Como lidar com chefe controlador? Terapeuta dá dicas

Ter conflitos com o seu chefe pode ser mais comum do que você imagina! Mas então, o que fazer e como lidar com chefe controlador? Veja as dicas da terapeuta do FalaFreud.

Chefes autoritários, estressados, que gritam,… a lista é enorme! Só quem já trabalhou com pessoas assim sabe o quanto a rotina pode ser difícil. Porém, existem algumas dicas que podem te ajudar a melhorar a convivência em seu ambiente de trabalho. Confira a matéria do FalaFreud para saber como lidar com chefe controlador.

Como construir um bom relacionamento com o seu chefe nesses casos?

Se coloque no lugar dele(a)

A primeira dica para lidar com chefe controlador(a) é se imaginar no lugar dele(a). Muitas vezes julgamos as pessoas sem sabermos o que a pessoa está vivenciando. Dito isso, é importante lembrar que, assim como você, seu chefe também passa por pressões e cobranças. Porém, cada um tem uma forma de lidar com as situações. Portanto, tente pensar nos problemas que ele enfrenta, da mesma forma que você. 

Aprenda a se comunicar com ele(a)

Cada pessoa tem uma forma de se comunicar. Você pode entender qual método de comunicação preferido do seu chefe. Por exemplo, ele gosta de saber todos os detalhes? Ou prefere que você seja mais breve? Ele prefere ser informado pessoalmente sobre reuniões e acontecimentos gerais? Ou é melhor via e-mail?

Peça sempre um feedback

Saber o que é esperado de você e quais são as suas tarefas dentro da empresa ajuda bastante. Em vez de esperar ter algum problema para falar com o seu chefe, tente fazer isso antes. Peça um feedback para saber exatamente às expectativas dele sobre você. 

Diga como você se sente

Outra dica importante sobre como lidar com chefe controlador é sempre ser honesto quanto aos seus sentimentos. Converse como você se sente quando ele te trata de certo modo ou como te afeta o modo no qual ele lida com determinada situação. Lembre-se de ser cuidadoso na hora de falar. Em vez de criticá-lo, você deve falar sobre como se sente quando ele age daquela maneira.

Reveja suas atitudes

As vezes, já estamos tão fragilizados que qualquer coisa nos desestabiliza. Por isso, antes de pensar em procurar outro emprego, reflita até que ponto o problema está no seu chefe e não com você. Para isso, reflita se você está bem consigo mesmo ou se tem algo externo ao trabalho que está te afetando.

Se o problema não for apenas o chefe difícil,mas sim algo interno, procure fazer atividades que te agradam, como praticar esportes, sair com os amigos durante a semana, etc.

Olhe para o lado positivo de ter um chefe controlador

Pode ser difícil pensar em coisas positivas quando se tem um chefe controlador ou com um comportamento difícil. Porém, saiba que ter um chefe assim pode te ajudar a ser um funcionário melhor. Isso porque, você possivelmente será mais cuidadoso com suas tarefas e buscará constantemente a evolução.

Nunca leve nada para o lado pessoal

Não ache que o seu chefe está te perseguindo. Ao fazer isso, você não só atrapalhará o seu rendimento profissional mas também a convivência no ambiente de trabalho. Sendo assim, em vez disso, encare o comportamento do seu chefe como consequência do estresse e da pressão que ele sofre diariamente.

Se conecte com características positivas do seu chefe

Por mais que seu chefe seja controlador, grosseiro, rude, entre mil outras coisas, todo mundo tem um lado bom. Portanto, descubra coisas positivas sobre ele, coisas que te fazem admirá-lo.

Ao seguir essas dicas, você possivelmente quebrará o bloqueio negativo que existe entre você e seu chefe. Além disso, lembre-se de que ser inteligente emocionalmente é saber lidar com todos os tipos de pessoa. 

Porque descontamos a raiva nos outros? Confira a matéria do FalaFreud

Confira o vídeo da terapeuta Dayane Fagundes sobre como lidar com chefe controlador 

Quem tem uma agenda cheia sabe como pode ser difícil marcar uma consulta e conseguir conciliar seus horários pessoais com o do profissional. Porém, por ser online, fica muito mais fácil para o psicólogo conseguir te atender em horários flexíveis, como, por exemplo, de manhã bem cedo ou até tarde da noite – coisa que em um consultório é bem difícil isso acontecer.

Clique abaixo para baixar o FalaFreud e se conectar com um dos nossos psicólogos por apenas R$159,99 por mês.

Download App

Descontar a raiva nos outros: Por que fazemos isso?

Descontar a raiva ou frustrações no parceiro ou em familiares pode ser mais comum do que você imagina.  Entenda esse mecanismo de defesa e veja como acabar com esse comportamento

Se você já descontou ou costuma descontar a raiva nos outros, saiba que você não está sozinho. Quando não conseguimos identificar nossas questões internas sozinhos, muitas vezes acabamos colocando a culpa de nossas frustrações em outras pessoas, como se eles fossem os culpados.

Porém, ao longo do processo terapêutico, é possível identificar quais  dessas emoções são nossas e quais são do outro. 

Mas afinal, por que descontar a raiva nos outros é tão comum?

Na Psicologia, existe o que chamamos de “Deslocamento”. Isso é, deslocarmos nossas emoções, como raiva e tristeza para um outro objeto ou pessoa.

O deslocamento, portanto, é um mecanismo de defesa. Ou seja, em vez de descontarmos nossas  frustrações no alvo desejado, descontamos estes sentimentos em um alvo substituto. Isso acontece quando por alguma razão não é possível descontar no primeiro alvo.

Para ajudar a entender como funciona o deslocamento, veja alguns exemplos de projeção:

Situação 1: Uma mãe luta para ser a melhor mãe possível para a sua filha adolescente, mas é doloroso pensar que ela pode estar desapontando sua filha, igual própria mãe a desapontou. Em vez de confrontar essa verdade difícil, ela coloca a culpa no marido e joga a responsabilidade para ele: “Você nunca tem empatia com ela, é por isso que ela não se sente confortável com você”.

Situação 2: Uma mulher está se sentindo triste por desperdiçar anos de sua carreira em um emprego sem futuro. Frustrada, ela acusa o namorado de jogar videogames em vez de correr atrás e tentar mudar sua vida para melhor.

Situação 3: Um homem está insatisfeito com seu peso e come compulsivamente toda vez que se sente deprimido. Porém, ao mesmo tempo ele menospreza sua parceira por comprar demais e não ter “autocontrole”.

Todas as pessoas dos exemplos acima estão inconscientemente desapontadas consigo mesmas em uma área que é fundamental para sua auto-imagem e identidade. Porém, por ser muito difícil expor suas próprias falhas,o subconsciente delas faz com que elas projetem e descontem essas falhas em um alvo próximo e acessível: seu parceiro ou entes queridos.

Você está projetando suas frustrações em outra pessoa? Descubra!

Uma forma de descobrir se você pode está descontando sua raiva nos outros  é parar para refletir sobre problemas nos quais você mais tem vergonha de assumir – mesmo que seja difícil.

Perceba se você tem projetado essa falha no outro, como se ele fosse o único a ter esse problema. Reflita até onde vai de fato a parte que é do outro e onde começam a entrar suas próprias questões.

Para alguns, a questão está tão enraizada que é quase impossível enxergá-la e ela aparece de outras formas, como por exemplo por trás de ansiedade exagerada ou até depressão.

Sendo assim, a terapia é muito recomendada nesses casos. Isso trará autoconhecimento suficiente para que você saiba identificar suas questões pessoais e pare de descontar a raiva nos outros.

Encontrando soluções a partir dos exemplos anteriores

Nos exemplos dados no início do texto, perceba que, se a mãe foi capaz de abordar sua própria incapacidade de ter empatia com a filha, e descobrir porque isso é um problema para ela, então ela pode ser capaz de desenvolver um relacionamento mais próximo e mais amoroso com sua filha.

Se a mulher no segundo exemplo fez o trabalho duro de olhar para a estagnação de sua própria carreira, ela pode decidir voltar para a escola ou mudar de carreira, em vez de apenas descontar a raiva nos outros. 

Se o homem no último exemplo confrontasse seus desafios, ele seria capaz de abordar seus problemas de ganho de peso e imagem corporal mais diretamente, como por exemplo através de um programa de condicionamento físico e / ou terapia.

Considere a terapia como uma ajuda importante

Como falamos anteriormente, a terapia é muito útil para ajudar nos casos de projeção. Seja pela terapia de casal ou individual, o processo terapêutico pode ensinar a lidar com os problemas de uma forma mais direta e honesta.  Isso evitará a projeção agressiva passiva ou outros estilos problemáticos de comunicação.

Gostou do conteúdo e quer ler mais sobre Dicas Para Saúde Mental Terapia ? Acesse o Blog do FalaFreud e leia nosso conteúdo feito por nossos especialista para você!

Fonte:https://www.talkspace.com/blog/2018/08/projecting-problems-onto-your-partner/