser mais forte que o comodismo. Mas isso nada adianta se a pessoa não compreender claramente as causas das frustrações.

A partir do momento que a pessoa identifica o que deve ser alterado, ela tem mais autonomia para realizar ações individuais. Assim, fica mais fácil de reduzir o sentimento negativo e experimentar pensamentos positivos e honestos.

Autoconhecimento

Extremamente necessário para trazer harmonia, o autoconhecimento é uma questão que promove a busca pelas origens, gostos pessoais, hábitos, bagagem cultural e muito mais.

Para ser usado da forma correta, o autoconhecimento precisa se tornar parte da vida da pessoa, analisando cada sentimento frustrado do dia-a-dia. E o mais relevante, ter a consciência de que cada problema que surge é uma oportunidade de mudança.

Não lide sozinho com seus problemas

Tanto a resiliência como o autoconhecimento podem ser desenvolvidos e aplicados com uma ajuda psicológica

Com tratamento terapêutico e o profissional ideal, essa meta pode ser conquistada e trabalhada de forma saudável e eficaz.

Por que os neurotransmissores são importantes para a saúde?

Você sabe qual a importância dos neurotransmissores para o nosso organismo? Eles são conhecidos como mensageiros químicos que ajudam a estimular e também equilibrar os sinais entre os neurônios, células nervosas e outras células que compõem o corpo do ser humano.

Por atuarem dessa maneira, eles podem afetar uma ampla variedade de funções físicas e psicológicas. Incluem-se nesse quadro o sono, o apetite, humor, frequência cardíaca e sentimentos como o medo. 

Dessa forma, milhares de moléculas compostas por neurotransmissores trabalham para manter o bom funcionamento do cérebro, gerenciando diversos fatores. Desde a respiração, batimento cardíaco, até os níveis de concentração e aprendizado de cada pessoa.

Como eles funcionam no organismo?

Para que isso aconteça de forma eficaz, ou seja, os neurônios enviando mensagens por todo o corpo, é preciso que haja comunicação entre eles para transmitir sinais. Contudo, os neurônios não estão simplesmente conectados uns aos outros. 

Como em cada um deles existe um espaço chamado sinapse, para se comunicar com a próxima célula, o sinal precisa ser capaz de atravessar esse pequeno “buraco”. Isso ocorre através de um processo conhecido como neurotransmissão.

Na maioria dos casos, um neurotransmissor é liberado como o terminal do axônio após um potencial de ação ter alcançado a sinapse. Um lugar onde os neurônios podem transmitir sinais entre si, sem nenhum problema.

Mal funcionamento dos neurotransmissores

Assim como outras questões que envolvem nosso organismo, o mal funcionamento também pode acontecer quando o assunto é neurotransmissores. Vale destacar que se tratando de um sistema tão vasto e complexo, não é anormal que esses elementos estejam suscetíveis a erros.

Basicamente, o que pode dar errado inclui:

  • Possibilidade dos neurônios não fabricarem o suficiente de um neurotransmissor específico;
  • Muito de um neurotransmissor em particular pode ser liberado;
  • Vários neurotransmissores sendo desativados por enzimas;
  • Os neurotransmissores podem ser reabsorvidos muito rapidamente.

Mas o que muitos podem se questionar é em relação às consequências desse processo. Geralmente, quando os neurotransmissores são afetados por doenças ou drogas, pode haver diferentes efeitos no corpo. Alguns exemplos são a Epilepsia, Alzheimer e Parkinson que estão associadas a déficits em certos neurotransmissores.

É necessário buscar ajuda?

Como os medicamentos que influenciam as ações dos mensageiros químicos do corpo são frequentemente prescritos para ajudar a tratar diversas condições psiquiátricas, os psicólogos e psiquiatras entendem a relevância do bom funcionamento dos neurotransmissores.

E às vezes, esses medicamentos podem ser usados ​​isoladamente, mas também ​​em conjunto com outros tratamentos terapêuticos, incluindo a terapia cognitivo comportamental

Portanto, nossa dica principal é sempre estabelecer uma rotina para não deixar de lado a saúde, investindo em alternativas que tragam conforto e resultados para o seu bem-estar.

Como utilizar a meditação para dormir?

Você já tentou praticar a meditação como uma maneira de melhorar a qualidade do seu sono? Se ainda não, provavelmente você não sabe os benefícios que essa técnica pode trazer para o seu dia a dia. 

Em linhas gerais, as formas de meditação auxiliam a criar condições internas favoráveis para uma noite verdadeiramente calma, independente de uma semana complicada ou se a sua mente está agitada por muito tempo. 

Além disso, essa prática tem como principal objetivo acalmar e silenciar a mente de cada indivíduo. Ou seja, se ela se tornar um hábito, é possível nos desligarmos dos problemas, anseios e aflições que se colocam em nossa vida e que já fazem parte do cotidiano.

O que acontece quando se pratica a meditação?

Como essa técnica tem a intenção de aquietar ou focar a mente, ela também consegue criar mudanças fisiológicas semelhantes àquelas que ocorrem no corpo durante as primeiras fases do sono. Exemplos disso são: pressão arterial cai e os hormônios do estresse se dissolvem.

Porém, o ato de meditar pode ser um desafio para quem deseja iniciar essa jornada. Sendo assim, é importante manter a paciência e persistir bastante durante as primeiras tentativas. 

O ideal é iniciar esse processo com apenas alguns minutos antes de dormir. Dessa forma, mais para frente, você já consegue fazer isso com mais habilidade, alcançando de 15 ou 20 minutos por dia.

Estilos de meditação para dormir

Mas para que você possa dar os primeiros passos nessa prática, vale destacar que existem estilos diferentes de meditação. São eles que vão ajudar você a se desligar dos estímulos externos e adormecer. 

Vale a pena conhecer essas alternativas e avaliar qual funciona melhor para o seu perfil:

Mindfulness

Conhecido também pelo nome de Atenção plena, o Mindfulness é uma técnica bem simples, mas que ao mesmo tempo não deixa de ser eficaz. Nesse estilo, a proposta é voltar sua concentração para o corpo que pode estar relaxado e em posição confortável na sua cama.

O recomendado é que o colchão seja firme e não muito macio. O mesmo vale para o travesseiro. Portanto, depois de notar esses itens, você pode proceder da seguinte forma:

  • Escolha um lugar tranquilo e preste atenção à sua respiração;
  • Quando sua atenção não estiver voltada para a meditação, retorne para o momento presente;
  • Só de respirar profundamente por 5 minutos, você já perceberá um estado de total relaxamento;
  • Perceba a sensação do contato do seu corpo com superfície embaixo de você.

Meditação de concentração

Já neste caso de meditação, você precisa se concentrar em algo específico para obter sucesso. Pode, por exemplo: observar sua respiração ou repetir o mantra em voz alta, como “eu estou em paz”, ou então visualizar algum objeto em sua mente. 

Uma dica para quem optar por esse estilo, é sempre manter esse ponto de foco, já que ele se torna extremamente útil para acalmar a mente e relaxar por completo.

Meditação guiada

Por outro lado, a meditação guiada exige a companhia de outra pessoa presente no momento da prática. Basicamente, a ideia é que você possa ouvir outro indivíduo que o conduz através desse processo. 

Um instrutor ou um áudio-guia, por exemplo, podem orientar o praticante para relaxar os dedos dos pés, depois as pernas e assim por diante. O tempo desse tipo de meditação pode variar de 5 minutos até 1 hora e, muitas pessoas a utilizam para conseguir aliviar a ansiedade.

Como você pode começar?

Se você sentir dificuldades ou percebeu que precisa de uma orientação antes de começar a meditação, o indicado é procurar ajuda profissional. A terapia pode ser uma dessas opções, pois o psicólogo ajuda o paciente a encontrar a melhor técnica para suas necessidades.

Baleia azul: conheça o jogo e saiba como identificar quem joga

Você já ouviu falar do jogo da Baleia Azul? Este é o nome dado para um conjunto de 50 desafios diários que têm como objetivo, promover situações autodestrutivas em jovens e adolescentes.

Por ser uma prática que já fez vítimas fatais ao redor do mundo, é interessante compreender melhor o que levam às pessoas a participarem desse tipo de jogo, e como você pode identificar quem o pratica. Continue a leitura do texto, logo a seguir.

Continue lendo “Baleia azul: conheça o jogo e saiba como identificar quem joga”

Setembro Amarelo: a importância da conscientização

Você já falou abertamente sobre suicídio com seu filho(a), pai, mãe ou até mesmo com um amigo próximo? Atualmente um dos grandes tabus é a dificuldade em conscientizar sobre este que é considerado um problema mundial de saúde pública.

A campanha do Setembro Amarelo existe justamente para tentar quebrar esse tabu e contribuir para a prevenção do suicídio. Logo abaixo, você verá a relevância da temática e como ela está atuando no país.

Continue lendo “Setembro Amarelo: a importância da conscientização”

Saiba como o ego influencia seu comportamento e sucesso

O ego, em algum momento, já foi motivo de situações desconfortáveis no seu ambiente profissional? Infelizmente, essa é ainda uma questão frequente em certos locais. Entretanto se o colaborador souber controlar esse fator e usá-lo de forma saudável, o ego exerce uma influência positiva no desempenho pessoal.

Isso o leva a um desenvolvimento e crescimento na carreira. E apesar da definição estar muitas vezes ligada à arrogância, vaidade e prepotência, o ego vai além disso. Trata-se da consciência que cada indivíduo tem de si próprio.

Ou seja, o modo que a pessoa se percebe na realidade em que convive, levando em consideração a identidade, orgulho e autoconfiança. Mas você sabe dosar o ego para que ele influencie de maneira agradável?

Lado positivo

Desenvolver uma boa liderança no ambiente profissional e transmitir autoconfiança aos demais colegas, são algumas das habilidades que o ego traz para aqueles que conseguem controlá-lo. Desse jeito, todos à sua volta são envolvidos positivamente porque sua postura demonstra respeito e responsabilidade.

Lado negativo

O problema começa quando você se valoriza excessivamente. A partir daí, o profissional passa a crer que é melhor que os demais e expõe isso nas atitudes.  A situação gera desconforto no relacionamento interpessoal, causando conflitos e prejudicando o clima organizacional.

Porém, se você perceber algum comportamento que esteja atrapalhando sua desenvoltura dentro do trabalho, pode seguir algumas dicas para auxiliar nesse processo:

Respeite o espaço do outro

Algo simples que o indivíduo pode tornar um hábito durante seu dia a dia dentro da empresa. Aprenda a ser gentil e respeitar os pontos de vista diferente dos seus, além de evitar ultrapassar os limites permitidos dentro de uma organização.

Talvez você até não perceba, mas comece a prestar atenção no que deixa as pessoas desconfortáveis.

Desenvolva a proatividade

Conseguiu identificar coisas que os outros não notaram? É a hora de não ser soberbo e julgar as atitudes alheias. Não fique também em silêncio, esperando pelo desastre. Ofereça suporte e apoio para evitar um transtorno ou crise.

Nada melhor também do que compartilhar suas próprias experiências e conhecimentos. Contudo, a cautela é essencial nesta etapa, pois com ela você transmite tudo o que quer, através de uma abordagem amigável e solícita.

Mantenha seu ego em movimento

Acolha o autoquestionamento. Ele é um excelente recurso para desenvolver o lado positivo do ego. Investigue e procure por aquilo que faça você se sentir participativo durante o trabalho.

Exercite sua mente, já que é muito importante manter seu corpo e identidade em movimento constante. Não admita respostas prontas ou até mesmo atribuições de culpas que recaem sobre os outros.

Invista em terapia para conhecer o ego

O acompanhamento terapêutico é uma ação transformadora para todos aqueles que desejam ter uma melhor qualidade vida e bem-estar. O mesmo vale quando se fala em ego.

O melhor disso é que você tem a chance de iniciar o tratamento de onde estiver e no horário que se encaixa melhor com sua rotina. Comece o seu com a ajuda extra de um psicólogo que está pronto para atender todas as suas dificuldades e questionamentos.

Saiba o que é empatia e como praticá-la no seu dia a dia

Em alguma situação, você precisou se colocar no lugar de outra pessoa para que assim, compreende-se suas atitudes e sentimentos? Essa decisão se chama empatia e para exercitá-la de maneira construtiva, o ideal é adotar algumas medidas simples e práticas.

Além disso, como esse fator também se relaciona com todos que convivem à sua volta, é fundamental entender que essa ação pode se transformar num hábito saudável. Para descobrir como, acompanhe a leitura do texto.

Continue lendo “Saiba o que é empatia e como praticá-la no seu dia a dia”

Confira 10 dicas para parar de procrastinar

Conviver com a procrastinação pode ser um dos piores hábitos para sua saúde física e mental. Esse ato é um dos responsáveis que impedem o bom funcionamento da rotina pessoal e profissional.

A partir do momento em que as atividades são negligenciadas ao ponto de atrapalhar o seu futuro, a procrastinação gera sentimentos de depressão, ansiedade e estresse. Dessa forma, é importante entender quais são suas causas e como você pode controlá-la no dia a dia.

Continue lendo “Confira 10 dicas para parar de procrastinar”

Ocitocina: conheça os benefícios do hormônio do amor

Você já ouviu alguém falar a respeito do hormônio do amor ou sobre o seu propósito? Muitas pessoas não sabem que a Ocitocina desempenha um papel fundamental no público feminino, desde funções reprodutivas até mesmo em relação ao parto e amamentação.

Além dos efeitos na reprodução, o hormônio também ganha destaque por colaborar na atividade sexual e social do ser humano. Um exemplo dessa questão é que os níveis da Ocitocina tendem a aumentar durante experiências estressantes e na relação com outros indivíduos, o que provoca mudanças de comportamento.

A substância também pode ser identificada como Oxitocina, e sua influência sobre a fisiologia da pessoa tem início no cérebro. Logo em seguida, o hormônio se direciona para a glândula pituitária e liberado na corrente sanguínea. Vale ressaltar que os receptores dela são encontrados em células por todo o corpo.

Aumenta a libido

A Ocitocina não recebe esse nome de hormônio do amor à toa, já que ela é liberada em demonstrações de afeto e carinho. Ela é notada num abraço ou quando você se encontra num relacionamento com alguém, por exemplo.

No caso de envolvimento sexual, um coquetel de substâncias químicas cerebrais são liberados durante o orgasmo. A Oxitocina é uma delas e consegue intensificar o vínculo entre os parceiros nessas ocasiões.

Estimula o apego materno

Segundo um estudo da conceituada revista Psychological Science, as mulheres grávidas que têm mais desse hormônio no corpo, conseguem estabelecer uma conexão mais forte com seus filhos após o nascimento.

Por isso, é muito discutido que o apego materno é um dos principais efeitos que a Ocitocina causa no ser humano.

Auxilia no controle da ansiedade e estresse

Apesar de estar ligada aos fatores descritos acima, a substância contribui no controle do estresse e ansiedade. De acordo com uma pesquisa da Society for Neuroscience, os sinais de transtornos como a depressão tendem a diminuir, após a Ocitocina ser injetada no indivíduo.

Contudo, vale destacar que para tratar essas condições, o mais indicado é o acompanhamento terapêutico. Aplicando esse método na sua vida, você consegue ter mais estabilidade e bem-estar no dia a dia. Porém, o tratamento precisa da orientação de um psicólogo, profissional preparado para atender esse tipo de demanda.

Colabora para as habilidades sociais

Você sabia que a inalação da substância melhora a capacidade das pessoas com autismo no quesito interação? Esse é outro benefício proporcionado pela Ocitocina.

Além desse fator, ela tem o poder de reduzir o medo que os autistas sentem pelos outros. Dificuldade na comunicação e relações sociais também são questões aperfeiçoadas com a presença desse hormônio.

Curiosidades sobre a Ocitocina

A substância é essencialmente produzida pelo corpo, mas ela existe também na forma sintética. Vendia normalmente sob receita com o nome de Pitocina, a Ocitocina é usada para iniciar ou fortalecer as contrações durante o parto.

Nesse caso, ela deve ser administrada com a supervisão médica. Após o nascimento da criança, o hormônio estimula as contrações uterinas, o que diminui as chances de uma possível hemorragia.

Sua utilidade se estende também na forma de consumo intranasal. Assim, a substância melhora a percepção dos indivíduos, evidenciando traços da personalidade, exemplo: confiança e altruísmo.

Reeducação alimentar: a importância de adotar bons hábitos

É possível manter uma reeducação alimentar e ainda se beneficiar com tudo que essa prática pode proporcionar para sua vida? Com certeza, essa é uma atitude que todos podem aplicar no dia a dia. Mas para modificar seus hábitos alimentares, é necessário conhecer a fundo como esse comportamento funciona.

De início, vale destacar que a função básica da reeducação alimentar é solucionar doenças, emagrecer ou, até mesmo, manter a saúde equilibrada. Com essa decisão, a pessoa consegue entender os efeitos que a alimentação tem na vida dela.

Isso é importante porque ela também compreende que para atingir uma boa forma, não se deve pensar apenas em dietas. O essencial é levar em conta a adoção de bons hábitos, a partir do momento que coloca a reeducação alimentar em prática.

Contudo, essa decisão não abrange apenas a seleção de bons ingredientes. Envolve uma série de outras atitudes como mastigar corretamente e estabelecer horários para as refeições, por exemplo.

Continue lendo “Reeducação alimentar: a importância de adotar bons hábitos”