As diferenças entre ataque de ansiedade e ataque de pânico.

Entenda a diferença entre ataque de ansiedade e ataque de pânico. O conhecimento pode moldar o curso de sua saúde mental. Veja no Blog do FalaFreud.

ansiedade e pânico

Saber a diferença entre um ataque de ansiedade e ataque de pânico, é mais do que uma questão de semântica. O conhecimento pode moldar o curso de sua saúde mental.

Se você não sabe qual está tendo, será difícil encontrar o tratamento adequado ou desenvolver habilidades úteis para enfrentá-lo. E pode perder tempo abordando problemas errados.

Então vamos começar a diferenciá-los.

1- Ataque de ansiedade

Ataque de ansiedade” é, na verdade, um termo coloquial criado  para descrever períodos intensos ou prolongados de ansiedade.

Um ataque de ansiedade é mais intenso do que um mero sentimento de ansiedade, pode durar entre minutos e horas, mesmo dias e semanas.

Mas não é tão intenso quanto um ataque de pânico.

2- Sintomas do Ataque de Ansiedade

Geralmente, carrega um ou mais dos seguintes sintomas:

  • Inquietude
  • Sentindo-se no limite
  • Sendo facilmente cansado
  • Dificuldade em concentrar
  • Irritabilidade
  • Tensão muscular
  • Dificuldade em controlar preocupações
  • Problemas de sono (dificuldade em iniciar o sono, de se manter dormindo, ou sono inquieto e insatisfatório)

O terapeuta Ginger Poag definiu um ataque de ansiedade como “um periodo de apreensão sobre possíveis eventos futuros”. Às vezes, um ataque de ansiedade é o prelúdio de um ataque de pânico.

Ao contrário dos ataques de pânico, os ataques de ansiedade não são necessariamente sinais de transtorno de ansiedade.

A ansiedade é uma resposta natural a certos estímulos ou situações, e os ataques de ansiedade são apenas formas mais intensas dessa emoção.

3- Ataque de pânico

Os ataques de pânico são fáceis de definir porque existe um consenso clínico sobre a definição.

“Um ataque de pânico é um episódio súbito de medo intenso que desencadeia reações físicas severas quando não há perigo real ou causa aparente”.

4- Sintomas do Ataque de pânico

Assim como o ataque de ansiedade, geralmente têm pelo menos alguns dos seguintes sintomas:

  • Sensação de ameaça ou perigo iminente
  • Medo de perda de controle ou morte
  • Freqüência cardíaca rápida e pulsante
  • Sudorese
  • Tremendeira
  • Falta de respiração ou aperto na garganta
  • Arrepios
  • Ondas de calor
  • Náusea
  • Cólica abdominal ou diarréia
  • Dor no peito
  • Dor de cabeça
  • Tonturas ou fraqueza
  • Sensação de entorpecimento ou formigamento
  • Sensação de irrealidade ou alienação

Estes sintomas geralmente duram 10-15 minutos. Às vezes, a pessoa que está passando pelo ataque, pensa que está tendo um ataque cardíaco.

Com ataques de pânico, as pessoas geralmente sentem uma sensação de ameaça imediata. Isso faz com que eles sintam desespero e peçam ajuda, tentando escapar da dificuldade em que estão.

Às vezes, as pessoas só têm um ou dois ataques de pânico em suas vidas. Eles geralmente ocorrem sob grandes quantidades de estresse ou pressão.

A ocorrência repetida de ataques de pânico geralmente é um sintoma de transtorno de pânico. Se você tiver esse problema, considere trabalhar com um profissional de saúde mental.

Certos eventos traumáticos podem, eventualmente, fazer com que alguém desenvolva transtorno de pânico.

5- Ataque de ansiedade x Ataque de pânico

Fizemos um quadro resumo para que você possa comparar as principais diferenças entre os ataques.

diferença entre ataque de ansiedade e ataque de pânico

 

Por que precisamos nos certificar de que as pessoas compreendam a diferença?

As pessoas que lidam com ataques de ansiedade ou ataques de pânico muitas vezes cometem erros ao dizer que ambos são a mesma coisa.

Alguns sofrem de ataques de pânico, mas usam o termo “ataque de ansiedade” para descrever seus sintomas e vice-versa.

Esta confusão é a razão pela qual potenciais clientes de terapia e outros sofredores de ansiedade, precisam se educar ou trabalhar com um especialista em ansiedade.

Se você não entender os termos e suas diferenças, você pode acabar tratando um transtorno de pânico que você realmente não possui.

No pior dos casos, você pode tornar-se dependente de uma medicação que não precisa. É por isso que é vital procurar informações sobre sua condição específica e trabalhar com alguém que conheça os desafios que a condição apresenta.

 

Equipe FalaFreud

FalaFreud é o melhor caminho para a terapia de forma fácil, acessível e conveniente para aqueles que procuram uma vida melhor. Você pode se conectar com um terapeuta do conforto e privacidade da sua casa usando o seu smartphone, baixe o nosso aplicativo em http://www.falafreud.com/ e converse hoje mesmo com um terapeuta.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Diagnósticos ? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você !

70 pensamentos em “As diferenças entre ataque de ansiedade e ataque de pânico.”

    1. Gente…estou lendo o depoimento de todos aqui…eu também sei que sofro desse mau…vez por outra …. dependendo da situação no dia a dia..os sintomas descritos…surgem subitamente…e vai se agravando..até eu parar e dar uma relaxada..ou as vezes tomar um medicamento tarja preta prescrito por profissional…claro…porém..e isso muito me estranha…de nos prendemos apenas em comentar sobre os sintomas…tratamos apenas os sintomas…mais não vejo preocupação quanto a debatermos acerca da causa…o que causa esses sintomas..que reação bioquímica ou hormonal em nosso organismo causam esses males…a fim de tratarmos a causa e não somente os sintomas…

  1. Tive um ataque de pânico uma vez dentro da igreja. Não tive aceleração cardíaca, tremedeira, nem sudorese.
    Tive grande agitação mental, com vários pensamentos rondando minha mente. Tenho Transtorno de ansiedade generalizada e tomo Assert.
    Nesse dia o ataque foi desencadeado por uma bobagem, mas que para mim, no momento foi um grande problema, uma tragédia. Não conseguia me concentrar no culto e tinha medo de surtar dentro da igreja.
    Conversei com uma mulher e ela me acalmou um pouco. Foi o pior crise de pânico da minha vida.
    Já tive outros antes, mas nada comparado a esse. E em todos envolviam medo de perder controle, falar coisas que não gostaria em multidões, enfim, agir como louça.

      1. Crise de ansiedade e não de pânico. A de pânico não é possível de ser disfarçada. Sobre a causa, eu diria que você tem mediunidade aflorada e isso não é ruim.

    1. Nossa Luiza meus sintomas tbm são esses, acho até estranho pois a maioria tem os sintomas classicos, estou começando a melhorar agora mais foram dias de agonia horriveis.
      Melhoras!

  2. Olá, sou Isabelle e tenho 17 anos de idade. Bom, sempre fui uma pessoa muito ansiosa, até em mínimas coisas e muito perfeccionista. Sempre presenciei brigas dos meus pais, que hoje, são separados, e, no fim de 2016, eu estava indo dormir e ao deitar, senti meu coração acelerar, sem motivo algum, fui ao hospital e os exames cardiológicos deram todos normais. Fui então ao Cardiologista para me aprofundar um pouco mais, ele disse que possuo um sopro cardíaco, mas que poderia conviver com isso normalmente, e foi bem claro quando disse que disso eu não morreria. Com o passar do tempo, trabalhos de cursos e apresentações eu sempre me sentia ansiosa e não conseguia dormir um dia antes. Nos dias atuais, fui diagnosticada com Gastrite Crônica e desde então, faço uso de medicamentos pro estômago e não sinto mais nada. O problema é que durante todos os dias, todos os dias, eu sinto um sintoma diferente, seja dor de cabeça; pontadas na barriga; queimação ou aperto no peito; fadiga; fisgadas na cabeça; braços quentes… Já fiz vários tipos de exames e todos normais. A Psicóloga que me acompanha diz que posso estar com começo de Síndrome do Pânico. Tem noites que não consigo dormir direito, uma insônia horrível! Tenho medo de um desses sintomas serem doenças mais graves. Tenho tido falta de concentração e muito medo de que algo de ruim possa me acontecer. Gostaria que alguém me ajudasse!!! Por favor. Agradeço!

    1. Oi Isabela,
      vc nao está sozinha nessa.. tenho um quadro muito parecido com o seu, só que com um agravante; tenho o espectro bipolar e tomo medicaçoes para ficar estabilizada, mas elas nunca são suficientes. Já tenho a sindrome do intestino irritável pra piorar, mas creio que ela veio pela ansiedade sofrida por toda uma vida..
      Vá ao médico, evite sintomas mais graves, vc é muito menina ainda..

    2. Olá boa noite Isabelle !!! Li sua história, onde entendo perfeitamente esses momentos. Na verdade é uma luta diária. Há anos faço tratamento com psiquiatra, mas é algo que vai além de antidepressivos. Depois de muito tempo, essa madrugada tive um crise de pânico, depois de dias de tristeza, desânimo e angustiada. Mas temos que ser mais forte contra essa doença. Tenho há um pouco mais de um ano, buscado religiosidade, enfim à Deus. Te desejo sabedoria e tudo se transforme para melhor sua vida. Fique com Deus.
      Patrícia 😘

    3. Boa noite se ajudar procure ler uma página do Facebook chamado o segredo. É muito bom e pode te ajudar . O importante é vc tentar sempre está no controle e não deixar a crise vir.

    4. Boa noite Isa, estes sintomas são perturbadores, venho sentindo isso a quase 1 ano, desde que tive uma dor no peito devido ao estresse , estava na pista de moto é achei que era infarto, corri ao hospital e nada, tem épocas que tenho várias crises , tem dias que passo bem, procure se alimentar melhor,e fazer algum exercício ajuda um pouco, boa sorte te desejo a cura para essa doença que nos tira um paz.

    5. Ola Isabella,sintos os seus mesmo sintomas e mais alguns,faz dois anos q tenho síndrome do pânico,vou ir atrás de um psicólogo rapidamente, sinto q estou piorando,já fui várias vzs ao hospital por conta de fisgadas na cabeça,tonturas,desmaios e até batimentos cardíacos acelerados,e as vzs até choro do nada e todos os exames q fiz dão normal,com isso diagnosticaram q dou ataques de pânico,pse sugiro que va ah um médico,pq com um tempo só piora se nn se cuidar,digo isso pq tô passando um bucado aki,boa sorte e saúde. ..bjs

      1. Oi alguém já sentiu uma onda como se fosse uma descarga elétrica pelo corpo que sobe algo frio e o corpo esquenta .é muito assustador gente tive isso umas 10 vezes no decorre dessa crise. Fazia 3 mêses q não sentia agora senti ontem foi como se fosse morre .Estou com medo de sentir isso novamente. Estou fazendo uso de fluoxetina a 10 dias. 95984043518. Esse é meu wths.

      2. Oi..Qual tua idade ?? Eu também sofro desse mal,essa noite passei mal.hj fui ao clínico e ele disse q é sim ataque de pânico e ansiedade..parece um ataque cardíaco ne??É horrível
        So quem ja teve p saber o pavor
        Me da angústia no peito..tipo um estado de choque, tremor, falta de ar. Parece q ja vou morrer

    6. São sintomas horríveis.
      Eu também tenho, e são desencadeados sem motivo aparente, mas para ajudar , lembre-se sempre que sao apenas sensações ( ou seja elas passam) e que pensamentos não são fatos.
      Procure ajuda profissional, pois tem cura e tratamento, no começo é dificil, mas com fé em Deus e um pouco de paciência os sintomas vão sumindo gradativamente.

    7. Isabelle você já está tendo ajuda profissional tenta você também acreditar nessa superação pois depende muito de nós mesmo ter essa firmeza sei que não é fácil pois passo por isso, mas um dia de cada vez já é uma vitória.

  3. Desculpa mais dizer que um ataque de pânico e ansiedade são separados ou não são a mesma coisa foi errado!!
    A raiz de um ataque de pânico é ansiedade.
    afinal pânico nada mais é um medo súbito causado por um extremo alerta.
    ou seja um pico de ansiedade altissimo.

    1. Perfeito!!! Eu tive Síndrome do Pânico e os profissionais com quem faço tratamento me disseram a mesma coisa. Que todos esses transtornos na verdade decorrem do excesso de ansiedade. Também pesquisei bastante sobre o assunto, vi vários relatos de pessoas que tiveram e todas afirmam que o ataque de pânico acontece em pessoas muito ansiosas, num momento em que o estresse ultrapassa todos os limites. Digo que uma coisa leva a outra porque eu sou prova disso. Sempre fui muito ansiosa e por isso cheguei a esse transtorno. As crises de pânico eu já sei controlar mas a ansiedade tá sempre aqui rsrs O que faço é viver de forma cada vez mais leve para não ter mais ansiedade, e assim não desencadear novas crises, fora o tratamento médico e psicoterapêutico.

    2. Paulo, aqui não diz que são totalmente separados. Diz apenas (corretamente) que são diferentes. Ataques de ansiedade são bem sofríveis, mas o pânico é indiscutivelmente mais penoso e intensamente vivenciado por quem vivência (ainda mais quando se trata da síndrome). Uma coisa não está dissociada da outra, apenas não são iguais (mesmo pq, se fossem a mesma coisa não teriam nomes distintos, né).

      1. Eu concordo com você. Eu coloco até escala no ataque do pânico…pra minha família entender que tem momentos que está 10 na escala… até falar incomoda. Já ansiedade tenho em alguma parte do dia , quase todos os dias .

    3. Ufa ! Obrigado por essa abordagem pois tenho TAG e faço tratamento com zoloft e tenho vez por outra crises intensas de ansiedade que eu acho que é pânico vem de forma súbita mas dura cerca de uma hora os primeiros minutos é mais intenso depois vai passando depois sinto muita vontade de chorar porque eu não quero ter isso nunca mais depois fico com medo por dias em senti novamente até passa-se os dias e assim é !

  4. Olá a 6 meses fiz um tratamento com Piscologa e um piscquiatra os mesmo me informaram que tenho crises dw pânico a um tempo, mais somente afetou minha vida de uma maneira que eu nao saia de casa. Devido a uma arma quw foi apontasa para mim, mw disseram que isso foi o quw desencadeou
    Varias vezes fui ao hospital e eles de imediato acreditavam que eu estava tendo um ataque cardíaco. Devido a falta de ar, dormência no meu lado esquerdo. Com o tratamento de 6 meses eu estava tranquila. . A 2 dias que em ambientes com muitas pessoas estava sentindo falta de ar e dor no peito. E sem conseguir dormir.. ontem tive uma crise maia forte nao consigo dormir sozinha. Em rodas as janelas coloco madeiras trancando e nas portas cadeados. Devido ao medo de alguem me machucar e precisou me esconder. Assim de sinto segura. E normal depois de um tempo volta as crises mais fortes que no início?

  5. Muito esclarecedor..tenho ataques de ansiedade frequentes..uma vez acho que estrapolei….e nesse dia acho que fui além da ansiedade….estava preocupada com assuntos do trabalho..e na madrugada acordei com aceleração no coração, posso dizer que estava arritmico e parceria que ia sair pela boca..tremedeira, sudorese..sensação de morte…nossa é horrível…a sensação é que vc vai morrer de vdd…mas preciso tratar minhas crises de ansiedade pq estão consumindo os meus dias..muito ruim viver assim…

  6. Tive dois ataques de pânico quando tinha 11 anos, tive quase todos os sintomas descritos acima, a tremedeira era tão grande que eu não conseguia ficar de pé, quando cheguei no hospital tiveram que me colocar em uma cadeira de rodas. Foi agonizante porque aconteceu do nada, eu tinha acordado de madrugada e comecei a sentir um medo extremo, comecei a andar pelo casa e fiquei com receio de chamar alguém para me ajudar, a falta de ar foi me consumindo e meu irmão acordou e me socorreu. Na época meus pais passaram por uma separação e eu fui muito atingida, sempre guardei as coisas somente pra mim, era uma criança muito triste. Infelizmente na época a médica que me atendeu disse pra minha mãe que eu estava querendo chamar atenção por causa da separação. Não tive tratamento e os problemos psicológicos foram agravantes. Ansiedade, déficit de atenção e transtorno de personalidade boderline.
    Hoje tenho 19 anos e fiz terapia, tenho lidado com tudo de forma controlada, as alterações de humor sempre vem então faço o possível.
    Se você passa por isso saiba que você não se resume somente a um diagnóstico, você pode sim ter uma vida saudável.

  7. Tive muitos ataques de pânico por volta dos meus 19,20 anos…. Não podia ficar em lugares com aglomeração, nem totalmente sozinha. Foi um período muito difícil da minha vida, só quem passa por essa situação sabe oque é. Começava com uma forte dor e pressão na cabeça, seguida de muito enjoo, e logo vinha aquela sensação de morte e medo extremo. Fiz psicoterapia e tomei medicamentos, fui buscar ajuda espiritual na igreja tb. Foi então que comecei a dominar as crises agindo racionalmente (já que aquela sensação de pânico que sentimos é totalmente irracional). Cada vez que começavam os sintomas, antes de perder o controle eu conversava mental e internamente comigo mesma, dizia : calma, não há motivos pra medo, olhe ao redor, não há nada que possa te oferecer riscos, está tudo sob controle…. E ia me acalmando….. Foi assim que essas crises foram diminuindo, e acabaram por completo. A minha dica é ACALME-SE e tente AGIR COM A RAZÃO!

    1. É esse o segredo! Controlar a mente! Pq de fato o medo é totalmente irracional e se vc faz esse autodiálogo no momento da crise ao invés de se entregar a ela vc a domina e não é mais dominado por ela. É necessário um trabalho mental diário para vencer esse e demais problemas decorrentes da ansiedade.

      1. É assim que estou conseguindo vencer minha ansiedade… Com o controle da mente. Já faz alguns meses que não tenho nenhuma crise, mas tem hora em que ela quer voltar é quando uso essa tática. No começo não é fácil, pois você realmente acredita que está morrendo, mas no final das crises você vê que nada de fato aconteceu … E é assim que começamos a “aprender” a controla-lá.

        1. não sei se o que tenho é ataque de panico então, pra mim é totalmente incontrolável na verdade é ao contrario se eu tentar dizer pra mim mesmo que estou bem só piora tudo (acalma um pouco quando já estou sozinha) mas no meio de um ataque de panico???? com aquela dor insuportável?? eu sei que meu medo e desespero é sem sentido mas a partir do momento que um ataque de panico começa de verdade não é só o estresse é tudo que está preso vindo de uma vez a tristeza, raiva e desespero que você não se deixou sentir vindo tudo de uma vez não é só estar ansiosa por um problema e pensar “calma olha tem uma solução” porque quando a dor começa você não quer saber se tem solução ou não ou seja lá o que tem ao seu redor ou pensar algo alem de palavras desconexas você só quer gritar, chorar, e respirar (coisa que parece impossível em um ataque de panico) e quando isso piora é só o desespero e é claro o pior a dor enlouquecedora (literalmente pra mim eu sinto que vou enlouquecer de tanta dor) em que “me mate, me mate” é tudo que você vai pensar se isso é algo controlável pra vocês então eu devo ser muito fraca pra não conseguir nem mesmo gritar

        2. Faz tempo que venho sentindo todos esses sintomas que estão sendo mencionado aqui. Nunca procurei um profissional da área pois não tenho tempo nem recursos. Sempre que passo mal corro para a UPA e após a medicação volto para casa. Ontem foi horrível, pensei que fosse morrer, parei no meio da sala puxei a respiração bem forte contei até 10 e soltei pela boca. Fui me controlando. O pior é que estava sozinha. Me explique melhor como fazer para ter uma melhor recuperação. Através de mim mesma

    2. Concordo com você Sheila, depois de quase 20 anos de crises, que começavam com um episódio de ansiedade e sempre vinha o pânico, depois de vários tratamentos com remédios, terapia, acupuntura, massagens e o que mais me dissessem que era bom pra acabar com este inferno, cheguei a conclusão que o que mais me ajuda, é tentar manter a calma em meio ao caos , é ir falando para eu mesma que está tudo bem e que não morrerei por isto ou aquilo,assim como muito custo vou me acalmando e a crise vai diminuindo.Outra coisa que tem me ajudado muito é tentar resolver a causa que disparou o gatilho. Por exemplo,certa vez estava com dor de dente e fui ao dentista, lá senti muita dor devido ao péssimo profissional, até aí eu não tinha pânico de dentista, mas o trauma me desencadeou pavor, sabia que tinha que voltar ao dentista para terminar o tratamento, mas protelei o quanto deu,até certa época que não tinha como correr, aí logo vieram as crises,toda vez que meu dente latejava me dava náuseas ou tontura,até que um dia tomei coragem e fui,contei ao profissional meu medo,ela entendeu,me deu crise na cadeira dela quando estava prestes a dar a anestesia, esperamos passar e seguimos com o procedimento que foi tudo ok sem dores.Assim que terminou passou a crise de ansiedade e dor do dente também rss,então este é o conselho que dou,se der para resolver o gatilho faça isto,não é fácil, cada vez é uma luta diferente, ainda não achei nada que me livre disto de vez.Mas agindo desta forma tenho sofrido um pouco menos.

  8. Tenho ansiedade generalizada, mas tbm tenho alguns dos sintomas do pânico.
    Em 2013 mais ou menos tive uma crise que pareceu ser enxaqueca : aura encefálica seguida de forte dor no olho, formigamento de braços e adormecimento de braços e garganta. Desde aquele dia comecei a ter crises em horas irrelevantes. Começava com um medo nem tão forte, enjoo, e minhas mãos perdiam o controle dos Movimentos, fechavam e formigavam muito, meu rosto todo tinha espasmos e parecia que minha garganta ia fechar.
    A última vez que eu tive, foi a mais forte e durou mais de uma hora até passar totalmente. Hoje em dia está tudo bem mais controlado. Utilizo medicação fitoterapica e me sinto super bem.
    Ainda tenho crises, mas em situações em que não me sinto bem: como uma ânsia de vômito e algum sintoma que me apavoram. Pode uma pessoa com ansiedade generalizada ter sintomas de pânico mesmo não tendo pânico diagnosticado?

    1. Desirée, qual o nome do fitoterápico que vc utiliza?
      Também tenho crises que duram mais de uma hora…e ficam vários dias…
      Tá insuportável!
      Estou tomando remédio tarja preta, mas queria me livrar deles..

  9. Me chamo Veridiana e tenho 16 anos. Foi numa madrugada de segunda feira, estava assistindo a videos no youtube quando tudo começou. Comecei a sentir uma queimação no peito, meu coração começou a acelerar e eu comecei a tremer impulsivamente, depois tontura dava lugar a queimação. Nunca soube muito bem o que era, sempre ficava mais forte quando vinha um pensamento de eu não conseguie me controlar, por isso eu sempre chorava na madrugada com medo do que realmente poderia ser. Durante a semana, eu sentia leves tonturas que não passavam e meu coração sempre acelerava, depois dava dores de cabeça e uma leve ânsia de vômito. Durante uma semana fiquei assim, tendo ataques toda a madrugada e chorando toda a vez que isso acontecia. Depois de uma semana livre desses sintomas, eles voltaram novamente em um domingo de madrugada e na escola eu não conseguia praticar algum exercício físico porque me causava tonturas, fraquezas de me manter em pé e coração acelerado. Durante as aulas tinha que bater meu pé no chão freneticamente para que eu me acalmasse um pouco. Foi quando teve dias que eu fiquei com muita falta de ar que cheguei a tomar inalação. Minha mãe me levou ao médico e a única problema que eles acharam foi gravidez, desde então a internet tem sido meu médico. Não tenho certeza se isso é transtorno de ansiedade ou ataque de pânico, ou se esses sintomas se referem á essas condições. Estou realmente assustada, porque isso nunca aconteceu comigo e medo é o que eu ando sentindo muito no momento. Se souberem alguma resposta se isso realmente é alguma condição, por favor me avisem para eu realmente procurar um médico especializado com certeza do que eu realmente tenho.

    1. Oi Veridiana. Procure sim ajuda com profissionais especializados como psicólogos e psiquiatras. Mas opte pelo tratamento mais natural possível. Tente controlar a sua mente nesses momentos, dizendo para si mesma que isso não pode te matar, que não é nada e logo vai passar. Acredite, passa mesmo. Mas procure sim ajuda médica, psicológica e tb espiritual. A fé é excelente alívio, pelo menos para mim.

    2. Oi veridiana
      Vá sim ao psiquiatra. Eu tive sintomas muito parecidos durante anos e ninguem nunca soube o que era. Fui diagnosticada recentemente com sindrome do panico estou tomando medicacao que o psiquiatra receitou e estou mtoooo melhor
      Não tenha medo ou vergonha de procurar ajuda (como eu tive), hj sei que eh apenas uma doença como qualquer outra e que tem tratamento! :*

  10. Tenho quase todos os sintomas do pânico… mas não são rápidos.. . Em mim demora muito a passar ( entre 1 e 3 horas) vai diminuindo com o passar do tempo. Ansiedade tenho o tempo todo, qualquer coisa me tira o sono, pensamentos recorrentes, chegando a desmaios e contração muscular que não permitem mexer as mãos. Melhorou, mas ainda tenho muuuitos sintomas. Minha pressão sempre sobe tbm.

  11. Sofro de Transtorno Bipolar e tenho “Ataques de Pânico”, até que com uma certa frequência, mesmo com tratamento. Mas sempre chamei de “Crise de Ansiedade”, achava que pânico era outra coisa. Algo que tivesse realmente ligado ao medo de algo específico, fobias. Para os profissionais que me atendem ou já me atenderam, sempre usei o termo “crise de ansiedade” também. Eu estava errada este tempo todo? Numa clínica onde já estive internada, os profissionais sempre chamaram assim também. Assisti até uma palestra sobre, na época. Talvez seja regional… enfim. Muito bom saber.

  12. Ando muito ansiosa nos últimos meses, mas nada que me prejudicasse nas minhas atividades do dia-a-dia. Porém hoje eu tive uma crise. Senti um medo súbito e uma vontade de sair correndo da faculdade. Minhas mãos suavam, eu sentia meu coração pular bem forte no peito. Muito calor e mãos pegajosas. Não conseguia me concentrar em nenhuma ação que tentava fazer. Não estava conseguindo raciocionar direito. Tive que ir pro hospital e fui medicada… agora fiquei com dúvida se tive uma crise de ansiedade, ou uma crise de pânico.. alguém poderia me esclarecer? Foi intenso mas durou mais de 2 horas.. a ponto de eu precisar ser medicada num pronto socorro para me acalmar. Então fiquei na duvida.. gostaria de saber para auxiliar na minha busca por tratamento médico. Obrigada a quem puder me responder!

  13. É bom ver estes relatos. Tenho familiar que passa por crises de pânico e não aceita a situação. As terapias medicamentosas e psicológicas, nas linhas que a pessoa se sentir melhor, são as melhores ajudas… muitas vezes a terapia com psico ajuda tanto ou mais a estabilidade… bjs !

  14. Convivo com a TAG há um ano, começou quando meu progenitor voltou porque ele fez muito mal a mim, e pensei que poderíamos recomeçar com o nascimento da minha filha, mas não o passado vinha a tona e o comportamento dele não ajudava. Como sempre fui uma pessoa agitada, e comecei a ficar em casa cuidando da bebê e logo o progenitor veio, comecei a ter enxaqueca com aura, os braços adormeciam, o rosto, tinha medo de falar com as pessoas, tinha uma tontura que não passava, sudorese, tremedeira, arritmia, medo constante, pressão oscilava… Era tudo misturado.
    Fiz vários exames e todos positivos. Até que procurei uma psiquiatra e faço tratamento há 1 ano e frequento a terapia. Voltei a trabalhar, sair. E me afastei do progenitor, mas a terapia é essencial nossa…
    E estou frequentando a igreja porque o espiritual deve ser tratado por DEUS também… Desejo a todos que fiquem bem e tentem controlar a mente, procurar ajuda médica… Abraço…

    1. Também sofro de enxaqueca com aura, a qual teve início em tenra idade, ou seja: ainda bem criança, mas que por anos não mais tive, passando a ter novas crises em ano passado, além das crises de pânico.

  15. Oi. Eu sempre fui uma pessoa ansiosa, mais ficou pior depois do meu parto, por que tive pré eclampicia então tinha muito medo de morrer , sentia o coração acelerar e dormência nas mãos, pés e no rosto daí ficava com mais medo ainda por que achava que ia ter um derrame a qualquer momento . Só melhorei mais depois que descobrir que se tratava de uma crise de ansiedade. Meu medo de algo ruim acontecer era tão forte que no ápice da crise meu corpo todo adormecida e eu ficava esdurecendo . Gente essa sensação é tão ruim eu não desejo pra ninguém.

  16. Li o conteúdo todo e alguns dos comentários postados. Alguém já me dissera o mesmo que Sheila aí disse, para nestes eventos eu tentar me acalmar, agindo pela razão, já que as crises de pânico são irracionais. Sim, bem tenho a ciência disso, todavia, não consigo ter autocontrole das terríveis sensações nestas ocasiões, e não é por falta de tentar, pois faço imenso esforço para isso. A crise só passa quando realmente tem de passar, naturalmente. Iniciei tratamento com psicólogo e psiquiatra uma vez (há anos), conquanto parei, deixei de tomar os psicotrópicos, porque eu temia aos seus próprios efeitos, conquanto, as crises eram esporádicas, enquanto desde semestre passado na faculdade, passei a ser acometida por elas, meio que constantemente, por vezes chegando à faltar nas aulas por medo de sofrer outras crises, e neste semestre tive uma, inobstante, em casa também, por duas vezes, contudo, a grande maioria das que tive nestes últimos tempos, foram em locais públicos, razão pela qual questiono se não acabei desenvolvendo uma fobia social, e por isso então as crises. Constatei também que as crises ao longo dos tempos, vão tornando-se mais intensas e com sensações distintas das anteriores. Por exemplo: há 1 ano eu não tinha vertigens e em seguida as crises, apenas era subitamente acometida pela crise, enquanto em semestre passado, primeiramente tive extremas vertigens capazes de derrubarem-me, para somente então, logo em seguida, ter a crise, a qual eu já tinha devido ao grande desespero causado pela vertigem, por pavor de apagar perante as pessoas ao meu redor. Tremia totalmente, dos pés à cabeça, mãos suando de pingarem, palpitações cardíacas extremamente aceleradas, muita falta de ar e uma espécie de coceira pelo corpo todo. Já neste ano de 2018, tive somente uma crise, entretanto, saí a pé pelas ruas em um dia desses, sozinha, e acabei entrando em pânico, com um imenso pavor de minhas pernas amolecerem, perdendo eu a força para prosseguir à caminhar, com outros tipos de pavores, simultaneamente, como o de ser atropelada, mesmo caminhando pelas calçadas, medo de um carro tombar em cima de mim. Pavores absurdos, mas que na ocasião, não consegui controlá-los. Ao chegar no local, me fora um grande alívio. Agora estou com muito medo de novamente sair sozinha, dirigir eu nem tenho dirigido mesmo, devido à habilitação atrasada, sendo somente o meu esposo a levar-me a todo lugar que preciso ir, assim como a buscar-me. Não irei detalhar as sensações todas que nas crises tenho, mas são tão terríveis, que chego a sentir que estou toda cortada ou com um de meus braços quebrado. Em semestre passado na faculdade, acometida pelas crises, por vezes tive que sair correndo da sala de aula, sendo socorrida na recepção, na qual também mediram minha pressão. Detalhe: choro muito, pois entro em desespero total, e ao passar a crise, sinto-me péssima, com imensa raiva de mim mesma, sentindo-me fraca por não ter conseguido manter o autocontrole, fico constrangida demais devido ao fato de algumas pessoas terem me visto naquela situação. Fico envergonhada! Outro detalhe: já ocorrera de após alguns desses eventos, eu não conseguir lembrar como tais pessoas me auxiliaram, de onde elas surgiram, não lembro de tê-las visto chegando. Outro detalhe por fim: ano passado sofri ataques de pânico em um local público no qual sempre era obrigada a ir, sendo iniciados por parestesia nos lábios, e eu com imenso medo de que fosse um sintoma de um AVC, a crise de pânico fora automática. E ahh… a última que tive em semestre passado, teve duração muito maior que apenas o máximo de 15 minutos, fora no mínimo por uma meia hora, iniciada pela vertigem muito forte, não sei se posso dizer “desencadeada”. Por todos os relatos tangentes à crises de pânico, constato que as que tenho, são muito piores que às de qualquer pessoa, das quais até hoje, tomei conhecimento. Não sei se sofro de transtorno de ansiedade generalizada que acarreta em pânico, só sei que algumas das crises que tive, foram em ocasiões que fui obrigada a aguardar por algo, como o término de uma audiência muito demorada e, a chegada de um professor à sala de aula.

  17. aos 11 anos, tava na casa da minha tia e ouvi ela falar mal da minha mãe e fiquei tão irritada que comecei a chorar foi algo bobo e até eu sabia disso mas assim que comecei não consegui parar mais foi como se tivessem apertado um botão e de repente toda a minha frustração, dor, tristeza, odio, raiva que eu tentava esconder ou que simplesmente tinha “deixado pra lá” tivesse saindo de uma vez e isso foi doloroso (fisicamente) meu peito e minha cabeça doeram tanto que eu não conseguia fazer nada alem de chorar e gritar de dor a ponto de eu não conseguir respirar direito naquele dia isso durou 2 horas e minhas tias ficaram assustadas e me colocaram de baixo do chuveiro pra me acalmar com roupa e tudo porque não conseguia me mover direito pela dor foi a primeira vez que me lembro disso ter acontecido
    durante muito tempo inclusive naquela época eu sofri bulling na escola coisas bobas como “se você for amiga dela então a gente não vai mais falar com você”, esconderem minhas coisas, colocar o pé para eu cair, apelidos etc eu sabia que era porque uma das “popularsinhas” não gostava de mim e o resto só não queria sofrer o mesmo (tive a confirmação recentemente quando reencontrei com uma ex “colega” dessa escola e ela explicou tudo e pediu desculpas), no começo eu revidava e até ia pra briga física mas na diretoria todos os alunos “testemunhavam” a favor delas e diziam que eu que começava, que elas só se defendiam e que EU que não gostava delas e inventava mentiras e como era UMA SALA INTEIRA dizendo uma coisa e UMA ALUNA dizendo outra e elas eram “as mais gentis e inteligentes que NUNCA seriam capazes de fazer algo assim”(palavras da professora da época) eu geralmente pegava uma suspensão e elas um advertência no máximo (e só depois de isso acontecer varias vezes e uma pedagoga acabar vendo o que tava acontecendo e ficando do meu lado as vezes) depois de eles ameaçarem me expulsar do colégio (e eu TINHA que ficar lá ou iria para uma escola publica o que aconteceu mais tarde) eu NÃO PODIA mais revidar e ou eu chorava,”fazia drama” e deixava elas rirem da minha cara a vontade ou eu fingia que não me importava (o que eu fiz e com o tempo elas foram enjoando a ponto de só jogarem alguma bola de papel em mim de vez em quando ou falar bobagens) e eu achei que tava melhorando principalmente porque depois de treinar por anos eu achava que já tava imune aquelas idiotices lembro bem disso no começo eu chorava todo dia por qualquer besteira mas depois eu consegui aguentar até sair da escola, depois até chegar em casa, depois até me trancar no quarto ou chegar no banheiro pra não preocupar minha mãe e com o tempo eu parei de chorar por isso a ponto de me sentir até anestesiada com mais alguns anos nem raiva sentia mais. acho que foi quando parei de sentir a raiva que eu comecei com os ataques de panico primeiro foi aquele com a minha tia que foi mais um choro descontrolado mas o segundo eu nem mesmo sei se foi realmente um “ataque de panico” essa garota que não gostava de mim participou de um desfile da escola e ela ia fazer uma coreografia em grupo de uma musica meio infantil e eu falei que ela ia pagar mico obviamente elas me ignoraram (sempre tive uma cabeça meio “adulta”, sempre me dei melhor com eles e gosto de coisas que é mais comum em alguém de 60 anos do que qualquer um abaixo de 15 e não sei se era por isso que elas não conseguiam ver o quanto aquilo era ridículo e infantil) e resumindo era um DESFILE não uma apresentação o resto do grupo não pode subir ao palco e como ela já tinha parado no meio dele colocado musica e tudo ela passou mico sozinha e todos riram dela (até as pessoas da nossa sala) ela até chorou um pouco depois enquanto isso eu tava tendo o melhor momento da minha vida (até hoje) eu não entendo direito o que aconteceu eu comecei a rir como todo mundo até que consegui parar mais e foi a maior felicidade e prazer que já senti ver ela daquele jeito eu pensei “então ela também pode sofrer com uma dor como a minha” e me senti tão tão bem e o sentimento foi tão intenso que eu chorei de felicidade e não consegui parar mais, meu peito e minha doiam e eu me contorcia de dor (ou por causa das risadas ou por falta de ar ou pelo puro prazer que me fazia literalmente gemer é difícil dizer), minha cabeça estava uma loucura mas eu lembro que meu maior pensamento era “se eu morresse agora estaria satisfeita” foi como se toda felicidade que eu nunca senti em toda a minha vida viesse de uma vez e isso era doloroso mas era uma dor boa eu não consigo diferenciar o que era prazer o que era dor mas era algo como “dolorosamente prazeroso” só consegui me acalmar quando todo o festival já tinha acabado (felizmente ninguém se importou comigo ali) meu corpo tava dolorido e eu não conseguia nem andar direito, estava tonta e com dor de cabeça mas estava plenamente filiz e satisfeita como se um peso enorme que eu nem sabia que existia tivesse sido tirado de mim ao mesmo tempo eu senti um vazio que até hoje eu não consigo me livrar nada NADA MESMO é tão bom eu já tentei de tudo TUDO O QUE EU PODIA nunca tentei nenhuma droga ilícita (tirando maconha, foi só uma vez) mas de resto tudo mesmo algumas coisas me dão um sentimento parecido (como escrever, falar ou pensar sobre isso aliais por isso que esse texto tá enorme kkk) mas não naquela intensidade não que eu tenha virado uma doida que sai por ai experimentando tudo de perigoso para achar algo parecido (na verdade ao contrario eu acho que isso foi o que me deu uma resistência tão forte a prazeres momentâneos como sexo mas não sei dizer já que não tive muitas coisas que eu gostava antes disso alem de musica não lembro de mais nada) por muito tempo essas dois foram dois incidentes isolados (até porque depois disso acabou o ano e eu mudei de escola e na outra apesar de eu ainda ser meio anti-social só tive ataques leves em que eu não conseguia parar de chorar por uma ou duas horas mais ou menos e um pouco de falta de ar mas nada muito serio) até acontecer eu perder meu primeiro melhor amigo eu me isolei em casa e não saia pra nada, não queria encontrar ninguém e até ai nada mas eu mudei de casa e tive que mudar de colégio e esse era um de tempo integral publico brigas toda hora as vezes ficávamos 9 horas que eram para ser de aula sem professor ou seja era um inferno pra alguém como eu até que entrei numa briga e fui mandada para secretaria até ai tudo bem até eles nos “interrogarem” sobre o que aconteceu e a amiga da garota falar umas mentiras a favor dela (nem foi tão mentira assim ela só distorceu um pouco e disse que eu do nada e comecei a acusar elas mas foi porque elas tavão mexendo na minha bouça e tentado roubar meu celular todo mundo viu) e eu comecei entrar em panico e chorar e por eles não entenderem o que tava acontecendo um homem falou algo como “você não vai conseguir nada chorando” e eu pensei algo como “eu sei” e fiquei repetindo pra mim mesmo que precisava parar e resumindo só piorou tudo foi a primeira vez que eu tive um ataque de panico depois do meu segundo e o primeiro não foi nem de perto tão doloroso quanto esse foi como se fosse na mesma intensidade do segundo mas sem o prazer só as coisas ruins ódio raiva, dor minha cabeça latejava e meu peito parecia que ia explodir eu não conseguia respirar e depois daquela fala tudo parecia ter duplicado a dor era tanta que nem gritar eu conseguia não importa o quanto tentasse, não conseguia respirar e isso só piorava tudo (depois descobri que aquilo era porque eu estava hiperventilando) e ia ficando cada vez pior a dor era tanta que eu queria implorar pra morrer (eu só conseguia pensar nisso “eu não aguento mais” “morra morra logo” aquilo era o máximo do desespero) quando me acalmei eu já tava em um carro indo pro hospital a medica falou que isso era provavelmente um ataque de panico e depois disso se tornou comum pra mim ter ataques de panico com o tempo eu também percebi em que situações isso ocorria (as vezes vinha do nada e eu não sabia bem a causa) eu tenho quando me obrigam a fazer algo que eu não posso recusar mais especificamente quando botam pressão e eu sei que não vou conseguir fazer (descobri isso na escola militar) quando fico na frente (em especifico na frente) de algum aluno(agora já consigo andar pela escola e conversar mas antes se não olhasse pro chão ou pra um destino fixo e não olhasse pra ninguém eu começava a hiperventilar) eu melhorei muito isso mas tenho algumas “manias” como sentar perto da parede (de preferencia no fundo e no canto), não fazer educação física (me sinto pressionada e é como se todos estivessem zombando de mim é ataque de panico na certa), não ficar muito perto de pessoas que eu odeio(que me lembrem as “popularsinhas”), não deixar alguém conhecido ficar atrás de mim como em uma fila e outros menos graves que se não fizer eu me sinto desconfortável e tenho que me concentrar muito pra ficar calma qualquer coisa como um barulho mais alto alguém, tocar em mim, ou tentar falar comigo acaba me tirando do meu estado anestesiado (estou quase sempre nele na escola mas preciso deixa-lo mais forte nessas situações “bloquear tudo”) tirando a primeira vez que foi muito mais fraca e suportável os ataques de panico só acontecem na escola por isso espero que parem quando terminar o ensino medio (no curso ou no trabalho eu não tenho então provavelmente não vou ter em faculdades já que faço curso numa) apenas caso eu sinta falta de ar (como quando corro ou quando está muito calor) e tem muita gente ao redor (como no ônibus) eu choro um pouco (mais pelo medo de ter um ataque de panico que qualquer outra coisa) mas se não conhecer ninguém eu consigo me acalmar depois já fui em um psicologo mas era muito pequena na época e ela só passava umas coisas para colorir cheguei a falar pra ela dos ataque de panico mas ela disse que era normal e que “vamos trabalhar isso” só fui porque a escola chamou o conselho tutelar por causa dos meus “gostos estranhos” (resumindo escola militar o ensino era o melhor mas a psicologa de lá tinha fixação por mim ….não era como se eu fosse a unica aluna do colégio inteiro querendo morrer mas meus “gostos” chamaram a atenção) e minha mãe foi obrigada a me levar assim que sai da escola (não tinha o ensino médio) ela parou de me levar (e mesmo que queira e saiba o porque de eu ter que falar disso com um especialista não to muito a fim de ir uma vez por semana colorir os mesmos desenhos ela tem uma lista de espera de 2 horas sábado a tarde e é o único horário que eu tenho livre) tava pensando em procurar um psiquiatra (já até pesquisei clinicas com o meu plano de saúde) mas sou de menor, teria que pedir para minha mãe( e ela acha que isso é trabalho da igreja não de medico então……) e não sei muito mas se for que nem a psicologa(que até 16 tem que ser um psicologo infantil) é melhor esperar até ano que vem ou não ir do que pegar um psiquiatra infantil (não que eu tenha algum problema em ser tratada como criança eu sei que não sou “a adulta” mas ficar uma hora olhando pra cara de alguém que tá mais interessada em passar caça palavras e textos de historinhas que te ouvir depois de toda sua luta de “você tem que fazer isso” “qual é o pior que pode acontecer?” “ela vai te ajudar com isso” “isso pode piorar com o tempo” “você prometeu que ia tentar” é meio estressante)

    ia apagar o comentário com sempre faço nessas situações maaaaaas ……foda-se(como eu amo essa palavra não a uso dês do incidente com o concelho tutelar, tenho que escolher bem pra quem eu revelo minhas “peculiaridades” e quais delas mostrar se quiser ser alguém na vida) nunca vou ver ninguém aqui pessoalmente e duvido que a maioria leia os comentários ou termine o meu então aqui estou

    1. Eu li todo querida, tbm sofri um pouco na escola e era a maior chorona, eu aprendi a me trancar dentro de mim mesma, nunca converso com ngm sobre o que sinto, até fazer terapia foi um fracasso, a psicóloga dizia que seria inútil eu estar ali se eu não me abrisse, que ela não poderia me ajudar se eu não quisesse ser ajudada. Mas essa foi uma barreira que criei, como uma capa de proteção, com isso acabei tendo crises de ansiedade, passava muito mal, eu procurei clínico, cardiologista, endocrinologista pra saber o que eu tinha e todos me disseram a mesma coisa, o psiquiatra me diagnosticou com transtorno de ansiedade, não tomei remédios e tbm parei com a terapia, já que como a psicóloga mesmo falou não ia adiantar pra mim. De uns 6 meses pra cá venho tendo ataques de pânico, que leigamente eu intitulava de crises de ansiedade, eu nunca mais consegui ir num banco, pq passo tão mal, minhas pernas parecem que vão amolecer, ficam fracas, eu tremo, minha vista escurece como se eu fosse desmaiar é terrível, tbm sinto isso quando estou andando na rua se percebo alguem andando atrás de mim a sensação é ainda pior, as vzs tenho que parar de andar pq sinto que vou morrer, desmaiar, meu coração parece que vai sair de mim e eu não consigo controlar. Com isso, agora vou voltar em outro psicólogo e vou voltar no psiquiatra mesmo que minha mãe ache que tudo isso é frescura. O importante é não deixar de tentar melhorar.

  18. Oi eu era uma pessoa normal mas de seis meses pra cá venho tendo tremedeiras dor no peito medo tem horas que parece que meu coração vai pular pela boca já fis vários exames e não dar nada quando mim dar essas crises sinto dormência do lado esquerdo uma confusão na cabeça principalmente se tiver onde tem muita gente dar vontade de chorar parece que meu corpo vai se apagar tontura dor de cabeça um no na garganta tem dias que durmo bem mas tem dia que não

  19. Tenho síndrome do pânico, depressão e crises de ansiedade, sou um caldeirão de emoções, tenho todos os sintomas clássicos do pânico, estou em tratamento a 3 anos e posso falar q estou esgotada disso tudo pq está mais forte q eu no momento. Meus remédios me fazem mal, já troquei de medicamento inúmeras vezes e até agora só o alprazolan q me aliviou dessas mazelas da mente a transbordam p o corpo. Com tudo isso ainda sigo firme pois tenho 3 filhos q precisam de mim, uma luta diária p sair da cama, mas não vou desistir da vida pq nao vivo so p mim, mas tbm vivo pelos meus filhos❤

    1. Boa tarde Carla e demais, também sofro com crises de ansiedade desde a adolescência. O que me traz conforto são as orações chamadas Johrei, que recomendo a todos que estão passando por esses problemas. Johrei é oração em ação com método de imposição das mãos e traz muitos benefícios à saúde como um todo. Recomendo.

  20. Ola sou Isabel, 29 anos, sofro de síndrome do pânico ah 14 anos desde quando emgravidei do meu 1° filho, eu ja me tratei com psiquiatra mas nao consigo tomar o remédio,, quando vou tomar o remédio vem aquele medo dr q vou tomar e vai me dar uma reação e vou morrer, isso é horrível..quando saio ja nao me divirto como antes nao consigo dançar porq me acelera o coração e acho q vou morrer..olha não é facil nao aguento mais, meu namorado ja esta cansado de correr comigo pra hospitais e eu nao ter nada ele disse que sou louca.

  21. Faz muitos anos que me trato de síndrome do pânico e ansiedade. Tomo antidepressivo e alprazolan. Mas vou dizer que tenho me sentido muito mal. Ano passado passamos um grande susto com meu marido. Ele teve um grande problema de saúde e piorei muito. Tenho tido sintomas horríveis e do nada. Medos irracionais, desconforto no peito, tontura, náuseas, dores pernas e de cabeça. Uma pressão no ouvido, sensação de desmaio. Tremor e sudorese…. entre outras coisas. Medo de enlouquecer e de desmaiar a qualquer momento. Enfim… estou cansada pq são anos me tratando. Já passei por vários psiquiatras e a conduta é basicamente a mesma.
    Tem dias que acho que vou morrer.

  22. Olá, eu tenho a maioria dos sintomas, menos insônia. Eu já tive insônia algumas vezes (mas faz muito tempo), e nessas vezes minha mente não me deixava em paz. Surgia inúmeras dúvidas e eu só conseguia chorar silenciosamente. Ultimamente tenho estado irritada, tensa e desanimada. Meu corpo está fraco e eu tenho que tomar vitaminas para ter energia. Estou tendo tremores e taquicardia e quando tenho que apresentar algo, na escola, tenho todos esses sintomas e além disso, dores na barriga e aparição de gases. Sem falar que sinto uma pressão horrível na cabeça, como se fosse estourar. Também sinto como se fosse cair, porque minha pernas ficam fracas. Gostaria de saber se isso é uma crise de ansiedade… Também se estou tendo crises, porque já faz 3 dias que tenho estado angustiada e, alguns vezes no dia, minha mente vira uma bagunça; milhares de perguntas que, na maior parte do tempo, me fazem querer chorar. Sem falar que meu corpo tem sofrido bastante, tenho tido aqueles mesmos sintomas de antes. (não sei se ficou confuso, mas se puderem me ajudar a entender o que é isso, agradeço.)

  23. Me identifiquei muito com todos comentários…Essa noite começou devagar,com um aperto no peito, deitei para dormir e tudo piorou, começou a dormência no braço e formigamento na boca…uma ansiedade sem procedente.Tenho médico pela manhã pra fazer Eletro e exames de sangue marcados ..Mas a alguns anos atrás tive esses mesmos sintomas e diagnóstico foi ansiedade e fiz tratamento pq tive SSI junto .Mesmo sabendo q possa ter voltado o medo se instala e não me permite dormir … Só quem passa sabe o que significa.Nesse momento,tento me convencer q não vou morrer, q não é um AVC ou ataque cardíaco..Mas é muito difícil 😔

  24. Passei a noite inteira sem dormir, e fui dormir as 6 da manhã…. passei meu dia normal, porém com muita dor de cabeça, perdi meu irmão há dois anos e isso foi uma dor muito grande, e tenho dois imãos que não moram comigo.. no lugar onde morar é bastante perigoso, passei o dia pensando nisso, que só posso ajudar um ou outro pq n tenho condições, ter q escolher entre os dois, eu comecei a sentir muita falta de ar, tontura e formigamento no rosto, visão embaçada. e mais dor de cabeça ainda. isso nunca tinha acontecido cmg, eu tô sem entender até agora. foi mt desesperador, sentir um medo de perder mais uma pessoa q amo e ter que escolher entre eles.

  25. Tive uma crise de pânico em 2006, foi terrível. Tudo começou no trabalho, em uma quinta feira, me senti estranho e meu coração acelerou, minha mente ficou confusa, sai do prédio e olhei em volta e parecia que tudo tinha mudado, aos poucos foi diminuindo até que voltei ao normal. No domingo após o almoço fui dormir e quando acordei estava me sentindo estranho e tonto, foi aí que o bicho pegou, tive a maior crise de pânico. A partir desse dia não consegui mais dormir, procurei o médico que diagnosticou o problema, fiz todos os exames para descartar outros problemas de saúde, deu tudo normal. Dias depois procurei um psiquiatra que me receitou diazepam e Amitril, mas mesmo com a medicação as crises eram diárias, tonturas, coração acelerado, visão turva e algumas vezes até escurecia, ouvia as pessoas ao meu lado mas não enxergava nada, sensação de falta de ar, fraqueza, sensação de morte, sensação de estar em um sonho, sensação de desmaio etc. Resultado: não saio sozinho, passo o dia em casa e não consegui mais trabalhar. Doença maldita, mas sei que vou vencer tudo isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *