Como melhorar um dia ruim; veja as dicas

Se você não está em um dia bom, fique tranquilo. Existem formas de melhorar um dia ruim. Confira a seguir as dicas e as coloque em prática agora mesmo.

Dias ruins acontecem com todo mundo e parece que nesses dias tudo resolver dar errado. Tem trânsito quando você já está atrasado para o trabalho, seu chefe está estressado, o projeto que era para ser entregue hoje não ficou pronto… Porém, não é porque um dia já começou diferente do que você planejou que ele precisa estar fadado ao fracasso. Veja a seguir algumas dicas essenciais de como melhorar um dia ruim.

5 dicas para melhorar um dia ruim

1) Faça um exercício de respiração

Talvez você esteja muito ocupado, sem tempo para nada. Mas ainda há uma coisa que você pode fazer para trazer vibrações tranquilas para esse dia agitado: respirar. Por mais simples que isso possa parecer, a técnica é uma ótima forma de acalmar sua mente.

A Harvard Medical School recomenda um exercício simples para praticar a respiração profunda. Sentado ou deitado, simplesmente pratique a respiração pelo diafragma. Isto é, permita que a sua barriga e o seu peito se elevem ao encher os pulmões de ar. Se você estiver respirando profundamente, seu estômago se expandirá para fora. Você pode praticar isso por alguns minutos agora, fechando os olhos e respirando conscientemente para se sentir mais relaxado e revigorado.

2) Pratique um ato de gentileza

Pesquisas descobriram que cuidar dos outros e praticar atos de bondade ajuda as pessoas a viverem mais e melhora a felicidade delas a curto prazo. Assim, portanto, se o seu dia não estiver bom, reserve alguns minutos para ajudar alguém. Esse ato pode ser pequeno, contudo, pode fazer a diferença no seu dia e no de outra pessoa.

3) Seja grato

Pesquisas já constataram que a prática da gratidão nos torna mais felizes e saudáveis. Em um estudo, os participantes que escreveram uma frase sobre o porque eram gratos por cada dia não apenas relataram maior felicidade do que os participantes que escreveram sobre seus aborrecimentos, como também se exercitaram mais e relataram menos visitas ao médico.

Transforme o seu dia, parando por alguns minutos para listar motivos pelos quais você é grato. Quer seja a sua saúde, a sua família, o seu cachorro ou o trabalho. Se você quiser intensificar essa prática, experimente escrever uma nota de agradecimento a alguém em sua vida e envie-a ou entregue-a pessoalmente ainda hoje.

4) Se desconecte do seu telefone por algumas horas

Uma pesquisa recente sobre o uso de smartphones por adolescentes revelou que muito tempo navegando pelas redes sociais pode nos deixar deprimidos. Isso acontece devido a diversos motivos, como, por exemplo, a expectativa de disponibilidade constante até a auto-comparação.

Pode ser difícil se desconectar um dia inteiro ou até mesmo um final de semana. Porém, podemos optar por cultivar melhores hábitos no telefone em geral. Podemos, por exemplo, desligar nossos telefones para dormir, ativar o modo “não perturbe” ou mantê-los longe da cama.

Além disso, que tal experimentar ficar off por alguns momentos do dia, como, por exemplo, enquanto você vê um filme ou está em algum evento do seu interesse? Você pode também criar uma regra restrita de não usar o celular enquanto conversa ou janta com outras pessoas.

Quer melhorar um dia ruim agora mesmo? Experimente deixar o telefone para trás e dar um passeio pelo quarteirão. Observe as coisas ao seu redor: como as árvores se parecem? Algum cheiro agradável ou diferente?

Em uma escala ainda menor, tente não alcançar seu telefone quando tiver um minuto de inatividade, como em um elevador ou esperando na fila, por exemplo. Use esse tempo, em vez disso, para estar presente em seu ambiente. O mundo real também pode ser bastante interessante.

5) Mantenha uma boa rotina de sono

A falta de sono pode diminuir suas habilidades cognitivas, torná-lo um motorista terrível, diminuir sua imunidade, ter um efeito negativo geral sobre sua saúde mental e fazer você se sentir infeliz. Dormir o suficiente, por outro lado, melhora a memória, aguça a atenção, melhora o metabolismo e faz com que você se sinta bem melhor com a vida.

Essa dica, portanto, pode não melhorar um dia ruim na hora que ele estiver acontecendo, mas pode previnir que esses dias ocorram com frequência, já que você vai estar descansado.

Atitudes que te impedem de seguir em frente: o que fazer? Confira no FalaFreud

6) Escute uma música

Um dos inúmeros benefícios de escutar música é aliviar a ansiedade e promover o bom humor. Então por que não melhorar um dia ruim com música? Coloque uma música que você adora para tocar. Opte por aquelas que te fazem se sentir bem, de preferência uma opção bem animada. Aproveite para relaxar e manter sua mente no momento presente.

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/08/5-ways-turn-day-around-now/#more-10574

FalaFreud

Quem tem uma agenda cheia sabe como é difícil marcar uma consulta e conciliar horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis. Você pode, por exemplo, fazer terapia de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que no consultório é bem difícil de acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e agendar sua primeira sessão.

Tipos de bipolaridade: como identificar?

Tipos de bipolaridade: quais são?

Transtorno Bipolar Tipo I

Transtorno bipolar tipo I é o que as pessoas tendem a pensar quando pensam em transtorno bipolar (anteriormente conhecido como depressão maníaca). Acontece pela oscilação entre um humor muito eufórico, conhecido como “mania” e um humor muito baixo, chamado “depressão”.

Assim, uma pessoa com transtorno bipolar tipo I experimenta esses humores episodicamente. A pessoa pode experimentar um episódio maníaco por dois meses, por exemplo, seguido por uma depressão de três meses, e depois ficar um período sem sintomas (conhecido como eutimia).

Confira o que são cada uma dessas fases (maníaca x depressiva):
  1. Durante o episódio de mania

Episódios maníacos são caracterizados por pelo menos uma semana de perturbação profunda do humor caracterizada por euforia, irritabilidade ou expansividade (euforia com delírios de grandeza). Além disso, pelo menos três dos seguintes sintomas devem estar presentes:

  • Grandiosidade
  • Necessidade reduzida de sono
  • Fala excessiva ou rápida demais
  • Muitos pensamentos ao mesmo tempo ou fuga de ideias
  • Evidência clara de distração
  • Aumento do nível de atividade focada em objetivos em casa, no trabalho ou sexualmente
  • Atividades prazerosas excessivas, muitas vezes com consequências dolorosas
  • A perturbação do humor é suficiente para causar prejuízo no trabalho ou colocar em risco a pessoa ou outras pessoas.
  • O humor não é o resultado de abuso de substâncias ou de uma condição médica.

2. Durante o episódio depressivo

A depressão bipolar tem os mesmos critérios usados para identificar casos de depressão. Os episódios depressivos caracterizam-se quando: nas mesmas duas semanas, a pessoa apresenta cinco ou mais dos seguintes sintomas, com pelo menos um dos sintomas sendo depressivo ou caracterizado por perda de prazer ou interesse:

  • Humor deprimido
  • Dignamente diminuído prazer ou interesse em quase todas as atividades
  • Perda de peso significativa ou ganho ou perda significativa ou aumento do apetite
  • Hipersonia ou insônia
  • Retardo psicomotor ou agitação
  • Perda de energia ou fadiga
  • Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva
  • Diminuição da capacidade de concentração ou indecisão acentuada
  • Preocupação com a morte ou suicídio; a pessoa tem um plano ou tentou suicídio
  • Esses sintomas causam comprometimento e sofrimento significativos e não resultam do abuso de substâncias ou de uma condição médica.
Transtorno Bipolar e Psicose

Pessoas com transtorno bipolar do tipo I também costumam ter psicose. Isto é, elas apresentam uma “ruptura com a realidade”, e assim, o transtorno é classificado a partir da presença de delírios e / ou alucinações.

Porém, existem diferenças entre entre delírios e alucinações: Delírios são crenças falsas (como a crença de que você está sendo seguido pela polícia em qualquer lugar que você vá), e as alucinações são experiências que não aconteceram (por exemplo, você pode ver algo que não existe ou sentir uma sensação tátil sem que seja real). Além disso, as pessoas podem experimentar psicose durante uma fase maníaca ou depressiva.

Obs.: Experimentar a psicose não tem nenhuma relação com ser um psicopata. Portanto, são coisas totalmente diferentes.

Transtorno Bipolar Tipo II

Entre os tipos de bipolaridade também encontramos o transtorno bipolar tipo II, composto por dois tipos de humor: depressão maior e hipomania. Os critérios para o humor depressivo são idênticos aos do transtorno bipolar do tipo I. Porém, a diferença é a hipomania, que segue os mesmos critérios básicos da mania bipolar, mas é menos grave. Assim como com o transtorno bipolar tipo I, esse transtorno é episódico.

Porém, apesar de alguns caracterizarem o tipo bipolar II como “menos grave”, isso não é verdade. Isso porque, o tipo bipolar II contém uma versão menos severa da fase da mania, conhecida como hipomania, porém, o transtorno em si não é menos grave ou menos prejudicial. Essa ideia existe, principalmente, porque as pessoas com transtorno bipolar tipo II passam significativamente mais tempo em um estado depressivo maior do que as pessoas com transtorno bipolar tipo I.

Hipomania Bipolar

Para entendermos o que é o tipo bipolar II, precisamos compreender a hipomania. Ela é caracterizada por um humor elevado, expansivo ou irritável de pelo menos quatro dias consecutivos de duração. Pelo menos três dos seguintes sintomas também estão presentes:

    • Grandiosidade ou auto-estima inflada
    • Necessidade reduzida de sono
    • Discurso pressionado
    • Corrida de pensamentos ou fuga de ideias
    • Evidência clara de distração
    • Aumento do nível de atividade focada em objetivos em casa, no trabalho ou sexualmente
    • Participar de atividades com alto potencial para consequências dolorosas
    • A perturbação do humor é observável para os outros.
    • O humor não é o resultado de abuso de substâncias ou de uma condição médica.
  • O episódio não é grave o suficiente para causar prejuízo social ou ocupacional.

As pessoas com transtorno bipolar do tipo I também podem experimentar a hipomania, muitas vezes como um precursor da mania total.

Note que as pessoas com transtorno bipolar tipo II não experimentam psicose.

Episódios mistos bipolares

Já o transtorno bipolar misto ou não especificado é uma categoria abrangente e caracteriza aqueles que tem o transtorno bipolar, mas que não se encaixam em nenhuma categoria específica. Por exemplo, para uma pessoa ser considerada com transtorno bipolar I, o episódio maníaco tem que durar pelo menos uma semana. Se o episódio maníaco dura apenas três dias, os médicos afirmam que o paciente tem transtorno bipolar não especificado.

Ciclotimia

Ainda falando sobre os tipos de bipolaridade, existe a ciclotimia. Isto é, a ciclotimia é o quadro mais leve do transtorno bipolar. O diagnóstico é dado àqueles que experimentam sintomas de hipomania e depressão, mas não preenchem todos os critérios para mania, hipomania ou depressão maior.

Assim, as pessoas com ciclotimia são muitas vezes consideradas por amigos e familiares como “muito temperamentais”. Elas até têm “altos e baixos”, porém, nenhum deles é tão grave ou dura tempo suficiente para se qualificar como mania ou depressão.

“Qual é o meu diagnóstico entre todos esses tipos de bipolaridade?”

Se você desconfia que sofre de transtorno bipolar, a melhor maneira de saber qual dos tipos de bipolaridade você tem é obtendo um diagnóstico formal de um psicoterapeuta ou psiquiatra.

Porém, se você estiver olhando para o problema por conta própria, tenha em mente que uma das principais diferenças é a psicose. Assim, se você tiver psicose (isto é, delírios e alucinações), é bem provável que isto seja diagnosticado como transtorno bipolar tipo I.

Já se os seus humores elevados são inferiores ao período de uma semana, é provável que você seja diagnosticado com transtorno bipolar do tipo II.

Agora se você não se encaixa nos critérios diagnósticos para depressão grave ou hipomania/mania, existe a chance de você ser diagnosticado com ciclotimia.

Porém, lembre-se de que a primeira coisa que você deve fazer, caso desconfie que você se encaixa em um dos tipos bipolares é procurar ajuda de um profissional. Somente um psicoterapeuta ou psquiatra poderá te orientar para o tratamento de forma eficaz. O tratamento, normalmente, consiste entre conciliar a psicoterapia com a medicação.

Saiba tudo sobre transtorno bipolar com a terapeuta do FalaFreud Dayane Fagundes.

Fonte: https://www.talkspace.com/blog/2017/06/know-kind-bipolar/

FalaFreud

Quem tem uma agenda cheia sabe como é difícil marcar uma consulta e conciliar horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis. Você pode, por exemplo, fazer terapia de manhã cedo ou até tarde da noite – coisa que no consultório é bem difícil de acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e agendar sua primeira sessão.

Benefícios do exercício físico na depressão

Especialistas apontam os benefícios do exercício físico na depressão e na ansiedade; Confira.

Você com certeza já ouviu falar que praticar atividade física faz bem para a saúde. Mas e quando se trata de depressão ou de ansiedade exagerada? Segundo especialistas, o exercício físico, quando feito regularmente, tem o potencial de aliviar e até curar os sintomas de muitas doenças, inclusive de transtornos mentais. Confira os benefícios do exercício físico na depressão e na ansiedade.

O poder da endorfina

Após realizarmos uma atividade física, nosso corpo libera uma grande quantidade de endorfina. Esse hormônio traz a sensação de bem-estar, alívio e disposição para o organismo.

Este hormônio está muito relacionado aos benefícios do exercício físico na depressão e na ansiedade. Isso porque, de acordo com um estudo da Universidade de Toronto, indivíduos que praticam atividade física de 20 a 30 minutos por dia podem afastar a depressão a longo prazo.

A dica é escolher uma atividade ou um esporte que você goste de fazer. Assim, por exemplo, você pode praticar dança, corrida ou musculação e fazer disso uma parte regular de sua rotina. Dessa forma, o exercício não apenas ajudará no tratamento, mas como diz o estudo, ajudará a prevenir a depressão.

Redirecionando a energia

Apesar de somente o exercício não ser o suficiente para substituir o uso da medicação ou a necessidade de assistência profissional, praticar atividades pode diminuir consideravelmente o excesso de ansiedade no corpo. Portanto, da próxima vez que estiver ansioso, tente fazer uma caminhada, por exemplo.

A experiência do nadador Michael Phelps

Michael Phelps é um nadador americano, considerado um dos melhores do mundo. O vencedor da medalha de ouro olímpica, ao revelar para o mundo a respeito do caso de depressão que enfrentou, mostrou as importantes conexões entre exercício físico e depressão.

É importante ressaltar que o exercício físico sozinho não é uma cura para o transtorno mental. Porém, quando aliado à medicação e / ou psicoterapia, a atividade física pode trazer muitos progressos em direção a melhores resultados de saúde mental.


Todo cuidado é bem-vindo!


Se você sofre de depressão ou ansiedade exagerada, lembre-se de que por mais desafiante que esse momento possa parecer, sempre existirá um caminho para superá-lo.

Mesmo que aliar o exercício físico om o tratamento médico não esteja te trazendo resultados rápidos, lembre-se de que essa prática poderá elevar o seu estado de espírito e te fornecer motivação extra para lutar contra o transtorno. Mesmo que o exercício sozinho não seja uma cura, se ele faz você se sentir melhor, então vale a pena.

Viver com ansiedade ou depressão, ou ambos, não é fácil. Se você sofre de um transtorno mental, sabe o quanto isso pode ser difícil. Embora não seja uma cura, o exercício pode ser outra arma na batalha contra a depressão e a ansiedade.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/12/does-exercise-help-depression-and-anxiety/

Quem tem uma agenda cheia sabe como é difícil marcar uma consulta e conciliar horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis. Você pode, por exemplo, fazer terapia de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que no consultório é bem difícil de acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e agendar sua primeira sessão.

Por que alguns casais continuam juntos mesmo infelizes?

Entenda as razões escondidas que fazem com que alguns casais continuem juntos mesmo infelizes

São muitas as razões pelas quais homens e mulheres permanecem em relacionamentos mesmo quando estão infelizes. Desafios financeiros e filhos são os dois principais motivos mais frequentes, porém, existem outras razões por trás. Entenda a seguir porque casais continuam juntos mesmo infelizes.

A culpa de terminar uma relação

Novas pesquisas sugerem que muitos relacionamentos se mantém não devido aos próprios sentimentos da pessoa, mas em função dos sentimentos dos parceiros. Em outras palavras, você pode até querer deixar o relacionamento, mas, por se preocupar em como isso afetaria negativamente o seu parceiro, você continua nesse relacionamento.

Assim, um fator que parece estar muito presente nesse tipo de relação é a culpa. Isto é, uma emoção que envolve sentir-se responsável ou com remorso por como o parceiro irá se sentir, como, por exemplo, terminar o relacionamento quando a outra pessoa quer continuar naquela relação.

De onde vem esse sentimento?

Se você se identifica ou conhece casais que continuam juntos mesmo infelizes para suprir um sentimento de culpa, saiba que existem diferentes variações desse sentimento. Assim, é preciso entender de onde vem essa culpa.

Muitos indivíduos que lutam contra esses sentimentos nos relacionamentos, por exemplo, foram treinados inconscientemente por seus pais no início da vida para sentirem tal culpa. Isso porque, alguns pais criam crianças propensas a se sentirem culpadas, na medida em que treinam seus filhos a se concentrarem nos sentimentos e necessidades dos outros, como deles mesmo. 

Sua preocupação com o outro é realmente genuína?

Como vimos, a razão na qual muitos casais continuam juntos mesmo infelizes é devido a culpa que eles sentem de largar o parceiro. Porém, essa culpa é de fato uma preocupação com o outro ou é um medo inconsciente seu?

Isso significa dizer que, algumas vezes, esse sentimento de culpa no fundo reflete sentimentos inconscientes do próprio indivíduo. Pode ser, por exemplo, o medo de ficar sozinho ou de não encontrar um novo parceiro. Porém, como um mecanismo de defesa para evitarem olhar para esse sentimento, essas pessoas colocam a “culpa” no outro.

Assim, em vez de assumirem que não saem da relação por medos e inseguranças pessoais, elas colocam a culpa no outro, como se fosse o outro que não pudesse suportar aquilo.

Como se livrar desse sentimento

Se você permanece em relacionamentos infelizes, investigue de forma mais honesta possível quais razões emocionais o levam a agir assim. Pergunte a si mesmo porque você tem esse sentimento de culpa.  Reveja se você não está projetando seus próprios sentimentos para outra pessoa. Isto é, será mesmo que é a outra pessoa que vai ficar mal dessa forma? Ou trata-se no fundo da sua própria ansiedade quanto a ser solteiro ou sentir-se solitário?

PROCURE AJUDA DA TERAPIA

Agora que você conhece alguns dos motivos que fazem com que casais continuam juntos mesmo infelizes, saiba que a terapia pode te ajudar. Isso porque, a terapia pode ser uma excelente forma de entender melhor esse sentimento. Além disso, o processo poderá te trazer autoconhecimento e autonomia para tomar melhores atitudes e melhorar sua qualidade de vida.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental?  Acesse o blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você!

Fonte:https://www.psychologytoday.com/intl/blog/insight-is-2020/201811/hidden-reason-why-some-stay-in-unhappy-relationships

FalaFreud

Quem tem uma agenda cheia sabe como é difícil marcar uma consulta e conciliar horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis. Você pode, por exemplo, fazer terapia de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que no consultório é bem difícil de acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e agendar sua primeira sessão.

Atitudes que te impedem de seguir em frente: o que fazer?

Você reconhece em você atitudes que te impedem de seguir em frente, mas não sabe como agir? Confira a matéria a seguir.

Segundo a psicanálise, é comum utilizarmos mecanismos de defesa para lidar com os estresses e momentos difíceis da vida. Porém, saiba que esses mecanismos, muitas vezes, nos impossibilitam de seguir à diante. Confira na matéria atitudes que te impedem de seguir em frente e o que fazer para mudar esses comportamentos.

Primeiro, o que são mecanismos de defesa?

Se você sente que algo te impede de avançar, mas não sabe exatamente o que é, saiba que podem ser os mecanismos de defesa atuando em seu inconsciente. Ou seja, tratam-se de estratégias do nosso inconsciente para escapar do estresse e angústia que alguns pensamentos ou sentimentos nos causam.

Portanto, os mecanismos de defesa – que acontecem na maioria das vezes de forma inconsciente – são uma medida de proteção.  Eles nos impedem de nos conectar com sentimentos muito negativos.

Quais são as atitudes mais comuns que te impedem de seguir em frente?

Existe uma longa lista de atitudes ou mecanismos de defesa que podem te “puxar para trás” e te impedirem de avançar. Confira alguns dos exemplos mais comuns aos indivíduos:

Negação

A negação é um mecanismo de defesa clássico e bastante conhecido popularmente. Através dessa defesa, o indivíduo nega a existência de um sentimento que é muito difícil ou desconfortável de lidar. O mecanismo é usado com freqüência por aqueles que lutam contra um vício ou com muitos problemas de saúde mental.

Exemplo: indivíduos que dizem a si mesmo “eu não estou bebendo demais.. bebi só umas duas ou três cervejas”, apesar dos amigos lembrarem que ele bebeu muito mais do que isso.

Porém, por mais que essa atitude possa parecer eficaz no momento, negar um problema não o faz desaparecer. Isso apenas o torna mais difícil de confrontar. Por isso é preciso reconhecer se a negação é o seu mecanismo de defesa. Nesse caso, a solução está em entrar em contato com esse sentimento que você vem tentando evitar.

Projeção

Ainda falando sobre as atitudes que te impedem de seguir em frente, talvez você esteja lidando com a projeção. Ou seja, ao invés de reconhecer e assumir seus sentimentos e comportamentos, a pessoa coloca a culpa no outro. Como o nome já diz, trata-se de projetar algo que é seu em outra pessoa.

Exemplo: uma esposa que grita demais com os filhos pode acusar o marido de ter problemas de controle da raiva. Enquanto uma parte de sua mente sabe que ela é a única com um problema de raiva, ela está tão envergonhada de confrontar diretamente esse fato, que seu cérebro inconscientemente projeta sua insegurança em outra pessoa; que neste caso é o marido dela.

Deslocamento

O deslocamento é quando você usa um objeto substituto para deslocar suas emoções e comportamentos porque tem medo de direcionar a energia para a pessoa na qual realmente está com raiva. Isto é, por ser impossível ou muito arriscado confrontar aqueles que nos provocam (como por exemplo um chefe), tendemos a deslocar essa emoção para alguém (ou algo) menos arriscado, mesmo que essa pessoa não tenha nenhuma relação com a emoção original.

Exemplo: um homem está muito irritado com seu chefe, mas não quer enfrentá-lo por medo de ser mandado embora. Em vez disso, seu subconsciente lhe dá uma saída conveniente e redireciona sua raiva para outra pessoa. Ele chega em casa à noite e imediatamente briga com o seu filho de forma exagerada, descontando no menino aquele sentimento de raiva que ficou guardado.

Repressão

Quando os sentimentos são muito intensos, desconfortáveis ​​ou tabus, então nosso subconsciente os esconde de nossa mente consciente.

Exemplo: se uma mulher sente inveja da gravidez de sua amiga, ela pode empurrar esse sentimento para fora da consciência e reprimi-lo completamente. Infelizmente, quando os sentimentos são reprimidos, eles não desaparecem tão bem quanto a pessoa gostaria que eles desaparecessem.

Neste caso, a mulher pode acabar evitando a amiga ou sendo agressiva com ela em algum momento, embora ela não tenha total consciência do porquê. Assim, considere explorar o que está na raiz de seu comportamento provavelmente a ajudaria a entender e ser mais solidária.

Alguma (ou várias) dessas atitudes soa familiar para você? Um terapeuta pode resolver

Por fim, se você reconhece esses mecanismos de defesa em si mesmo – o que já é um ótimo passo para começar o processo terapêutico -, pense no impacto que eles podem ter na sua vida.

Lembre-se de que essas atitudes que te impedem de seguir em frente não precisam mais dominar a sua vida. Para isso, trabalhar com um terapeuta pode torná-lo mais consciente de seus mecanismos de defesa. Ao fazer isso, portanto, você saberá como agir de maneira mais consistente com seus objetivos e valores. Assim poderá assumir as rédeas da sua vida e não deixar que o seu inconsciente te comande.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental?  Acesse o blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você!

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/11/defense-mechanisms-holding-you-back/

FalaFreud

Quem tem uma agenda cheia sabe como pode ser difícil conseguir conciliar seus horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis. Você pode fazer terapia por exemplo, de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que em um consultório é bem difícil isso acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e agendar sua primeira sessão.

Como ser uma pessoa otimista?

Se você não sabe como ser uma pessoa otimista e quais atitudes tomar para isso, confira algumas dicas que podem te ajudar!

Existem diversos estudos que mostram que tudo que acontece em nosso cérebro influencia o que acontece com o nosso corpo, e é por isso que cultivar uma visão mais positiva da vida pode trazer bons resultados. Porém, nem sempre isso é algo fácil. Se você quer fazer essas mudanças, mas não sabe como ser uma pessoa otimista, confira as dicas!

Benefícios de ser otimista

Quando você tem uma mentalidade positiva, é mais fácil aproveitar o momento presente. Essa atitude te ajudará não só a ter uma vida mais alegre, mas também mais saudável. 

Isso porque, de acordo com especialistas da Escola de Medicina Feinberg, da Universidade Northwestern, existe uma forte ligação entre o otimismo e os benefícios positivos para a saúde. Entre eles vemos, por exemplo, o controle de peso, níveis mais saudáveis ​​de açúcar no sangue e menor chance de doenças cardíacas.

Além disso, esse mesmo estudo sugere que a positividade pode desempenhar um papel importante na adaptação de uma doença crônica.

Porém, embora os benefícios sejam impressionantes, nem sempre é fácil ser uma pessoa positiva. De fato, alguns podem achar que é mais fácil pensar nos piores cenários e encontrar falhas e imperfeições em tudo. Mas e se você pudesse transformar seu pensamento?

De acordo com um estudo, mentalizar coisas positivas durante cinco minutos – em que você visualiza positivamente o seu futuro – pode aumentar significativamente o otimismo após um dia e duas semanas inteiras de prática. Simples, não é mesmo?

Dicas de como ser uma pessoa otimista

1.Reconheça e reflita sobre um evento positivo todos os dia

Você pode fazer esse exercício mentalmente, através de uma anotação no diário ou até mencionar durante uma conversa entre amigos. Uma vez que esse ato se torne mais confortável, um diário diário de gratidão também é uma ótima maneira de promover um pensamento positivo consistente.

  1. Foque em suas qualidades em vez de focar nos defeitos

Em vez de se concentrar em seus erros ou falhas ao longo do dia, tenha em mente os pontos fortes. Talvez seja um talento oculto, área de especialização ou traço da sua personalidade que te faz especial.

3.Defina uma meta possível e anote seu progresso

Para saber como ser uma pessoa otimista e se transformar nessa pessoa, defina metas possíveis e celebre cada pequeno progresso ao longo do caminho. Você pode começar com metas mais simples e ir aumentando o grau de dificuldade aos poucos.

  1. Reformule situações estressantes e procure o lado positivo

Talvez você já tenha ouvido o ditado: “quando uma porta se fecha, uma janela se abre”. Parece simples, mas reavaliar um evento de forma positiva pode ser uma maneira fácil de encontrar esperança em situações difíceis.

  1. Pratique a meditação

Quando você se concentra no aqui e agora, e não no passado ou no futuro, você automaticamente se abre para aproveitar melhor cada dia e novas experiências. Concentre-se em encontrar prazer em todos os pequenos momentos ao longo do dia e escolha reconhecê-los de forma consciente.

Coloque o otimismo em prática

Agora que você já sabe como ser uma pessoa otimista, lembre-se que mudar nunca é uma tarefa fácil ou rápida. Comece dando um passo de cada vez. Pequenos ajustes em seus pensamentos e na sua rotina podem te deixar mais otimista com o tempo.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/05/become-optimistic-person-easy-ways/

FalaFreud

Quem tem uma agenda cheia sabe como pode ser difícil marcar uma consulta e conseguir conciliar seus horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis, como, por exemplo, de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que em um consultório é bem difícil isso acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e agendar sua primeira sessão.

Depressão é a principal causa de incapacidade

Você sabia que a depressão é a principal causa de incapacidade no mundo? Entenda o motivo por trás do problema. 

Você já teve a sensação de que cada vez mais os seus dias parecem ter menos horas? É comum que as pessoas se queixem da falta de tempo para realizar suas tarefas diárias. Assim, as consequências disso são pessoas cada vez mais estressadas e com problemas de saúde. Devido à esse aumento consideravel no estresse e diminuição da qualidade de vida, muitas pessoas acabam deprimidas. E é por essa razão que, atualmente, a depressão é a principal causa de incapacidade no mundo.

Número de pessoas deprimidas pelo mundo

Já são mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo sofrendo de depressão, isto é, um aumento de mais de 18% entre 2005 e 2015. Além disso, 260 milhões de pessoas sofrem de transtornos de ansiedade.

Os números que mostram que a depressão é a principal causa de incapacidade no mundo foram divulgados em uma campanha da OMS, chamada “Depressão: vamos conversar”, que tem como objetivo ajudar pessoas do mundo todo que sofrem de depressão a procurem ajuda.

De acordo com a diretora-geral da OMS, Dra. Margaret Chan, “Esses novos números são um alerta para que todos os países repensem suas abordagens à saúde mental e tratem-na com a urgência que merecem”.

Motivos para a depressão

Se você ainda está se perguntando porque a depressão é a principal causa de incapacidade no mundo, saiba que um estudo feito pela empresa Mental Health America (MHA) de 2017, mostrou que grande parte da causa por trás da depressão tem relação com o trabalho.

Segundo a pesquisa, a falta de apoio do empregador contribui para níveis mais elevados de estresse e isolamento. Esses fatores se correlacionam fortemente com a insatisfação no ambiente de trabalho. Assim, 33% dos entrevistados relataram altas taxas de descontentamento. Além disso, 81% dos entrevistados relataram possuir conflitos entre trabalho e família e 63% tiveram um aumento nos problemas mentais.

Preconceito por trás da depressão

Um dos primeiros passos para combater a doença é abordar questões sobre preconceito e discriminação na população. “O estigma associado ao transtorno mental foi a razão pela qual decidimos nomear nossa campanha de “Depressão: vamos conversar “, disse Shekhar Saxena, diretor do Departamento de Saúde Mental e Abuso de Substâncias da OMS. “Para alguém que vive com depressão, conversar com uma pessoa em quem confia é frequentemente o primeiro passo para o tratamento e a recuperação”.

Nos EUA, por exemplo, já existe uma lei, conhecida como Lei dos Americanos com Deficiência, criada em 1990, que proíbe a discriminação contra pessoas com deficiência e problemas de saúde mental em todas as áreas da vida pública, incluindo empregos e educação. No Reino Unido, o Equality Act 2010 realiza praticamente a mesma função, mas a eficácia de tais regras é questionável.

Por exemplo, um estudo de 2017 descobriu que até 300.000 britânicos perdem seus empregos a cada ano por causa de transtornos mentais. Enquanto isso, cerca de 15% dos trabalhadores têm sintomas das condições de saúde mental existentes. As perdas estimadas para a economia variam de £ 74 bilhões para £ 99 bilhões por ano.

O relatório, encomendado pela primeira-ministra do Reino Unido Theresa May, recomendou que as empresas implementem o tópico saúde mental no plano de trabalho, incentivem conversas abertas sobre o assunto e forneçam apoio aos empregados que estiverem lidando com esse tipo de situação.

Além disso, o relatório do Reino Unido também diz que as empresas devem oferecer boas condições de trabalho, gerenciamento eficaz e garantir que o trabalhadores tenham um equilíbrio saudável entre a vida profissional e pessoal.

Mulheres são mais propensas a desenvolver depressão

Nos Estados Unidos, os diagnósticos de depressão aumentaram 33% desde 2013, segundo a seguradora norte-americana Blue Cross Blue Shield (BCBS). E os números não param de crescer nessa nova geração. Nos adolescentes, vemos um aumento de 47% para meninos e 65% para meninas.

Segundo a BCBS, a depressão tem uma taxa de diagnóstico de 4,4%, afetando mais de 9 milhões de americanos. As mulheres são duas vezes mais propensas que os homens a serem diagnosticadas com doença mental (6% x 3%).

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você!

Fontes:https://www.weforum.org/agenda/2018/05/depression-prevents-many-of-us-from-leading-healthy-and-productive-lives-being-the-no-1-cause-of-ill-health-and-disability-worldwide

https://www.who.int/news-room/detail/30-03-2017–depression-let-s-talk-says-who-as-depression-tops-list-of-causes-of-ill-health

FalaFreud

Quem tem uma agenda cheia sabe como pode ser difícil marcar uma consulta e conseguir conciliar seus horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis, como, por exemplo, de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que em um consultório é bem difícil isso acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e agendar sua primeira sessão.

Você tem uma boa saúde mental? Descubra

Você sabe o que é uma boa saúde mental? Como fazer para alcançá-la? Confira na matéria abaixo e descubra!

Saber reconhecer uma saúde mental “problemática” costuma ser fácil. Na maioria das vezes sabemos como identificar ansiedade, estresse, depressão, etc. Porém, quando pensamos a respeito de uma boa saúde mental, pode ser um pouco mais difícil descobrir exatamente o que isso significa.

Novo pensamento sobre um problema antigo

Até mesmo para os especialistas pode parecer difícil chegar a única definição do que seria uma boa saúde mental. Por isso, um grupo de psiquiatras revisou idéias do mundo todo a respeito do tema e as reuniram em uma forma única e padronizada de pensar.

Os autores elaboraram uma definição que se encaixa bem com o que os psicólogos procuram trabalhar com os seus clientes. No artigo, esses autores propuseram a seguinte definição:

“A saúde mental é um estado dinâmico de equilíbrio interno, que permite ao indivíduo usar suas habilidades em harmonia com os valores universais da sociedade. Habilidades cognitivas e sociais básicas; capacidade de reconhecer, expressar as próprias emoções, bem como ter empatia com os outros; capacidade de lidar com eventos adversos da vida; e relações harmoniosas entre corpo e mente representam componentes importantes da saúde mental que contribuem, em graus variados, para o estado de equilíbrio interno. ”

Mas o que essa definição realmente significa?


Equilíbrio interno dinâmico

Infelizmente, não podemos ser felizes o tempo todo. Ser feliz no meio de uma tragédia, por exemplo, pode até significar um sinal de má saúde mental. Assim, é mais importante analisar se os sentimentos do momento correspondem com a situação do que apenas olhar para como nos sentimos. Além disso, nossa capacidade de se recuperar de fatores estressantes é importante nessa avaliação.

Portanto, em outras palavras, o equilíbrio dinâmico é uma maneira de dizer que nossas reações precisam se encaixar com as circunstâncias vivenciadas e a nossa recuperação dependerá da resiliência de cada um.

Habilidades cognitivas e sociais

Uma boa saúde mental depende da nossa capacidade de pensar, planejar e agir de maneira socialmente eficaz. É possível ter alguns problemas nesta área, mas ainda funcionar de forma eficaz.

Muitas pessoas funcionam bem porque usam seus pontos fortes para compensar seus déficits. Por exemplo, alguém com TDAH – isto é, déficit de atenção e hiperatividade -, pode compensar usando ferramentas como organizadores e timers, enquanto alguém que é tímido pode levar um amigo para uma nova atividade social. 

Empatia

A empatia permite que você entenda os pensamentos e os sentimentos de outra pessoa com base em suas próprias experiências. Isso nos ajuda a conviver com outros indíviduos e criar laços. Assim, a empatia quando apropriada mantém nossos relacionamentos mais fortes e saudáveis.

Flexibilidade e adaptabilidade

Uma boa saúde mental exige que aceitemos as mudanças inevitáveis ​​da vida. É normal que coisas ruins nos perturbem. Uma boa saúde mental, contudo, exige que aceitemos que a mudança aconteça e escolhamos comportamentos saudáveis ​​para lidar com a nova situação de maneira eficaz.

Conexão mente / corpo

Má alimentação, falta de sono e atividade física inadequada afetam não só a nossa mente como também o nosso corpo. Isso porque, mente e corpo funcionam juntos. Assim, uma mente não pode ser saudável sem que o corpo esteja ou vice-versa.

USANDO TODAS AS HABILIDADES

Enquanto as definições mais antigas de saúde mental se concentram fortemente na felicidade ou foram limitadas aos valores de uma única sociedade, os autores do novo estudo desenvolveram uma definição mais ampla. O trabalho que eles fizeram oferece uma boa explicação do que os profissionais de saúde mental atuam com seus pacientes.

É normal ser infeliz às vezes, preocupar-se às vezes, ficar zangado quando alguém o incomoda ou chorar em uma situação desagradável. O foco no caso deve ser:

  • Quão bem você funciona em todas as áreas da sua vida;
  • Se você se recupera dos desafios de forma eficaz,
  • Como você usa seus pontos fortes para compensar os déficits.

Não importa qual seja seu diagnóstico, o objetivo de um terapeuta é ajudá-lo a funcionar da melhor forma usando as habilidades que você possui internamente. Quando você procura dentro de si (em vez de procurar fora em outras pessoas ou coisas), as mudanças positivas acontecem naturalmente.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você!

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/12/what-good-mental-health-looks-like/

FalaFreud

Quem tem uma agenda cheia sabe como pode ser difícil marcar uma consulta e conseguir conciliar seus horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis, como, por exemplo, de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que em um consultório é bem difícil isso acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e agendar sua primeira sessão.

Como a gratidão pode mudar a sua vida

Descubra como a gratidão pode mudar a sua vida e trazer mais felicidade para os seus dias.

O tema “gratidão” vem sendo bastante divulgado pelo mundo. Porém, o assunto já está em voga há muito tempo. Isso porque, antigos filósofos já vinham fazendo estudos científicos para identificar como a gratidão pode ser positiva para a nossa saúde. Estudos sugerem que as pessoas gratas são mais felizes, mais saudáveis, mais motivadas e têm relacionamentos mais fortes. Veja a seguir como a gratidão pode mudar a sua vida.

Mas afinal, como a gratidão pode mudar a sua vida?

Confira abaixo como esse sentimento atua em nossos cérebros cientificamente:

  1. A gratidão nos faz sentir mais conectados

Usando ressonância magnética funcional (fMRI), neurocientistas perceberam que as regiões do cérebro associadas à socialização e ao prazer acendem quando alguém sente gratidão. Isso explica porque a gratidão desempenha um papel tão importante nos relacionamentos.

Por isso, para praticar a gratidão no seu relacionamento, faça o seguinte exercício: Diga a alguém que você ama três coisas que você mais aprecia sobre ela. Se você não quiser expor para a pessoa, tudo bem, fique apenas consciente dos motivos nos quais você é grato por tê-la em sua vida.

  1. Pessoas gratas são mais generosas

Neurocientistas descobriram que pessoas agradecidas demonstram maior sensibilidade neural no córtex pré-frontal medial. Isto é, na área do cérebro responsável pela aprendizagem e tomada de decisão. Essas descobertas sugerem, portanto, que quanto mais grata a pessoa se sente, mais ela expressa essa gratidão.

Por isso, segundo o psicólogo Paul Piff e seus colegas da Universidade Berkeley, na Califórnia, as pessoas mais generosas não são necessariamente as mais ricas.

Confira exercício para perceber como gratidão pode mudar a sua vida.  Para isso, pesquise uma nova instituição de caridade para apoiar, seja voluntário(a) ou apenas ofereça sorrisos às pessoas que passam pelo seu dia.

  1. A gratidão vem do coração

Os neurocientistas estudaram a motivação por trás da gratidão. Com isso, eles descobriram que as pessoas gratas não doam para uma causa porque elas sentem que devem. Em vez disso, a pesquisa sugere que esses indivíduos são motivados internamente a fazer algo de bom. Isto é, existe uma motivação que vem de dentro. 

Outro exercício para aprender a ser grato é, por exemplo, criar um diário de agradecimento. Observe sentimentos e comportamentos que surgirão dessa prática.

  1. A gratidão pode ser aprendida

Se você tem interesse em saber como a gratidão pode mudar sua vida, mas ao mesmo tempo acha que não conseguirá colocá-la em prática, saiba que existe um jeito. Graças à neuroplasticidade – isto é, a capacidade do nosso cérebro de criar constantemente novos caminhos neurais -, nós temos o poder de treinar nossos cérebros para buscar momentos de gratidão.

Com a prática consciente, você tem a capacidade de religar seu cérebro. Em vez de repetir o que não está funcionando, portanto, você pode se concentrar nas coisas positivas que quer.

Um bom exercício para treinar seu cérebro é: assim que acordar, anote alguma coisa boa sobre aquele dia.

  1. A gratidão alivia o estresse

Cultivar a gratidão através de práticas como a meditação tem mostrado  eficaz para reduzir a frequência cardíaca. Portanto, prestar atenção ao que você é grato diminui estresses diários e te leva a uma vida mais saudável.

Para praticar a meditação amorosa, feche os olhos, respire fundo e pense no seguinte:

  • Uma coisa que você aprecia sobre si mesmo;
  • Uma coisa que você aprecia em um ente querido;
  • Uma coisa que você aprecia em alguém que você conhece, mas não muito bem.

Porém, no final do dia não se trata de quão consistentemente você escreve em seu diário de gratidão ou de quantos minutos você medita em gratidão a cada manhã.

Esse ato fala sobre perceber os pequenos momentos e valorizá-los. É sobre apreciar as pessoas ao seu redor. É sobre lembrar o poder dessa simple palavra: obrigado(a).

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você!

Fonte: https://www.talkspace.com/blog/2018/11/what-gratitude-does-to-your-brain/

FalaFreud

Quem tem uma agenda cheia sabe como pode ser difícil marcar uma consulta e conseguir conciliar seus horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis, como, por exemplo, de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que em um consultório é bem difícil isso acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e agendar sua primeira sessão.

Download App

Como ser mais confiante e seguro de si

Confira na matéria como ser mais confiante e seguro de si e descubra como isso pode transformar a sua vida!

Ser confiante e seguro de si pode não ser uma tarefa simples. Há muitos fatores que influenciam na auto-estima, mas a maioria deles está relacionado as nossas experiências passadas no mundo – primeiro como uma criança e depois como um adulto – e como essas experiências fazem com que nos enxergarmos diferentes. Porém, na matéria a seguir você verá  algumas dicas de como ser mais confiante e seguro de si.

Aumentando a sua confiança

O mundo está cheio de pessoas inteligentes que se enxergam como “perdedoras”. Pessoas que não se acham boas, bonitas ou espertas o suficiente. Mas a questão é: como liberar esses padrões de pensamentos negativos e se tornar mais confiante?

Se você está procurando idéias construtivas sobre como fazer mudanças duradouras em sua confiança, existem algumas maneiras de fazer isso.  Confira! 

Olhe as coisas de forma objetiva e racional

O primeiro passo de como ser mais confiante e seguro de si é passar a enxergar seus pontos fortes e fracos de forma mais racional e objetiva. Veja o exemplo:

Você vive preocupado com o seu desempenho no trabalho e acha que está sempre desapontando sua equipe ou seu chefe. Para avaliar de forma mais clara, analise com atenção as avaliações de desempenho que você recebeu ao longo dos anos.

Muitas vezes, pessoas com baixa confiança subestimam seus níveis reais de desempenho. Portanto, analisar dados reais poderá te ajudar a entender no que você realmente precisa trabalhar e no que você já está indo bem.

Além disso, para algumas pessoas, pode ser reconfortante olhar para os sucessos do passado. Isto é, ainda sobre o exemplo acima, essa pessoa poderia pensar: “bom, eu sempre tive um bom desempenho em em apresentações no passado. Nunca recebi feedbacks muito negativos, então não há razão para achar que essa próxima apresentação será diferente”.

Avalie seus relacionamentos atuais

Em seguida, a próxima dica é olhar atentamente para as pessoas com as quais você se relaciona. Se tiverem pessoas tóxicas em sua vida, você precisa pensar como elas estão afetando sua auto-estima e saúde emocional.

Por exemplo, se uma mulher que se sente péssima com relação ao seu corpo vê a mãe várias vezes por semana, e sua mãe sempre comenta sobre seu peso, essa relação pode estar sabotando as chances dela de aumentar a confiança com a própria imagem.

Neste caso, existem várias atitudes que essa mulher pode tomar. Ela pode, por exemplo, falar abertamente com a mãe e estabelecer limites sobre quais assuntos podem ou não ser falados. Outra abordagem pode ser limitar o contato entre elas para uma vez por semana e verificar se há alguma mudança correspondente nos níveis de auto-estima.

Entenda seu passado

Como falamos no começo do texto, as principais causas de uma auto-estima baixa vem da infância. Por isso, se você quer saber como ser mais confiante e seguro de si, precisará olhar para o passado.

É essencial olhar para trás em sua vida e entender quais mensagens você recebeu quando criança. Isso porque, pessoas com pouca confiança muitas vezes cresceram em lares onde eram implicitamente ou explicitamente chamadas de incompetentes.

Por exemplo, um menino pode ter ouvido do seu pai que ele não era inteligente o suficiente. Mesmo que isso não tenha sido dito com más intenções, provavelmente moldou a forma como esse garoto pensava sobre si mesmo durante sua infância e, mais tarde, como adulto. Assim, esse pensamento pode se repetir na fase adulta, boicotando atitudes e intenções do indivíduo. Ou seja, ele pode não conseguir alcançar o sucesso, uma vez que no fundo não se acha esperto o suficiente.

Como a terapia pode te deixar mais confiante e seguro

Descobrir a causa por trás da sua falta de confiança pode ser transformador. Isso permitirá que você tente coisas fora de sua zona de conforto e confie em seu potencial.

A terapia costuma ser uma ótima opção, pois te ajudará a descobrir a origem de seus problemas de confiança. Um terapeuta habilidoso pode estabelecer metas que o ajudem a construir lentamente sua auto-estima. 

Agora que você já sabe como ser mais confiante e seguro de si, não deixe que a baixa auto-estima prejudique mais a sua vida. O melhor presente que você pode dar a si mesmo é a capacidade de compreender seus sentimentos com clareza. Através da introspecção e do trabalho terapêutico, você poderá ter consciência daquilo em que você que é bom e das áreas da sua vida que podem melhorar.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental?  Acesse o blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialistas para você!

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/11/therapists-guide-to-confidence/

FalaFreud

Quem tem uma agenda cheia sabe como pode ser difícil marcar uma consulta e conseguir conciliar seus horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis, como, por exemplo, de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que em um consultório é bem difícil isso acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e agendar sua primeira sessão.

Download App