A fibromialgia tem relação com o emocional?

As pessoas que têm fibromialgia costumam carregar o mundo nas costas, seja os problemas dos familiares ou do trabalho. Clique, leia e saiba mais no Blog do FalaFreud !

Fibromialgia e o emocional, saude mental

1- o que é fibromialgia e a relação com a mente.

A pessoa que tem fibromialgia sente dores agudas e constantes nos músculos de todo o corpo. Essas dores levam a pessoa ao desânimo, fraqueza muscular, cansaço.

Aparentemente a pessoa está bem, mas a dor é insistente a todo movimento, como sentar, levantar ou deitar.

O corpo e a mente não são instâncias separadas, por esse motivo todo o funcionamento da mente, os padrões de pensamentos e funcionamento do ego interferem na saúde do corpo.

As pessoas que têm fibromialgia costumam carregar o mundo nas costas, seja os problemas dos familiares ou do trabalho.

O que acontece é que elas tornam os pensamentos tão tensos que o corpo faz o mesmo movimento.

A alma está em dor e o corpo é o reflexo da alma.

2- Quais são os comportamentos comuns de uma pessoa com fibromialgia?

O paciente com fibromialgia dificilmente relaxa aos prazeres da vida e está sempre preocupado.

Preocupa-se com o que deixou de fazer ou o que poderia estar fazendo para estruturar melhor a sua vida e a vida de seus familiares.

Costuma se aborrecer toda vez que confiou a alguém uma tarefa e não saiu como imaginava. Nesse momento seu corpo começa a doer e a incomodar, refletindo o incômodo que sofreu com a atitude alheia.

3- O que é indicado para a pessoa que sofre de fibromialgia?

O indicado para as pessoas que sofrem com essas dores é trabalhar seu olhar sobre os acontecimentos.

Nós não podemos mudar o mundo e nos aborrecer com tudo que acontece diferente do que desejamos.

Toda essa energia de tensão é jogada para nosso corpo. A realidade não pode ser mudada, mas o modo como pensa sobre ela pode ser diferente.

Aprender a relaxar e ser menos controlador pode ajudar muito. Isso deve ser feito com acompanhamento terapêutico.

O terapeuta tem uma visão neutra e acolhedora, ajudando a nortear caminhos para a quietude interior necessária a pessoa que tem fibromialgia.

 

Dayane Fagundes

FalaFreud é o melhor caminho para a terapia de forma fácil, acessível e conveniente para aqueles que procuram uma vida melhor. Você pode se conectar com um terapeuta do conforto e privacidade da sua casa usando o seu smartphone, baixe o nosso aplicativo em http://www.falafreud.com/ e converse hoje mesmo com um terapeuta.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre DiagnósticosTerapia ? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você !

comecar terapia

22 comentários em “A fibromialgia tem relação com o emocional?”

  1. Li algumas publicações, achei bastante interessante. Essa tal fibromialgia, tenho certeza que estou com isso, sofro horrores e nada mais me anima na vida.

    1. Eu tenho suspeita qe estou com este poblema pq e muitas flores e sofro pois passo por muitos poblema de família e trabalho também mas esa orientação vai mi ajudar

    2. Eu também não tem remédio q passe minhas dores tenho muita ansiedade e tudo q vou fazer quero acabar logo e não consegui e esforço muito o corpo

  2. Tem realmente um bom e útil pedaço de informação.

    Eu sou feliz que você apenas compartilhado isto útil
    informação conosco. Por favor permanecer nos actualizado como este.

    Obrigado para partilha.

  3. Boa noite.
    Minha namorada tem fibromialgia, conheci ela a pouco tempo, sou terapeuta corporal / vibracional, ela esta fazendo tratamento e tudo mais. Os tratamentos estão ajudando? Sim estão, mas depois de cada seção ela fica manhosa, chora as vezes sem motivos o humor dela muda repentinamente como é um dos sintomas da doença. E como terapeuta também estou a procura de uma solução para que eu possa ajudar ela melhor do que já esta sendo, a ideia não é que ela pare com o tratamento médico, mas sim algo que não faça mau depois de uma consulta médica. Vim ler esse artigo buscando conhecer mais sobre o emocional e com certeza vai ajudar e muito. Gratidão

    1. Jefferson, muito obrigado pela sua mensagem. Espero que juntos encontrem alguma forma de passar pela situação e viver uma vida mais alegre. Boa sorte pra vocês!!

  4. Bom dia!
    Tenho uma avó que me criou, muita estima por ela! Ela foi diagnosticada a muitos anos com essa doença, porém não acredito que seja somente isso. Estive lendo e estudando para tentar ajudar, percebi que ela tem algumas características de transtornos de personalidade como Borderline por exemplo. Ela não aceita de jeito algum que eu vá ao psiquiatra com ela, e quando vai , volta reclamando do médico e diz que não vai voltar mais porque o médico não entende o que ela tem.
    Como eu posso ajudar? Como convencer a realizar terapia? Existe a possibilidade de terapia online?

  5. Tenho 19 anos, desde criança sinto dores por todo o corpo, já cheguei a ficar com fortes dores nos joelhos que não conseguia andar. Aos poucos foram passando para outras partes do corpo, como por exemplo os braços especificamente no ombro, eram tão fortes e constantes que tinha dificuldade de arrumar os cabelos e já fiz diversas consultas para saber do que se tratava. No ensino médio aos 16 anos fui diagnosticada com fibromialgia. No inicio senti felicidade por finalmente saber do que se tratava. Não tinha a consciência de que isto nunca iria passar, a indicação do médio era que eu tinha que aprender a conviver com a dor, pois a fibromialgia não tem cura. Há períodos em que estou bem e quase não sinto nada, chego a pensar que não possuo mais a fibromialgia, porém as dores voltam. Pioram em momentos de tensão, por isso sinto muita dificuldade no trabalho, nos estudos e até mesmo na vida. Dificilmente você consegue viver sem problemas e mudar a percepção do pensamento não é nada fácil. Muito raro você encontra apoio, mas é difícil porque você sempre estará reclamando dos mesmos motivos.
    Apesar de nova, depois da fibromialgia me tornei uma menina muito madura para a minha idade, pois tive que valorizar um estilo de vida mais saudável, conhecer a mim mesma e os meus limites. Aparentemente não sofro com nada, porém minha vida é de constante luta. Não permito que a fibromialgia me pare, mas as vezes é muito difícil. Não aguento, e fico muito cansada, exausta, desanimada, com vontade de desistir de tudo. O ruim é que você já acorda assim, é uma luta para se levantar da cama, parece que você não dormiu e passaram um carro por cima de você enquanto estava deitado.
    Além da dor uma dos coisas mais complicadas que a fibromialgia traz é a alteração de humor. Isto dificulta muito nos relacionamentos, de todos os tipos até com a sua família, o que te deixa mais triste.
    Desde criança sou uma pessoa comunicativa e extrovertida, sempre fui educada e carinhosa, mas tem dias que não sei quem sou, e sem perceber eu trato as pessoas a minha volta com ignorância, brutalidade e não tenho muita paciência para uma simples conversa. Isto te deixa mal, porque no fundo você sabe que não queria ter agido assim, mas é mais forte, pois você não aguenta mais.
    Conforme o tempo passa você não sabe mais o que é você e o que é sintomas da fibromialgia.
    Eu procuro tratar com exercícios, as vezes pratico meditação, mudo a alimentação, mas é complicado seguir estas rotinas para um adolescente/jovem.
    Tenho muitos objetivos, sou bem focada, mas a fibromialgia te desanima, e é uma cadeia que só piora você.
    Você está com dor, e por isso não estuda ou trabalha direito, o que te dá um desempenho ruim, e você fica triste e preocupado e isto tudo volta para o seu corpo.
    Nunca compartilhei nada, sempre pesquiso como anonima, hoje senti vontade de escrever sobre isso, talvez seja perceptível que não estou em bons dias rs, mas vida que segue, sempre procuro pensar que passa e realmente passa, o ruim é o rastro que a fibromialgia deixa.
    Tenho dificuldades em relacionamento, porque é difícil de compreensão, as vezes nem meus pais me entendem, nem eu mesma me entendo, pois tem dias que estou boa e dias que estou péssima, me cobro muito. Depois desse texto devo ter adquirido isso com a fibromialgia.
    Enfim… é um constante grito de socorro dentro de nós, cansativo, eu por exemplo não quero passar uma imagem que tenho problemas, mas tenho e muitos, as pessoas mais próximas me consideram uma menina lutadora, eu porém não tenho muita autoestima, não acho que sou isso tudo, eu só quero viver e viver bem, eu sei o que é a dor, desde criança, sei o que é perder amigos, não poder fazer atividades que gosta, já passei por uma fase tensa em que só me isolei de tudo e com muito esforço eu fui mostrando meu rosto para o mundo novamente.
    Eu também tenho o que o texto falou, as coisas a minha volta não posso controlar, e não saem como eu quero, então eu me culpo e acho que foi incapacidade minha e nem foi, todos tem alguma dificuldade. Como disse mudar a mentalidade é difícil. As vezes dá vontade de só seguir, sem tratar e ver no que vai dar, mas isso te leva para um quarto, deitado numa cama, cheio de dor e com muito desanimo e tristeza, com certeza não é o que queremos, então você procura forças de onde não tem e levanta para mais um dia de vida.
    Eu procuro esta vida tranquila, ainda não a encontrei em plenitude, mas sei que aos poucos vou conseguir achar o meu ponto de equilíbrio, saber o que posso e o que não posso e me respeitar, está tudo bem e é só mais um dia difícil.
    Tem dias que você só quer que te aceitem assim, que te falem que você foi grosseiro, mas está tudo bem, sei que tentou dar o seu melhor. É difícil colocar tudo pra fora, entenda, a pessoa está cheia de dor e uma confusão está na mente dela, só abrace, respeite, ame, não é frescura e com certeza esta pessoa está lutando muito para ser apenas uma pessoa normal. Neste momento só deixa o tempo passar, ela não quer ser tratada diferente nem que tenha pena dela, já já ela estará boa de novo.

    Escrevo aqui, como um cantinho de desabafo… rsrs
    Gostaria de não ser identificada.
    Um abraço a todos vocês.

    1. Obrigada, por seu testemunho de vida, ele foi muito importante pra mim. Parecia que eu estava lendo a minha própria história. Quanta maturidade!!! O texto do blog também foi maravilhoso!!! Deus nos abençoe!!!

    2. Gostaria de ser solidária a seu problema dizendo que também passo por esse problema dias atrás estava com tanta dor e fiz a grande besteira de compartilhar no Facebook é uma das chamadas “amigas” disse você não sabe o que é ter problemas fiquei ainda mais depressiva e com mais dor ainda. Só Deus pra nós entender.

    3. Oi boa tarde sei como é du todos os dias du sinto dor ja fasso tratamento no hospital hc de Ribeirão Preto as vezes eu fico assim mais temos q luta não e fácil mais só deus pra nós da força sei q e perder as vezes a voltade de viver por causas das dor tenho 33 anos tenho esse pooblema ja faz deis do meud 24 anos sei q N e fácil as dores a minha e por baixo da vagina não sei q é ja fis alguns exmes p médicos fala q e dor crônica pélvica a maioria das vezes du não consigo nem anda direito nem fazer minhas coisas em casa ou trabalha estudar tbm tive q para por isso muito dor os médicos me passou esse medicamento pra mim toma mais tenho medo de afesta outros coisa no meu corpo ou cabeça mais não desista de viver tudo tem seu tempo não desanima por deus vai cura vc estamos só de passeio nem mundo q só de dor sofrimentos mais pra vc melhora um pouco deixa as pessoas q te ama parto de vc conversa mais saiu uma pouco de casa sei q N e fácil mais muita uma pouco a rotina de vida não te conheço mais melhoras pra vc fica com deus procura uma igreja não sei sua religião mais tem fé em deus Tudo da certo tbm estou numa luta mais não passo para sou evangélica da igreja do sétimo dia me desculpa só tô comentado a você Grande abraço fica com deus 🙏👍

    4. tenho a mesma historia que voce, desde a infancia sofro desse mal, mas hoje com 26 anos, consegui resolver o meu problema, hoje consigo raciocinar, ter mais prazer com as coisas simples, dormir bem, a 3 dias comecei tomar o amitripilina, e por acaso, uma amiga me deu e as dores sumiram, procura saber mais sobre esse remedio, se tem algum componente que te faça mal, e experimenta, deu certo pra mim, e lendo sua historia, entendo bem o que passa.

    5. Sei bem o q vc sente, minha filha foi diagnosticada aos 11 anos hoje ela tem 16 mas tem dias que eu preciso ser muito forte para passar um pouco de segurança pra ela, morro por dentro e parte meu coração quando vejo minha filha sofrendo com tanta dor e a gente não poder fazer nada,ela melhorou um pouco com pilates, faz acompanhamento com psiquiatra,psicologa e reumatologista.
      Seu texto foi perfeito, tudo isso que vc falou é tudo que minha filha sente também, mas ainda ha pessoas q criticam achando q é frescura,cada um pessa a deus para não ter essa maldita doença.

  6. As vezes essa doença me empurra pra morte já pensei várias vezes é tanto a mudança de humor em nosso corpo um dia dói muito outro você fica pensando acho que não te tenho nada muito difícil

  7. Eu sofro com essa doença também às vezes eu fico imaginando como a minha vida seria diferente se eu não sofrer com ela trabalhava hoje não posso mais sem falar que as vezes alguns familiares acha que é frescura

  8. Olá sou ediene faço tratamento de túnel do tempo e tendneopatia a 4 anos e a pouco descobrir que tenho fibromialgia . está sendo muito difícil pois hoje estou encontrando uma explicação para tantos mal humor.ja não sei mas o que faço com tantas dores.

  9. Pessoal, tenho fibromialgia desde a infancia, hoje com 26 anos, comecei a tomar o antidepressivo amitripilina, e nao sinto mais as dores, sei bem o que voces passam, poder descobrir o que é uma noite de sono de verdade, nao tem preço, se informem, vejam se da certo com vocês, ate o meu humor melhorou, comsigo desenvolver minhas atividades normalmente sem o medo das dores incessantes, tudo isso depois do acloridrato de amitripilina.

  10. Olá..tenho fibromialgia a 15 anos, com muitas dores… mudança de humor e tudo mais… tomo medicação e faço academia, mais não consigo ir direto.. pois tenho dificuldade para levantar cedo, pelo fato de acordar várias vezes a noite. Trabalho fora, sou casada e tenho um casal de filhos.. mais so nos que temos sabemos o qual cruel eh essa doença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *